Camorra, droga e a queda meteórica: Eis o novo documentário do mítico Maradona

O documentário “Diego Maradona”, produzido pelo cineasta britânico Asif Kapadia, estreou-se esta semana no Festival de Cinema de Cannes, e promete trazer “imagens inéditas” sobre a vida atribulada do antigo futebolista argentino.

Kapadia, que produziu já os documentários “Amy”, um retrato íntimo sobre a vida Amy Winehouse que acabou por ganhar um Oscar, e “Senna”, documentário sobre o piloto brasileiro de Fórmula 1 Ayrton Senna, revelou que estes dois trabalhos estão, de certa forma, presentes no documentário de “D10s”.

O documentário de Maradona “começa quase como Senna, mas acaba mais como Amy. É um pouco dois dois”, explicou o cineasta, em Cannes, em declarações à AP. “De certa forma, a empatia é diferente. É como um relacionamento mais maduro. Apaixonei-me por Senna e Ammy de alguma forma. Mas eram mais fáceis, porque eram mais jovens”.

É entre estes dois universos que a história de Maradona é contada, como se estivesse dividida em duas linhas narrativas distintas: o rapaz pobre que lutou para deixar a pobreza extrema em que vivia em Villa Fioriti e o astro “Maradona” que se perdeu na fama, na droga e nas mulheres, nota o Observador.

A trabalho de Kapadia foca-se no período de tempo em que Maradona deixou o Barcelona e rumou ao Nápoles, onde o frenesim começou a crescer desde a sua chegada, a 5 de julho de 1984. De repente, Maradona ajuda o clube italiano pouco habituado a ganhar na época a vencer o campeonato italiano e o campeonato europeu.

Contudo, foi também em Nápoles que se consumou a sua queda, depois de uma acusação formal por posse de droga. O argentino ficaria para sempre ligado a este escândalo.

A película, com o subtítulo Rebelde. Herói. Golpista. Deus não contou com o futebolista na exibição de estreia. Em comunicado, Maradona disse não poder comparecer devido a uma “lesão no ombro”. Contudo, numa entrevista recente à Univision, o antigo futebolista disse que não iria a Cannes porque não gostou do título do documentário.

“Joguei futebol e fiz dinheiro a correr atrás da bola. Não enganei ninguém. Se querem atrair o público assim, estão errados (…) Não gostei do título, e se não gosto do título não vou gostar do filme. Não gosto do nome”, vincou.

As imagens inéditas utilizadas em “Diego Maradona” estavam na posse do já falecido Jorge Cyterszpiler, amigo e agente de Maradona. No final dos anos 80, Cyterszpiler contratou dois profissionais para cobrir a carreira de Maradona no Nápoles.

Durante o filme, é ainda possível ouvir várias entrevistas com o antigo futebolistas conduzidas por Kapadia. “As pessoas diziam: ‘[Maradona] pode estar bem amanhã, como pode não estar'” ou então “‘Hoje não está bem disposto, mas amanhã será um dia bom para entrevistá-lo'”, contou o cineasta. “E então, [a equipa] reunia-se com Maradona e ele não estava com vontade de falar”.

“Diego Maradora” tem estreia marcada para este verão, não havendo data oficial para a exibição em Portugal. A HBO adquiriu o documentário e pretende transmiti-lo a 24 de setembro, após uma breve passagem nos cinemas.

Camorra, droga e a queda meteórica

Quando deixou o Barcelona para rumar a Itália, Maradona era um jogador pouco desejado. Depois de duas épocas marcadas por lesões, o argentino perdeu a final da Taça do Rei para o Atlético de Bilbau. Após uma série de provocações do adeptos bascos e da já conhecida má relação do futebolista com alguns elementos da direção do Barcelona, Maradona perde a cabeça e envolve-se num série de agressões com jogadores, jornalistas e adeptos. No total, mais de 60 pessoa ficaram feridas.

De acordo com o El Español foi a partir deste momento que Maradona começou a sua “descida aos infernos”, que culminaria com uma acusação por posse de droga em Nápoles.

Este jogo acabaria por ditar a saída de Maradona, que depois se fez estrela no futebol italiano. O Nápoles, que à época não tinha qualquer título na Itália, tinha interesse em Maradona, que prometeu dar ao clube um campeonato – e deu, por duas vezes.

“Pedi uma casa e deram-me um apartamento, pedi um Ferrari e deram-me um Fiat”, ouve-se Maradona a dizer no filme, ao discutir a sua transferência, que atingiu os sete milhões – um valor recorde na altura.

Tal como recorda o El País, a transferência de Maradona foi muitas vezes associada a um financiamento por parte da Camorra, uma organização criminosa italiana. Em pouco tempo, conta o diário espanhol, o argentino tornou-se amigo de Carmine Giuliano, do clã Giuliano. Carmine tornou-se o seu dealer de cocaína de Marandona, vício antigo do jogador.

Maradona era aliciado, segundo El Español, com doses de cocaína e relógios Rolex em ouro como compensação para inaugurar lojas associadas à máfia. O jogador não esconde parte destas ligações, dando conta que deu por si a jantar numa “mesa cheia de pistolas”.

