O povo perdeu a sua Princesa há 20 anos

Nick Parfjonov / wikimedia

Diana de Gales, a Princesa do Povo

Uma das figuras mais marcantes do século XX, a princesa Diana morreu faz esta quinta-feira 20 anos, mas não sem antes devolver a realeza britânica ao mundo moderno, aproximando-a do povo e promovendo causas como a luta contra as minas terrestres.

Desde que anunciou o seu noivado com o príncipe de Gales, em 1981, até à sua trágica morte num acidente de carro num túnel parisiense a 31 de agosto de 1997, a popularidade da educadora de infância que se tornou na “Princesa do Povo” nunca parou de crescer. E mesmo depois disso o seu legado perdura.

Grande parte desta admiração resultava do forte empenho que dedicou à caridade e às causas humanitárias, em especial pelo grande envolvimento que demonstrou no combate ao HIV/SIDA e na Campanha Internacional pela Proibição de Minas Terrestres (ICBL, sigla em inglês). Mas sobretudo pela forma como se relacionava com o povo.

Esta ligação especial de Diana com os plebeus fez escola e hoje é seguida pelos seus dois filhos: William, o herdeiro real, e Harry. Ambos adotaram a abordagem mais intimista de Diana, prosseguindo a tarefa de humanizar a instituição real britânica.

À sua própria maneira, os dois têm usado a sua posição e experiência para quebrar tabus. Ambos já falaram abertamente sobre os seus problemas de saúde mental – relacionados com a perda da mãe enquanto eram muito novos – tal como, no seu tempo, Diana quebrou tabus ao abraçar doentes com SIDA para acabar com os receios para com a doença.

O maior legado de Diana, no entanto, é a ideia de que as celebridades e as figuras com popularidade podem usar a sua “ligação” – real ou percebida – com milhões de pessoas para funcionar como agente de mudança.

STR / EPA

Princesa Diana e Príncipe Carlos no dia em que anunciaram o noivado

Tendo sido engolida pela máquina real britânica quanto tinha apenas 20 anos, Diana encontrou o seu caminho na vida ao perceber que o público ficava fascinado com tudo o que fazia ou dizia, considera o sociólogo Ellis Cashmore.

Diana conseguia manipular esse interesse público e usá-lo a seu favor, promovendo causas beneméritas, mas também puxando o povo para o seu lado, como quando o casamento com Carlos colapsou, devido ao relacionamento do príncipe com Camilla Parker Bowles.

As celebridades de hoje adotaram esse mesmo modelo – criado numa época em que os jornais e a televisão constituíam a principal fonte de informação – mas atualmente levado a níveis impensáveis, graças às redes sociais Facebook e Instagram.

“Podemos encontrar uma ligação genética entre Diana e Kim Kardashian”, afirmou Ellis Cashmore, citado pela AP.

“Imaginem se no tempo de Diana já houvesse o Twitter ou o Facebook“, questionou o autor de “Elizabeth Taylor: A Private Life for Public Consumption” (Elizabeth Taylor: Uma vida privada para consumo público).

Enquanto hoje todas as aspirantes a celebridade publicam os seus segredos nas redes sociais, nos anos 1990 era inimaginável ver um membro da Família Real a partilhar os seus receios e desejos pessoais com o grande público.

US Federal Government

John Travolta com a Princesa Diana

No entanto, a sentir-se encurralada num casamento falhado com Carlos, Diana escolheu partilhar a história com o grande público que a adorava.

Fê-lo de forma indireta, passando os pormenores da sua vida a um intermediário, que depois gravava cassetes e as passava ao biógrafo Andrew Morton. Desta forma poderia negar ter falado com Morton quando a biografia fosse publicada.

O que ela estava a fazer era extraordinário. (…) A contar os pormenores mais íntimos da sua vida – sobre a Camilla, os seus problemas alimentares, as tentativas de suicídio mal-amanhadas – com um estranho. A falar de coisas das quais uma princesa nunca tinha falado”, disse Morton à agência de notícias norte-americana.

