Dormir mais de 8 horas pode estar associado a problemas cardiovasculares

É certo que dormir o suficiente é fundamental para nos mantermos saudáveis, mas dormir demasiado pode estar ligado a um maior risco de contrair problemas cardíacos e até a um maior risco de mortalidade.

Na verdade, dormir demasiado não mata diretamente mas, passar muito tempo na cama pode ser um sintoma de um outro problema ou pode mesmo piorar outros problemas de saúde já existentes, aponta um novo estudo, publicado na semana passada no Journal of the American Heart Association.

A equipa de cientistas que conduziu a investigação afirma que devemos prestar mais atenção ao sono em excesso, alertando que reduzindo as noites de sono para as recomendadas 7 ou 8 horas pode acabar por reduzir significativamente a probabilidade de contrair problemas de saúde mais tarde.

“As nossas conclusões revelam implicações importantes, apontando que os médicos devem ter em consideração, quando exploram o sono nas consultas, o tempo e a qualidade do sono”, considerou Chun Shing Kwok, um dos investigadores.

“Se forem encontrados padrões de sono excessivos, com durações prolongadas de 8 horas ou mais, os médicos devem considerar o rastreamento de fatores de risco cardiovascular e a apneia obstrutiva do sono – um distúrbio grave do sono que se dá quando a pessoa está a dormir”, revelou.

Ou seja, se os pacientes passam muitas horas a dormir, vale a pena os médicos investigarem – principalmente se o sono for longo, mas não refrescante.

Aumento no risco morte

Para a pesquisa, foram analisados 74 estudos anteriores que avaliaram a duração e a qualidade do sono, bem como a taxa de mortalidade e a saúde cardiovascular. No total, os estudos contavam com 3 milhões de participantes.

Os investigadores descobriram que a duração média de sono de 10 horas por noite está associada a um aumento de 30% na taxa de mortes prematuras, comparativamente com os sonos de 7 ou 8 horas.

A média de 10 horas de sono também representa um aumento de 56% no risco de morte por acidente vascular cerebral (AVC) e um aumento de 49% por doença cardiovascular. A  má qualidade do sono, implicava um aumento de 44% no risco de mortalidade por doença coronária.

Mesmo considerando uma grande amostra, o estudo apresenta algumas limitações. O facto do sono ser relatado pelos próprios pacientes e não medido em laboratório é uma das principais. Por isso, o estudo não é totalmente preciso.

Por tudo isto, os investigadores não podem dizer que há uma relação direta entre dormir mais de 8 horas e sono e ter uma morte prematura.

Importa ainda salientar que há vários fatores de diferente natureza que afetam o sono por isso, a investigação sobre o tema vai continuar. “O sono afeta-nos a todos. A sua quantidade e qualidade é um assunto complexo”, concluiu Kwok.

PARTILHAR

RESPONDER

Se não pararmos de comer carne, vamos acabar com o planeta

Cada cidadão deverá reduzir em 75% o seu consumo de carne de vaca, 90% de carne de porco, comer metade da quantidade de ovos e triplicar o consumo de sementes e frutos secos. Segundo um estudo …

Encontrado o mais antigo registo sobre Jerusalém

Especialistas da Autoridade de Arqueologia de Israel (AAI) encontraram uma pedra com uma inscrição de dois mil anos de idade na qual se lê "Jerusalém" em hebraico. Encontrada numa escavação subterrânea por baixo do Centro de …

NASA tem esperança que os ventos de Marte reanimem a Opportunity

Os ventos fortes, que se fazem sentir em Marte num determinado período do ano, poderão ajudar a limpar a poeira dos painéis solares do rover Opportunity, que está adormecido desde junho. De acordo com a …

Dormir muito é tão prejudicial como dormir pouco

Um novo estudo descobriu que dormir muito pode ter consequências tão prejudiciais para a saúde como dormir pouco, reduzindo igualmente as capacidades cognitivas.  Um grupo de cientistas da Universidade norte-americana de Ontario conduziu em junho de 2017 …

Cientistas desenvolveram uma retina humana em laboratório

Cientistas da Johns Hopkins University, nos Estados Unidos, desenvolveram a partir do zero tecido da retina humana para aprender como é que são compostas as células que nos permitem ver o mundo a cores. Os cientistas …

Asteróide deixa cientistas perplexos com a sua superfície incomum

Cientistas receberam os primeiros dados e fotos do rover MASCOT, que pousou recentemente na superfície do asteroide Ryugu, e ficaram completamente perplexos. Os dados obtidos apontam para uma quantidade extremamente baixa de poeira na superfície do …

Ossadas contam história de criança neandertal devorada por pássaro gigante da Idade do Gelo

Arqueólogos descobriram os restos humanos mais antigos já encontrados na Polónia. Análises posteriores revelaram pertencerem a uma criança neandertal que terá sido devorada por um pássaro gigante. Apesar de as ossadas terem sido recuperadas há já …

Cientistas descobrem de que são feitos os exoplanetas semelhantes à Terra

Investigadores da Universidade de Zurique analisaram a composição e estrutura de exoplanetas distantes usando ferramentas estatísticas. A sua análise indica se um planeta é parecido com a Terra, se é composto por rocha pura ou …

10% dos homens são daltónicos

Um em cada 10 homens sofre de daltonismo, uma perturbação caracterizada pela incapacidade de diferenciar todas ou algumas cores. O daltonismo, também conhecido como discromatopsia ou discromopsia, é uma perturbação da perceção visual caracterizada pela incapacidade …

O fundador da Ethereum prevê uma crise financeira até 2021

Vitalik Buterin, fundador da Ethereum, não é um entendido em economia global, mas prevê uma crise financeira até 2021. Vitalik Buterin, o prodígio de programação de apenas 24 anos que inventou a plataforma Ethereum aos 19 anos, …