Dijsselbloem vai deixar a política holandesa

EU Council Eurozone / Flickr

Jeroen Dijsselbloem, presidente do Eurogrupo

O ministro das Finanças cessante da Holanda, Jeroen Dijsselbloem, anunciou hoje que vai deixar a vida política, depois de ter anunciado que deixará a presidência do Eurogrupo em janeiro.

“Vou deixar a política holandesa”, declarou o trabalhista numa carta dirigida à presidente da câmara baixa do Parlamento, acrescentando que já não tem “a força” necessária ao partido na oposição.

Na segunda-feira, o ministro das Finanças holandês anunciou que vai deixar a presidência do Eurogrupo em janeiro, deixando vago um dos cargos mais importantes da zona euro.

Jeroen Dijsselbloem preside desde 2013 às reuniões de ministros das Finanças dos países da moeda única, mas vai deixar de ser ministro depois dos fracos resultados do seu partido nas eleições legislativas de março.

O Partido Trabalhista, a segunda força no Parlamento cessante na Holanda, passou de 38 para nove deputados.

“O meu partido deve seguir em frente. Cheguei agora à conclusão que neste papel, nesta fase, não tenho o poder de fogo necessário“, explicou, sublinhando que a saída, prevista para 25 de outubro, será difícil para ele.

Os quatro países envolvidos nas negociações mais longas da história do país para formar um governo anunciaram na terça-feira que chegaram a um acordo, sete meses após as legislativas.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Síria. Crianças morrem ao frio após ofensivas do regime de Bashar Al-Assad

A intensificação da ofensiva das forças governamentais em Aleppo e em Idlib, na Síria, levaram a que milhares de famílias tivessem que se deslocar para o noroeste do país, na fronteira com a Turquia. Nas …

Rolando é reforço do Sporting de Braga

Sem clube desde que deixou o Marselha no verão, Rolando é o novo reforço do Sporting de Braga. O defesa de 34 anos deverá ser apresentado pelo clube minhoto ainda hoje. Dado ao facto de estar …

Quinta do Lazareto rende 13 milhões à Sonangol

A alienação da Quinta do Lazareto, um dos ativos imobiliários que a Sonangol pôs à venda em Portugal, rendeu à petrolífera angolana 13 milhões de euros, 45% acima da expetativa inicial, segundo uma administradora da …

Professores exigem negociações sobre progressão da carreira e ameaçam avançar para tribunal

Cerca de 50 professores concentraram-se esta quinta-feira em Bragança, onde decorre o primeiro Conselho de Ministros descentralizado, para exigir a abertura das negociações com a tutela, avisando que, se o Governo não o fizer, a …

Governo dá mais dias de férias a funcionários que se mudem para o interior

O Governo aprova esta quinta-feira em Conselho de Ministros um regime de incentivos para os funcionários da Administração Pública que decidam ir trabalhar para o interior, com ajudas de custo ou compensações financeiras e mais …

Autarquias têm mais um ano para preparar descentralização

O Governo decidiu dar mais tempo às autarquias para estas se prepararem para a descentralização. O prazo passa para o primeiro trimestre de 2022. Segundo avançou o Jornal de Notícias, citado pelo ECO, após críticas aos …

Sá Fernandes ponderou sair do Livre (e apoia eventual candidatura de Ana Gomes a Belém)

Na sua primeira grande entrevista após o caso Joacine, Ricardo Sá Fernandes, dirigente do Livre, revelou ao Observador que ponderou sair do partido e admitiu apoiar uma possível candidatura da ex-eurodeputada socialista Ana Gomes às …

Medina diz desconhecer caso do alegado falso engenheiro

O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, disse esta quarta-feira que não ter informação sobre o alegado falso engenheiro da empresa Tanagra, com quem a autarquia celebrou vários contratos para obras públicas. A TVI noticiou …

Parlamento debate fim das comissões bancárias no MB Way e nas prestações da casa

O Parlamento debate esta quinta-feira projetos do BE, do PCP, do PS, do PAN e do PSD sobre limitação e proibição de comissões bancárias, tendo os bloquistas, que agendaram esta discussão, expectativa de que os …

Castração química. Bloco de Esquerda é contra veto a projeto de lei do Chega (e explica porquê)

A Comissão Parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias considerou que o projeto de lei do Chega "não preenche os requisitos do ponto de vista constitucional". O Bloco de Esquerda votou contra e explicou …