Dor no adeus: Usain Bolt lesiona-se na última corrida da carreira

Srdjan Suki / EPA

A carreira de Usain Bolt terminou bastante mal, com o já lendário atleta jamaicano a lesionar-se este sábado na sua última corrida, a final dos 4×100 metros dos Mundiais de atletismo de Londres, que a Jamaica não terminou.

Usain Bolt recebeu o testemunho para o último percurso na terceira posição, atrás de norte-americanos e britânicos, tentou forçar e acabou por ter de parar na pista, com uma lesão muscular.

Uma cãibra na coxa esquerda foi o motivo que impediu o jamaicano de terminar a última corrida da sua carreira, a final dos 4×100 metros dos Mundiais de atletismo, em Londres.

“É uma cãibra no isquiotibial esquerdo, mas a maior dor que sente é pela deceção de ter perdido a corrida. As três últimas semanas foram duras para ele“, afirmou o médico da seleção da Jamaica, Kevin Jones.

Omar McLeod, medalha de ouro nos 110 m barreiras e que no sábado correu o primeiro percurso da estafeta jamaicana nos 4×100, afirmou que todos estavam um pouco comovidos com a lesão de Bolt.

“O nome de Usain Bolt permanecerá para sempre”, sublinhou.

A Grã-Bretanha conquistou a medalha de ouro, com 37,47 segundos, batendo os EUA (37,52) e o Japão (38,04).

O recordista mundial de 100 e 200 metros fecha assim a sua carreira com 14 medalhas em campeonatos do Mundo, um recorde para o setor masculino. Só na estafeta, ia em Londres para quarto título consecutivo.

Farah despede-se sem vitória (mas em apoteose)

Quando tudo se preparava para festejar o 11.º grande título de Mo Farah – seria o quarto só nos 5.000 metros em Mundiais -, eis que uma corrida especialmente lenta permitiu que a Etiópia se desforrasse de tantos anos de ‘humilhações’, através do mais experiente dos seus homens em pista, Edris, antigo campeão júnior, há cinco anos.

Edris e o seu compatriota Yomif Kejelcha (outro campeão nos escalões jovens) tomaram conta da corrida a 500 metros da meta, respondendo na perfeição a Farah e ao norte-americano Paul Chelimo, o vice-campeão olímpico, que eram apontados como os melhores terminadores.

“Dei tudo”, limitou-se a dizer Farah no final, antes de uma apoteótica volta à pista do estádio Olímpico de Londres, que estava cheio. Nos ecrãs de topo, passava uma montagem com os melhores momentos da carreira.

O tempo de Edris, 13.32,79 minutos, comprova bem como a corrida foi lenta – mas valeu-lhe o ouro, o primeiro para a Etiópia desde Kenenisa Bekele em 2009.

Farah, com a prata de hoje, falha o ‘tetra’ e é, finalmente, ‘derrotável’ no ano em que se despede das pistas. Aos 34 anos, é o fim, agora só fará mais duas provas este mês em Inglaterra e arruma os sapatos.

Chelimo fica com o bronze, e aos 26 anos parece ser agora quem mais pode fazer frente à ‘armada etíope’.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Último aviso da Cassini: se for a Saturno, leve guarda-chuva

Se está a pensar fazer uma viagem até Saturno deixamos um conselho: não se esqueça do guarda-chuva. Cientistas norte-americanos descobriram recentemente que os anéis de Saturno podem produzir uma espécie de chuva. A sonda Cassini viveu …

A bebé que nasceu com o coração fora do corpo sobreviveu

Uma bebé que nasceu com o coração fora do peito superou as expectativas que lhe davam menos de 10% de possibilidades de sobrevivência, e ultrapassou três cirurgias para resolver esta rara condição cardíaca. Vanellope Hope Wilkins …

Vieira da Silva implicado no escândalo Raríssimas

Paula Brito e Costa quis criar uma fundação, com o intuito de reforçar os seus poderes na associação Raríssimas. O pedido teve um parecer negativo, mas isso não a impediu de assinar um protocolo como …

PS contraiu mais um empréstimo e já deve 9 milhões de euros à banca

O PS contraiu, há cerca de duas semanas, mais um empréstimo bancário para fazer face às dificuldades financeiras que vem atravessando. O partido tem uma dívida à banca que ronda os 9 milhões de euros. A …

Casa dos Marcos corre o risco de fechar por falta de acesso às contas bancárias

Os trabalhadores da "Raríssimas" avisam que a associação está em risco de fechar por falta de acesso às contas bancárias e apelam ao primeiro-ministro para que envie uma direção idónea para permitir o seu funcionamento. A …

Rui Rio recebe 21 mil euros por ano da Ordem dos Contabilistas

Desde 2013, Rui Rio recebeu 1500 euros brutos mensais como vice-presidente da Assembleia Geral da Ordem dos Contabilistas Certificados (OCC). Por ano, são 21 mil euros ilíquidos: é esse o valor que o candidato à presidência …

Médicos Sem Fronteiras falam em 9 mil rohingyas mortos em apenas um mês

Pelo menos nove mil rohingyas morreram no Estado de Rakhine, em Myanmar, entre 25 de agosto e 24 de setembro, segundo investigações dos Médicos Sem Fronteiras em acampamentos de refugiados no Bangladesh. "Como 71,7% das mortes …

MAI dá à PSP uma semana para avaliar riscos de segurança na noite

A PSP tem até ao próximo dia 20 para realizar uma avaliação dos incidentes registados nos últimos dois anos em estabelecimentos de diversão noturna. Segundo o Diário de Notícias, a ordem de Eduardo Cabrita terá sido …

Três semanas depois, ainda não há pedidos de indemnização por mortes em incêndios

Passaram quase três semanas desde a abertura do processo de entrega de requerimentos, mas a Provedoria da Justiça ainda não recebeu nenhum pedido. A presidente da Associação das Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande (AVIPG) explica …

Mães querem processar Estado pelas adoções ilegais da IURD

As mães portuguesas de dez crianças que terão sido roubadas à família de um lar ilegal financiado pela Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) e adotadas por bispos e pastores da igreja ponderam lutar …