Medicamento para a diabetes pode aliviar pessoas com insuficiência cardíaca

Um medicamento para a diabetes pode aliviar os sintomas de pessoas com insuficiência cardíaca, sugere um novo estudo.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

A insuficiência cardíaca é uma das doenças cardíacas mais comuns, afetando mais de 30 milhões de pessoas em todo o mundo. Acontece quando o coração não consegue fornecer sangue e oxigénio suficientes para atender às exigências dos órgãos essenciais do corpo.

Há dois tipos de insuficiência cardíaca. Cerca de metade dos pacientes tem um tipo chamado fração de ejeção reduzida, em que o coração não bombeia adequadamente. A outra metade dos pacientes com insuficiência cardíaca tem um tipo chamado fração de ejeção preservada.

É aqui que o coração ainda parece estar a bombear bem, mas não consegue relaxar adequadamente entre cada batimento cardíaco — o que significa que ainda é incapaz de atender às exigências de oxigénio do corpo.

Este tipo é mais difícil de diagnosticar, pois parece bombear normalmente durante um ultrassom — exigindo, portanto, testes adicionais para diagnóstico.

Normalmente, os pacientes com o primeiro tipo de insuficiência cardíaca recebem medicamentos que podem melhorar os sintomas e reduzir o risco de eventos cardíacos — como ataques cardíacos, hospitalizações ou morte.

Mas, para os pacientes com fração de ejeção preservada, os investigadores até agora não tiveram sucesso em encontrar um medicamento que pudesse melhorar o prognóstico e reduzir o risco de eventos cardíacos para os pacientes.1

Um estudo recente — publicado na revista European Journal of Preventive Cardiology — descobriu que um tipo comum de medicamento para a diabetes pode ajudar a melhorar a saúde de pacientes com este tipo de insuficiência cardíaca, reduzindo o risco de morte e hospitalização.

Nos últimos anos, investigadores mostraram que medicamentos inicialmente projetados para tratar pacientes com diabetes — chamados de inibidores de SGLT2 — foram considerados benéficos para pessoas com fração de ejeção reduzida.

Agora, o novo artigo científico, que combinou dados de outros estudos menores sobre o assunto, mostrou que os inibidores de SGLT2 também podem ser usados para tratar pacientes com fração de ejeção preservada.

Os autores descobriram que os pacientes que receberam inibidores de SGLT2 tinham 22% menos probabilidade de morrer de causas relacionadas com o coração ou de serem hospitalizados por insuficiência cardíaca em comparação com aqueles que não os tomaram.

Para conduzir este estudo, os autores analisaram dados de quase 10.000 pacientes com insuficiência cardíaca e fração de ejeção preservada. Metade dos pacientes foi tratada com um inibidor de SGLT2, enquanto a outra metade recebeu um placebo.

Os pacientes tomaram o inibidor SGLT2 ou um placebo continuamente por uma média de cerca de dois anos, momento em que o acompanhamento foi interrompido.

Os inibidores de SGLT2 só recentemente foram considerados altamente benéficos em pacientes com insuficiência cardíaca. Inicialmente, foram projetados para ajudar a reduzir os níveis de açúcar no sangue em pessoas com diabetes tipo 2.

Acredita-se que os inibidores de SGLT2 funcionem para pessoas com insuficiência cardíaca por uma série de razões. Uma teoria é porque promovem a diurese, o que ajuda o corpo a livrar-se de fluidos extras, já que a sobrecarga de fluidos pode ser um problema significativo para esses pacientes.

Os inibidores de SGLT2 também melhoram a tensão arterial e aumentam a produção de glóbulos vermelhos, que ajudam a fornecer sangue e oxigénio aos principais órgãos do corpo. O estudo também sugere que também reduzem a formação de cicatrizes no músculo cardíaco. Gerir todos estes fatores é fundamental, pois podem levar à formação ou exacerbar a insuficiência cardíaca.

Outro benefício é que o medicamento já se mostrou seguro, pois tem sido usado para controlar a diabetes durante muitos anos. Também tem relativamente poucos efeitos colaterais.

Atualmente, os inibidores do SGLT2 são recomendados pela Sociedade Europeia de Cardiologia para o tratamento de pacientes com insuficiência cardíaca e fração de ejeção reduzida, com e sem diabetes.

O novo estudo é o primeiro a sugerir que também podem ser usados para melhorar substancialmente os resultados de pacientes com insuficiência cardíaca e fração de ejeção preservada.

Isto pode significar que pacientes com ambos os tipos de insuficiência cardíaca podem ter um tratamento que melhora a sua qualidade de vida, sintomas e prognóstico.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

  ZAP // The Conversation

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.