Dinossauros com penas eram muito mais fofinhos do que pensávamos

Dragos Andrei / wikimedia

Ilustração de um Velociraptor Mongoliensis.

Um novo estudo feito em torno das penas dos dinossauros chegou a conclusões surpreendentes que podem mudar a forma como olhamos para estes grandes animais extintos. Para já, é certo que alguns deles eram mas fofinhos do que pensávamos.

Investigadores da Universidade de Bristol, no Reino Unido, dedicaram-se ao estudo das penas de um grupo de dinossauros carnívoros, conhecidos como paraviantes, de que é exemplo mais famoso o Velociraptor e de quem os actuais pássaros são descendentes.

Conseguiram, assim, a que pode ser “potencialmente, a descrição mais precisa até à data de qualquer espécie de dinossauro”, conforme salienta a Universidade de Bristol (UB) num comunicado sobre a investigação.

Estes cientistas analisaram um fóssil de um destes paraviantes, o Anchiornis, um dinossauro com 160 milhões de anos do tamanho de um corvo, comparando as suas penas com as de outros dinossauros e pássaros extintos. Para o efeito, tiraram partido das suas excelentes condições de preservação e de técnicas de alta resolução de imagem, como explicam no artigo científico publicado no jornal Paleontology.

Assim, detectaram nas penas em torno do corpo do Anchiornis, as chamadas penas de contorno, uma nova forma de pena primitiva e extinta. Trata-se de “uma pena curta com farpas longas, independentes e flexíveis, irrompendo da pluma, em ângulos baixos, para formar duas palhetas e uma forma de pena bifurcada”, aponta a UB.

University of Bristol

Comparação das penas de fóssil de Anchiornis com as de pássaros modernos.

Estas penas agora descobertas davam ao Anchiornis uma “aparência fofa, em comparação com os corpos aerodinâmicos dos pássaros modernos, cujas penas possuem palhetas bem fechadas, formando superfícies contínuas”, acrescenta a UB.

Por outro lado, as penas destes dinossauros seriam menos aerodinâmicas, e logo menos eficientes para o voo, em comparação com as dos pássaros actuais, pecando também no controle da temperatura e na capacidade de repelir a água.

Mas para compensar estas circunstâncias, os Anchiornis tinham quatro asas, penas longas nas pernas e também uma franja de penas em torno da cauda. Tinham, ainda, “várias fileiras de penas longas na asa, ao contrário das aves modernas, onde a maior parte da superfície da asa é formada por apenas uma fila de penas”, refere a UB.

Rebecca Gelernter

Novo “visual” do dinossauro Anchiornis, com as penas de contorno primitivas agora descobertas e quatro asas.

Foi com base nestas conclusões, e considerando também outros estudos científicos, nomeadamente quanto aos padrões de cor, que a ilustradora científica Rebecca Gelernter deu uma nova forma a estes dinossauros.

Trata-se de uma imagem completamente nova que “representa uma mudança radical” nas ilustrações que tínhamos, até agora, dos dinossauros com penas, conforme assume a UB.

E não é à toa que, em jeito “provocativo”, “o Anchiornis é apresentado, neste trabalho artístico, a escalar à maneira dos passarinhos hoatzin, o único pássaro vivo cujos juvenis mantêm uma relíquia do seu passado dinossauro, uma garra funcional”, explica o investigador Evan Saitta, um dos autores do estudo.

O cientista repara que se trata de um grande “contraste” com outras ilustrações que colocam “os paraviantes empoleirados em cima de ramos, como os pássaros modernos”. Ora, esse cenário seria “improvável dada a falta de um dedo do pé invertido, como nas aves de pouso modernas”, esclarece Saitta, concluindo que “a escalada é consistente com os braços e as garras bem desenvolvidas nos paraviantes”.

Os investigadores detectaram características semelhantes ao Anchiornis em, pelo menos, outro dinossauro com penas, o que faz admitir que mais animais destes tivessem uma plumagem similar.

Estas conclusões levam-nos a deitar um olhar completamente novo sobre os dinossauros com penas e podem ter “implicações alargadas quanto à forma como representamos uma grande variedade de dinossauros” e também como vemos a própria “função e evolução das penas“, concluem os investigadores no artigo científico.

SV, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas conseguiram manter tecido cerebral de cobaias vivo durante semanas

Cientistas japoneses conseguiram manter partes de tecido cerebral de cobaias vivas e viáveis durante 25 dias, isoladas numa cultura, graças a um novo método. De acordo com o Science Alert, a chave para o sucesso foi …

Arqueólogos descobrem 25 sítios que comprovam presença militar romana no Norte e na Galiza

Investigadores portugueses e galegos descobriram 25 novos sítios no Norte de Portugal e na Galiza que “comprovam arqueologicamente” a presença militar romana nos dois territórios, correspondendo a maioria dos locais a “acampamentos militares”, revelou hoje …

EUA poderão manter alguns efetivos na Síria para proteger poços de petróleo

Os EUA planeiam deixar alguns efetivos no nordeste da Síria para proteger instalações petrolíferas e garantir o combate contra um possível ressurgimento do grupo extremista Estado Islâmico (EI), disse hoje o secretário de Defesa dos …

Polícias realizam manifestação conjunta em Lisboa a 21 de novembro

Elementos da PSP e da GNR realizam a 21 de novembro, em Lisboa, uma manifestação conjunta para exigirem ao novo Governo "a resolução rápida" dos problemas que ficaram por resolver na anterior legislatura. Com o lema …

Sérvia punida por racismo no jogo com Portugal

A UEFA condenou nesta segunda-feira a Sérvia a disputar o próximo jogo da fase de qualificação para o Euro 2020 à porta fechada, por manifestações racistas na partida com Portugal, disputada em Belgrado, que terminou …

Juve Leo lança críticas à direção: Um clube sem rumo e que precisa de bodes expiatórios

Depois de o Sporting rescindir os protocolos com a Juventude Leonina e com o Diretivo Ultras XXI devido à "escalada de violência" recente, a Juve Leo reagiu em comunicado com duras críticas à direção de …

Um terço dos fogos deste ano tiveram como causa queima e queimadas

Um terço dos incêndios florestais registados este ano e investigados tiveram como causa queimadas e queimas, revela o último relatório do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF). O relatório provisório de incêndios rurais, …

De Nova Iorque a Sydney em 19 horas. Avião da Qantas bate recorde

O primeiro voo comercial direto entre as cidades de Nova Iorque e Sydney, com mais de 19 horas, terminou, este domingo, na cidade australiana. O teste realizado pela companhia aérea Qantas faz parte do Project Sunrise, …

Marcelo ficou "muito impressionado" pela destruição do furacão Lorenzo nos Açores

O Presidente da República visitou, este domingo, o porto das Lajes das Flores, que ficou destruído após a passagem do furacão Lorenzo pelos Açores, mostrando-se "muito impressionado" pela destruição "massiva". "Muito impressionado com aquilo que foi …

Sporting é o terceiro clube com mais jogadores da formação espalhados pela Europa

O Sporting é o terceiro clube com mais jogadores da sua formação a atuarem nas ligas europeias e o emblema português mais representado nas 'big 5', segundo o observatório de futebol do Centro Internacional de …