“Na noite de domingo, após o jogo, íamos jantar e caíamos na farra, e isso durava até quarta-feira, quando começava a limpar-me para jogar no domingo seguinte”, admitiu o jogador, dando conta que as mulheres e a droga marcaram o seu percurso.

Por esta altura, Maradona era um jogador de prestígio. Em 1986, jogou o mundial pela Argentina, fazendo o histórico golo “Mão de Deus” nos quartos-de-final. O jogo frente à Inglaterra seguia a zeros, quando o argentino aproveitou um mau atraso da equipa inglesa e “um pouco com a cabeça e um pouco com a mão de Deus” fez o primeiro golo. Em 2005, Maradona que o golo foi realmente marcado com a mão.

Quatro minutos depois, o argentino arrancou do meio-campo, passou por seis adversários ingleses e fez o segundo do encontro – Maradona resolveu o apuramento,

Contudo, foi no Mundial de Itália de 1990 que a relação de Maradona com os italianos se começou a degradar. As equipas disputavam um lugar na final no San Paolo, estádio do Nápoles, e Maradona pediu inclusive aos napolitanos para torcerem pela Argentina como alternativa, tal como admitiu na sua biografia. O futebolista acabou por marcar dois golos que afastaram a Itália da competição que a Argentina viria a perder para a Alemanha.

Na final, enquanto passava o hino argentino, os adeptos italianos assobiaram, enquanto Maradona devolvia aos italianos insultos. Itália e Maradona parecem nunca ter recuperado do Mundial de 1990.

Pouco depois, em fevereiro de 1991, Maradona é acusado formalmente por posse de droga. Trinta dias depois, é submetido a um teste antidoping que dá positivo. A partir este momento, onde acaba o documentário, vida do astro argentino nunca mais foi a mesma.

Rumou nesse mesmo ano para o Sevilha, onde fez uma época mais modesta com 29 golos em 14 jogos. Seguiu depois para o Newell’s Old Boys, na Argentina, e acabou a sua carreira no Boca Juniors, também na Argentina, em 1997.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Foguete impresso em 3D está quase pronto para a sua primeira missão no Espaço

A Relativity Space é uma empresa que pretende lançar em órbita o primeiro foguete imprimido a 3D. A startup diz que já recolheu o financiamento necessário para a sua primeira missão. Com uma visão inovadora, a …

Casaco e guitarra de Kurt Cobain vão a leilão (e valem milhares de euros)

O casaco que o líder dos Nirvana usou no lendário concerto MTV Unplugged in New York vai ser leiloado, com um preço de venda estimado em 270 mil euros. Uma guitarra de Cobain pode ficar …

"50 sombras" da Idade Média. Páginas censuradas de um livro francês encontradas nos EUA

As páginas de um romance medieval foram descobertas nos arquivos da Diocese de Worcester, no estado norte-americano de Massachusetts.  Investigadores descobriram uma versão perdida de um romance medieval, que contém cenas eróticas. O poema francês - …

A tecnologia usada na Bitcoin também está a ser usada para encontrar o amor

Várias dating apps (aplicações de encontros) estão a recorrer ao blockchain para que os seus utilizadores possam encontrar a cara-metade de uma forma mais segura e transparente. O Tinder é provavelmente a dating app mais usada …

Elon Musk quer enviar passageiros para o Espaço já no próximo ano

O bilionário Elon Musk, também fundador da fabricante de automóveis elétricos Tesla, fez um anúncio surpreendente: quer que pôr passageiros no Espaço já em 2020. “Isto pode soar totalmente louco, mas queremos tentar entrar em órbita …

Cientistas reverteram principal sintoma da esquizofrenia em camundongos

Um medicamento que está atualmente a ser desenvolvido para tratar a leucemia reverteu (em camundongos) um sintoma de esquizofrenia anteriormente intratável: o enfraquecimento da memória de trabalho. A memória de trabalho é um processo cerebral fundamental usado …

Para as criaturas marinhas, as doenças infecciosas são a sentinela da mudança

Uma recente investigação analisou as mudanças nas doenças relatadas em espécies submarinas num período de 44 anos. A conclusão não surpreende: a saúde dos oceanos está a piorar a passos largos. A compreensão das tendências oceânicas …

Solidariedade e ambiente. Nos EUA, já é possível doar as suas peças Lego

Nunca somos demasiado velhos para brincar com peças Lego. No entanto, se estiver a ficar sem espaço para as arrumar e estiver à procura de uma forma de garantir que os seus blocos acabam em …

Eis os primeiros smartphones pensados e fabricados em África

https://vimeo.com/365789486 No Ruanda nasceram os primeiros rebentos do grupo Mara, que anunciou o lançamento dos seus dois primeiros smartphones. São os primeiros a serem totalmente fabricados em África. Estes são os dois primeiros smartphones totalmente fabricados em …

Siza Vieira recebe Grande Prémio da Academia de Belas-Artes francesa

O arquitecto Álvaro Siza Vieira recebeu o Grande Prémio de Arquitetura da Académie des Beaux-Arts, pelo conjunto do seu percurso, no valor de 35 mil euros. “É uma grande honra, porque é um prémio importante. É …