A aposta resultou. Morton contou a história de Diana e o grande público amou-a ainda mais por causa disso. O funeral de Diana reuniu dezenas de milhares de pessoas, apinhadas nas ruas, e montanhas de flores nos palácios de Kensington e de Buckingham.

As emoções dominaram as cerimónias fúnebres, o que resultou num momento que, mais uma vez, transformou a Realeza e o povo britânicos, considera Morton.

“Deixaram de nos ver como uma nação de nariz empinado, do não-me-toques. (…) mas sim como uma nação (…) que não tem medo de se emocionar, de chorar em público”.

Em vida e na morte, Diana transformou a monarquia numa instituição mais acessível e elevou a bitola: agora é o próprio povo britânico que já não quer uma monarquia distante.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Cordeiro e Cravinho juntam-se a Ana Gomes. Candidata diz que voto em Marcelo "não é digno do PS de Mário Soares"

Esta quarta-feira, Duarte Cordeiro manifestou o seu apoio a Ana Gomes, que lembra ser a única candidata do seu partido. Da mesma forma, João Cravinho saudou a "nossa candidata à Presidência". "A Ana é do meu …

PSP suspende gozo de férias. Agentes pré-reforma podem ser mobilizados para fiscalizar confinamento

A Direção Nacional da Polícia de Segurança Pública (PSP) suspendeu o gozo de férias na instituição, num momento em que Portugal cumpre um novo confinamento geral para travar a subida de casos, internamentos e mortes …

Manuel Alegre diz que "Geringonça" ficou aquém das expectativas e critica "meias medidas" no combate à pandemia

O dirigente histórico do PS Manuel Alegre considera que a solução política de esquerda, a Geringonça, ficou aquém das expectativas, resumindo-se a uma mercearia à volta do OE, e critica as "meias medidas" no combate …

FIFA "veta" Superliga europeia e ameaça excluir clubes e jogadores de torneios

Em comunicado, a FIFA avisou que na eventualidade da criação de uma Superliga europeia, o organismo que tutela o futebol a nível mundial não reconheceria a competição. Além disso, haverá represálias para os clubes que …

TAP inicia processo para reduzir custos com pessoal. Parlamento chumbou auditoria à gestão privada

A administração da TAP deu início, na quarta-feira, ao processo de alterações aos acordos de empresa (AE) em vigor, com o objetivo de reduzir os custos com pessoal. O Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da …

Há profissionais do SNS a ter que devolver o prémio de desempenho da covid-19

Há profissionais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) que estão a ser obrigados a devolver o prémio de desempenho atribuído pelos serviços prestados durante o primeiro estado de emergência. A situação é reconhecida, por exemplo, pelo …

É preciso "fechar tudo". Casos da variante inglesa aumentam e INSA apela ao "cumprimento rigoroso" do confinamento

O Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge (INSA) apelou ao “cumprimento escrupuloso” das medidas de confinamento dado que se observa um aumento da prevalência da variante inglesa em Portugal, estimada em cerca de 13%. O INSA, …

Real Madrid eliminado da Taça por equipa do terceiro escalão. Zidane estará de saída

Zidane estará de saída do Real Madrid no final da temporada. A eliminação da Taça do Rei por uma equipa do terceiro escalão terá sido a última gota de água. O Real Madrid foi, esta quarta-feira, …

"Se fue Donald Trump", festejou Maduro. As reações dos líderes mundiais à posse de Biden

No dia em que Joe Biden tomou posse como 46.º Presidente dos Estados Unidos, foram várias as reações dos restantes líderes mundiais, da Venezuela a Taiwan. Na Venezuela, o Presidente Nicolás Maduro não escondeu a sua …

Hospitais negam situação de “rutura” nas morgues. Dizem ter reforçado capacidade nos últimos dias

A Associação que representa as funerárias fala em situação de “rutura generalizada” nos hospitais, “sem disponibilidade de equipamentos de frio para preservação dos cadáveres”. Por sua vez, os hospitais negam o caos, e no caso …