Diretores escolares querem ano letivo de dois semestres

Responsáveis pelas escolas defendem que o ano letivo no ensino básico e secundário devia ser dividido em apenas dois semestres, tal como acontece no ensino superior.

“O ano letivo devia ter apenas duas épocas de avaliação: em fevereiro e no final do ano, mantendo-se as pausas que já existem, do Natal, Carnaval e Páscoa”, defendeu Filinto Lima, presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP).

No final de março, diretores das escolas estiveram reunidos com a equipa liderada pelo Ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, a quem apresentaram esta proposta, mas a Organização do Ano Letivo de 2016/2017, publicada em Diário da República na sexta-feira, voltou a definir mais um ano letivo dividido em três períodos.

Filinto Lima admite que a proposta foi apresentada “um pouco tarde” para conseguir mudanças imediatas: “Estas medidas exigem discussão e debate, se bem que junto dos diretores e professores acolhem todo o interesse”.

Os momentos de pausa e avaliação dos alunos do ensino básico e secundário coincidem com o calendário religioso do Natal e da Páscoa, havendo anos em que os períodos apresentam durações muito diferentes, como acontece no próximo ano letivo.

“Vamos ter um primeiro período com 67 dias de aulas, o segundo terá 54 e o terceiro será de 29 dias, no caso dos alunos do 9.º, 11.º e 12.ºanos”, sublinhou o presidente.

Os diretores acreditam que ter apenas dois momentos de avaliação seria bom para o sucesso educativo e para o combate ao abandono escolar.

“Por exemplo, um aluno que tem negativa nos dois primeiros períodos, fica desmotivado e não acredita que consegue recuperar num período de apenas 29 dias”, defendeu o presidente da ANDAEP, sublinhando que “é preciso vontade política para fazer a mudança”.

O despacho de Organização do Ano Letivo 2016/2017 prevê ainda que os alunos do 1.º ciclo possam ter mais três semanas de aulas, uma alteração que Filinto Lima não critica, por entender que se trata de “um ciclo estruturante para os alunos”.

O presidente da ANDAEP saudou ainda a decisão do ME em escolher de forma rotativa as disciplinas a que os alunos são alvo de avaliação, contrariando a política do executivo anterior que apostava na Matemática e na Língua Portuguesa.

“Achamos bem, para que não pensem que há áreas do saber de primeira e áreas de segunda. Claro que a Matemática e o Português são estruturantes, mas todas as disciplinas são importantes“, defendeu.

No próximo ano, as provas de aferição dos estudantes do 2.º ano vão incidir sobre as disciplinas de Português, Matemática, Estudo do Meio e Expressões Artísticas e Físico-Motoras.

Já os alunos do 5.º ano vão ser avaliados sobre os seus conhecimentos a História e Geografia de Portugal e Matemática e Ciências Naturais.

Os estudantes do 8.º realizam provas a Ciências Naturais e Físico-Química e Português.

Apesar de os resultados das provas de aferição não contarem para nota, a sua realização é obrigatória e irá decorrer entre os meses de maio e junho. O ano letivo começa entre os dias 9 e 15 de setembro.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Rolando é reforço do Sporting de Braga

Sem clube desde que deixou o Marselha no verão, Rolando é o novo reforço do Sporting de Braga. O defesa de 34 anos deverá ser apresentado pelo clube minhoto ainda hoje. Dado ao facto de estar …

Quinta do Lazareto rende 13 milhões à Sonangol

A alienação da Quinta do Lazareto, um dos ativos imobiliários que a Sonangol pôs à venda em Portugal, rendeu à petrolífera angolana 13 milhões de euros, 45% acima da expetativa inicial, segundo uma administradora da …

Professores exigem negociações sobre progressão da carreira e ameaçam avançar para tribunal

Cerca de 50 professores concentraram-se esta quinta-feira em Bragança, onde decorre o primeiro Conselho de Ministros descentralizado, para exigir a abertura das negociações com a tutela, avisando que, se o Governo não o fizer, a …

Governo dá mais dias de férias a funcionários que se mudem para o interior

O Governo aprova esta quinta-feira em Conselho de Ministros um regime de incentivos para os funcionários da Administração Pública que decidam ir trabalhar para o interior, com ajudas de custo ou compensações financeiras e mais …

Autarquias têm mais um ano para preparar descentralização

O Governo decidiu dar mais tempo às autarquias para estas se prepararem para a descentralização. O prazo passa para o primeiro trimestre de 2022. Segundo avançou o Jornal de Notícias, citado pelo ECO, após críticas aos …

Sá Fernandes ponderou sair do Livre (e apoia eventual candidatura de Ana Gomes a Belém)

Na sua primeira grande entrevista após o caso Joacine, Ricardo Sá Fernandes, dirigente do Livre, revelou ao Observador que ponderou sair do partido e admitiu apoiar uma possível candidatura da ex-eurodeputada socialista Ana Gomes às …

Medina diz desconhecer caso do alegado falso engenheiro

O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, disse esta quarta-feira que não ter informação sobre o alegado falso engenheiro da empresa Tanagra, com quem a autarquia celebrou vários contratos para obras públicas. A TVI noticiou …

Parlamento debate fim das comissões bancárias no MB Way e nas prestações da casa

O Parlamento debate esta quinta-feira projetos do BE, do PCP, do PS, do PAN e do PSD sobre limitação e proibição de comissões bancárias, tendo os bloquistas, que agendaram esta discussão, expectativa de que os …

Castração química. Bloco de Esquerda é contra veto a projeto de lei do Chega (e explica porquê)

A Comissão Parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias considerou que o projeto de lei do Chega "não preenche os requisitos do ponto de vista constitucional". O Bloco de Esquerda votou contra e explicou …

Estado pode deixar de ganhar dinheiro com empréstimo ao Novo Banco

Atualmente, o Fundo de Resolução paga juros de 2% e 1,38% pelos empréstimos contraídos junto do Estado para financiar as medidas de resolução do BES e do Banif, respetivamente. Porém, esse valor pode descer para …