DNA de Ricardo III revela infidelidades na família real

DP / Wikimedia

Ricardo III por William Hogarth (1697–1764)

Ricardo III por William Hogarth (1697–1764)

Análises ao DNA do rei inglês Ricardo III surpreenderam os cientistas e estudiosos por trazer à tona indícios de infidelidade na família do monarca, que governou a Inglaterra no século XV.

Os investigadores que estudaram o material genético dos restos mortais de Ricardo III, encontrados num estacionamento em Leicester, em Inglaterra, dizem que a descoberta pode ter profundas implicações históricas.

Dependendo do ponto da árvore genealógica em que ocorreu, a infidelidade pode levantar dúvidas sobre o direito ao trono do próprio Ricardo e seus sucessores – que são os famosos monarcas da dinastia Tudor: Henrique V, Henrique VI, Henrique VIII e Elizabeth I.

Mas, segundo o estudo, publicado na revista científica Nature Communications, os cientistas não analisaram eventuais desdobramentos dessas descobertas até à família real que ocupa actualmente o trono britânico, já que não está claro se de facto houve quebra na linhagem da realeza.

Além disso, Kevin Schurer, pró-vice-reitor da Universidade de Leicester, recorda que a reivindicação do trono era baseada em mais do que o sangue real, mas também em casamentos arranjados entre nobres e vitórias em batalhas.

Segundo Schurer, a actual família real, que tem em parte uma linha de descendência Tudor, não tem que se preocupar.

“Não estamos de forma alguma a dizer que a rainha Elizabeth II não devia estar no trono”, assegurou Schurer.

A curvatura da coluna do "esqueleto 1" encontrado no parque de estacionamento em Leicester é um dos indícios que confirma a identidade dos restos mortais: Ricardo III de Inglaterra

A curvatura da coluna do “esqueleto 1” encontrado no parque de estacionamento em Leicester é um dos indícios que confirma a identidade dos restos mortais: Ricardo III de Inglaterra

Descoberta no estacionamento

Retratado por Shakespeare como um tirano corcunda, Ricardo III foi morto na Batalha de Bosworth, em 1485, mas os seus restos mortais tinham-se perdido com o tempo.

Até que em 2012 arqueólogos encontraram os seus restos, num estacionamento em Leicester, que antes acolhia a abadia onde o rei tinha sido enterrado.

Os cientistas conseguiram extrair material genético dos restos encontrados. A análise científica mostra que o DNA, do lado materno, é igual ao dos parentes vivos do rei.

Mas a informação genética do lado paterno não.

A partir de outros detalhes que permitiram aos cientistas confirmar que se trata do corpo de Ricardo III,  concluíram que a infidelidade é a causa mais provável dessa discrepância.

“Quando juntamos todos os dados, há provas esmagadoras de que estes são os restos mortais de Ricardo III”, diz a investigadora Turi King, da Universidade de Leicester, responsável pelo estudo.

A infidelidade feminina na linhagem de Ricardo III pode ter ocorrido em qualquer ponto das numerosas gerações que separam o monarca do 5º duque de Beaufort (1744-1803), cujos descendentes vivos providenciaram amostras de DNA para serem comparados com os restos mortais do rei.

“Podemos ter solucionado esse quebra-cabeças histórico, mas com isso abrimos um quebra-cabeças novo“, diz Schurer à BBC.

ZAP / BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas criam algoritmo para identificar covid-19 a partir do som da tosse

Investigadores de vários países criaram um algoritmo que afirmam poder identificar se uma pessoa tem covid-19 a partir do som da sua tosse. Cientistas do México, Estados Unidos, Espanha e Itália, liderados por uma equipa do …

Para proteger o fundo do mar, novo sistema permite atracar vários barcos com uma só "âncora"

Quando vários barcos se amontoam numa enseada durante a noite, cada um deles lança uma âncora que pode potencialmente danificar os corais e a vida marinha no fundo do mar. O sistema Seafloat foi criado …

Japão e Estados Unidos assinam acordo de cooperação para exploração da Lua

O Ministério da Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia do Japão e a agência espacial dos Estados Unidos (NASA) assinaram um acordo de colaboração entre os dois países no programa Artemis, para a exploração da …

Washington Redskins mudam de nome por ser considerado racista

A equipa de futebol americano, até aqui denominada de Washington Redskins, vai abandonar essa designação, considerada de teor racista, para designar nativos da América do Norte. Em comunicado, a equipa de Washington explicou que, depois de uma …

Flores precisaram de cerca de 50 milhões de anos para se tornarem o que são hoje

As plantas com flor evoluíram há cerca de 100 milhões de anos, mas precisaram de outros 50 milhões de anos para diversificar e tornarem-se aquilo que são hoje, sugere uma equipa de investigadores. Os cientistas documentaram …

Estudo sugere que imunidade à covid-19 pode desaparecer em poucos meses

A imunidade adquirida por anticorpos após a cura da covid-19 pode desaparecer em alguns meses, o que poderá complicar o desenvolvimento de uma vacina eficaz a longo prazo, sugere um estudo britânico divulgado esta segunda-feira. "Este …

60 anos depois, já se sabe o que aconteceu aos 9 russos que desapareceram na Montanha da Morte

Passados 61 anos, o mistério da morte de nove esquiadores russos que faziam uma caminhada pelos Montes Urais, perto da chamada Montanha da Morte, foi finalmente resolvido. Em 1959, nove viajantes russos que faziam uma caminhada …

Médicos Sem Fronteiras é "institucionalmente racista", acusam atuais e ex-colaboradores

Uma declaração assinada por mil atuais e ex-funcionários revela que a Organização Não Governamental (ONG) Médicos Sem Fronteiras (MSF) é "institucionalmente racista" e reforça o colonialismo e a supremacia branca no trabalho humanitário que pratica. Na …

Empresa culpada pela crise de opioides fez contribuições políticas após declarar falência

A Purdue Pharma, empresa culpada pela crise de opioides nos Estados Unidos, fez contribuições políticas após ter sido processada e declarado falência. Os opioides são usados para aliviar a dor, mas também provocam uma sensação exagerada …

Norte-americano morre após ir a festa para provar que a covid-19 é uma farsa

Um norte-americano de 30 anos, de San Antonio, no estado do Texas, morreu de covid-19 depois de ir a uma festa para provar que a doença era uma farsa, informou a media local. O homem foi …