/

Distorções na luz estelar podem ser um sinal da presença de matéria escura

Uma nova técnica pode ajudar a identificar a misteriosa matéria escura, através da procura de distorções na luz das estrelas.

Apesar de ser invisível, os efeitos da matéria escura sobre outros objetos cósmicos permitem que seja mapeada. Os seus principais impactos incluem rotações de galáxias e estrelas e a sua presença pode ajudar a explicar o caminho que a luz percorre quando viaja pelo Universo.

Na Via Láctea, os efeitos da matéria escura são muito menores e muito mais difíceis de mapear. Recentemente, uma equipa de cientistas liderada por Siddharth Mishra-Sharma, da Universidade de Nova York, propôs uma nova técnica para ajudar a identificar a matéria escura, através da procura de distorções na luz das estrelas. Os resultados foram recentemente publicados na Physical Review D.

Na década de 1930, Fritz Zwicky teorizou que se as galáxias consistissem apenas em matéria bariónica, elas se separariam. A esta gravidade extra os cientistas deram o nome de matéria escura e os seus efeitos foram observados ao longo de vários anos.

NASA / ESA / L. Calçada

Lente gravitacional

Um dos efeitos consiste na lente gravitacional. De acordo com a teoria da relatividade geral, há uma distorção no espaço-tempo causada pela presença de um corpo de grande massa entre um objeto e o observador.

Em objetos mais pequenos, o efeito é muito pequeno. No entanto, nos objetos mais maciços – como um aglomerado de galáxias –, a distorção é muito mais pronunciada, resultando num caminho curvo de luz à medida que esta passa pela região.

O novo método propõe, segundo o Science Alert, observar a estrutura das estrelas individuais da Via Láctea para detetar a presença de matéria escura usando o efeito proposto pelas lentes gravitacionais. No entanto, como os efeitos são muito subtis em corpos relativamente pequenos, os cientistas tiveram a ideia de procurar sinais em grupos de estrelas.

Esta técnica proposta pela equipa da universidade norte-americana permite inferir a presença de matéria escura analisando as distribuições das velocidades e acelerações de estrelas e galáxias. Segundo as simulações, as distribuições variam de acordo com o tipo de matéria escura – sendo que a estrutura também pode ajudar a validar os modelos de matéria.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE