O pássaro Dodo de Alice no País das Maravilhas foi assassinado a sangue frio

Os Dodos foram extintos há mais de 300 anos, mas os cientistas abriram agora uma investigação depois de perceberem que um dos pássaros – o espécime que inspirou o autor Lewis Carroll – foi brutalmente assassinado.

Depois de recentemente terem digitalizado o famoso dodo para um scanner de micro-tomografia computorizada, os investigadores perceberam que as imagens mostram estranhas manchas no pescoço e parte de trás da cabeça do animal.

Uma investigação mais profunda revelou que essa marcas eram pequenas marcas de chumbo, o que significa que alguém alvejou o dodo por trás, matando o animal, anunciaram os investigadores.

O diretor do Museu de História Natural em Inglaterra, na Universidade de Oxford, Paul Smith, disse que esta descoberta se revelou uma completa surpresa para si.

Durante anos, os curadores pensaram que o espécime era o mesmo que foi trazido para Londres em 1638, quando o animal ainda estava vivo, explicou o diretor. O famoso dodo era um espetáculo de curiosidade e as pessoas podiam pagar para o ver e alimentar.

O que se pensava até agora era que o famoso dodo tinha morrido e os seus restos mortais tinham sido adquiridos por John Tradescant the Elder, cuja família providenciou a coleção fundadora para os museus da Universidade de Oxford.

Mas esse dodo, que despertava tantas atenções, nunca foi alvejado, pelo menos que se saiba, pelo que se levanta a questão: De onde veio o dodo em exposição em Oxford se não é o mesmo que protagonizava os espetáculos de curiosidade em Londres?

“Agora temos um mistério no que toca à origem do dodo”, disse Smith. Mas mistério maior que esse é “quem matou o dodo?

Os dodos, Raphus cuculatus, eram nativos das ilhas Maurícias, a este de Madagáscar, no Oceano Índico. Os europeus repararam pela primeira vez no animal quando exploradores holandeses o encontraram em 1598. Mas algumas décadas depois de os marinheiros esfomeados comerem a ave, e ratos, gatos, cães e os porcos comerem os seus ovos, os dodos foram dados como extintos na sua ilha nativa em 1662.

O dodo de Oxford é o único no mundo que ainda contém pele e tecidos moles com ADN extraível. Num estudo de 2002 publicado na Science, os investigadores examinaram o seu ADN e descobriram que o pássaro é, na verdade, um pombo gigante que não voa, cujo familiar mais próximo vivo é o pombo-de-nicobar.

Os investigadores decidiram estudar de novo o animal de forma a formularem uma ideia mais clara de como é que os dodos se alimentavam e o que é que comiam, explicou o diretor.

Curiosamente, os investigadores descobriram que o tiro principal não penetrou o fino esqueleto do dodo. No entanto, os tiros foram, ainda assim, a sua causa de morte.

“Este é um pássaro que não voa por isso, obviamente, alguém o apanhou por trás e alvejou-o na cabeça“, disse Mark Williams, que lidera o grupo de Tecnologias de avaliação de produto e metrologia, que está a estudar o dodo.

Agora que o caso foi reaberto, os investigadores planeiam analisar o tiro principal para descobrir onde foi extraído. “Neste momento, não sabemos exatamente onde é que o pássaro foi alvejado. Foi alvejado no Reino Unido? Ou, mais provável, foi alvejado nas Maurícias e transferido para o Reino Unido? Foi alvejado por comida? Não sabemos”, disse o investigador.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

A Lua pintou-se de vermelho na Argentina (e a causa não é propriamente boa)

Uma estranha lua com tons avermelhados pintou o céu da Argentina. O fenómeno misterioso encheu as redes sociais de fotografias e teorias. Em diferentes regiões da Argentina, várias pessoas puderam apreciar, nas últimas noites, a Lua …

Aeronave autónoma é uma alternativa acessível aos satélites (e já fez o seu primeiro voo)

A empresa Swift Engineering, em parceria com o Ames Research Center, da NASA, desenvolveu uma alternativa acessível aos satélites: uma aeronave autónoma de alta altitude e longa resistência. Já nasceu a alternativa acessível aos satélites: chama-se …

Reservas naturais chinesas salvaram os pandas da extinção (mas "esqueceram-se" dos leopardos)

Uma nova investigação revela que os esforços da China para salvar os pandas gigantes foram bem sucedidos, mas os mesmos falharam na proteção de outros animais que partilham o mesmo habitat, como é o caso …

Comunidade científica critica Trump por dizer que NASA estava "morta"

Na quarta-feira, o Presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, afirmou no Twitter que "a NASA estava fechada e morta" até que o próprio fez com que voltasse a funcionar, afirmação que gerou consternação na …

É "bastante provável" que chegue à Europa uma Cybertruck de menores dimensões

É "bastante provável" que uma Cybertruck de menores dimensões venha a ser produzida e chegue depois ao mercado europeu, revelou Elon Musk, CEO da Tesla, empresa que produz estas pickups elétricas. Questionado na rede social …

Mais seis mortos e 131 novos casos em Portugal nas últimas 24 horas

Portugal regista hoje mais seis mortos e 131 novos casos de infeção por covid-19 em relação a sábado, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde. O número de pessoas internadas é de 366, mais nove …

"Erro" do Instagram favoreceu conteúdo de Trump face ao de Biden

Um "erro" da rede social Instagram favoreceu durante dois meses o conteúdo gerado pela campanha de reeleição do atual Presidente norte-americano, Donald Trump, quando comparado com as publicações de Joe Biden, candidato democrata que está …

Fotografia partilhada nas redes sociais levou à suspensão de alunos nos Estados Unidos

Pelo menos dois alunos da North Paulding High School, no estado da Georgia, dizem ter sido suspensos depois de terem partilhado nas redes sociais uma fotografia na qual é possível ver um corredor da escola repleto …

Estado de Nova Iorque com mais mortes por Covid-19 do que França ou Espanha

Os Estados Unidos registaram 1.252 mortos e 63.913 infetados com o novo coronavírus nas últimas 24 horas, segundo uma contagem independente da Universidade Johns Hopkins. Os últimos números de casos e óbitos registados devido a Covid-19 …

Turistas voltam a viajar, mas optam pelo low-cost

Mesmo num contexto de pandemia mundial o desejo de ir de férias continua vivo. Os turistas voltaram a procurar voos, contudo as opções recaem em percursos de curta distância e mais económicos. Ao longo dos últimos …