Explicada a origem do apocalipse que está a matar anfíbios em todo o mundo

Alex Hyatt, CSIRO / Wikimedia

Fungo Batrachochytrium dendrobatidis

Um estudo recente mostra que o fungo que está a causar o “apocalipse” que dizima anfíbios em todo o mundo é uma estirpe agressiva que terá surgido na península da Coreia, no início do século XX.

Até agora, não se sabia quando e onde tinha surgido o fungo que está a causar a morte em massa de várias espécies de anfíbios, nem qual a sua estirpe mais agressiva. Um estudo recente, no qual participa o português Gonçalo M. Rosa, desvenda que a estirpe mais agressiva terá surgido no Sudeste Asiático, no início do século XX.

O fungo quitrídio (Batrachochytrium dendrobatidis) provoca uma doença chamada quitridiomicose, que afeta a capacidade de os anfíbios regularem a água, podendo levá-los à insuficiência cardíaca. Este fungo causou pela primeira vez, em 2009, na Serra da Estrela, um episódio de mortalidade em massa, que afetou sobretudo o sapo-parteiro.

Para identificar a origem do quitrídio, os cientistas sequenciaram 177 genomas de amostras do fungo recolhidas em várias regiões do mundo. Posteriormente, juntaram-se a outros dados de estudos já publicados, tendo sido consideradas, ao todo, 234 amostras.

De acordo com o estudo, que é capa da revista Science desta semana, identificaram-se quatro estirpes e verificou-se que três delas se distribuem por todo o mundo. No entanto, uma delas – a mais agressiva – existe apenas na península da Coreia: BdASIA-1.

“Uma análise aos genomas B. dendrobatidis da Coreia revela que não há registo de surtos globais por esta estirpe, o que sugere que estirpes do quitrídio da Coreia são nativas da região e que são muito parecidas com o antepassado de todos os B. dendrobatidis modernos”, refere-se no comunicado do Imperial College, citado pelo Público.

Desta forma, estima-se que esta estirpe tenha divergido do seu antepassado comum mais recente no início do século XX. “Em vez de remontar a milhares de anos, como se pensava anteriormente, estimamos agora com maior robustez que a expansão tenha ocorrido entre 50 e 120 anos atrás”, refere Matthew Fisher, autor do artigo.

Estas datas coincidem com o aumento das atividades humanas naquela região, assim como com uma rápida expansão do comércio internacional. Ou seja, os cientistas acreditam que a estirpe foi à boleia das atividades humanas e dos seus transportes.

Além disso, destacam os especialistas, a movimentação dos anfíbios para comércio de animais de estimação, alimentação ou para fins médicos, pode ter contribuído para a disseminação deste fungo.

“A nossa investigação aponta não só para o Leste da Ásia como a estaca zero, como também sugere que descobrimos apenas a ponta do icebergue da diversidade de quitrídios na Ásia”, conclui Matthew Fisher.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

“Os Maias” vão deixar de ser de leitura obrigatória no Secundário

Já a partir de setembro, os "Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", obras de Eça de Queirós, deixam de ser leituras obrigatórias no Ensino Secundário. Agora, cabe aos alunos em conjunto com os seus …

23 ex-gestores do BPN recebem carros topo de gama do Estado

A Parvalorem atribuiu a um grupo de altos quadros da empresa, ex-responsáveis do antigo BPN, 23 "viaturas familiares" topo de gama e várias regalias associadas como o pagamento do combustível até 300 euros por mês. O …

Preços praticados pela Airbnb não cumprem lei europeia

A plataforma Airbnb tem até ao final do mês de agosto para explicar os preços que pratica, dado que violam a legislação da União Europeia. A plataforma online de reserva de alojamento tem agora até ao …

Sarcófago negro encontrado no Egito pode pertencer a Alexandre, o Grande

O maior sarcófago já descoberto na cidade de Alexandria, no Egito, vai ser aberto nos próximos dias, depois de permanecer totalmente intacto mais de dois milénios. Os especialistas têm esperanças que o artefacto negro encontrado …

Vagas no Superior com aumento residual em ano de cortes em Lisboa e Porto

O concurso nacional de acesso ao Ensino Superior volta a registar um aumento de vagas, pelo terceiro ano consecutivo, ainda que residual e em ano de corte de vagas em Lisboa e Porto, por determinação …

A primavera chegou a Marte. E com ela, as misteriosas "aranhas marcianas"

A NASA publicou fotografias de um fenómeno peculiar avistado na superfície de Marte, que se assemelha com "aranhas". As imagens foram capturas na semana passada pela câmara HiRISE, instalada a bordo da nave espacial Mars …

As pessoas estão a ficar doentes após comerem salada do McDonald's

Mais de 100 pessoas apresentaram sintomas de contaminação pelo protozoário Cyclospora cayetanensis depois de comerem a salada do McDonald's, nos Estados Unidos. Mesmo que seja com a melhor das intenções, pedir uma salada no McDonald's pode …

Descobertas 12 novas luas em torno de Júpiter

Cientistas nos Estados Unidos descobriram mais 12 luas em torno do planeta Júpiter, conjeturando que as suas órbitas opostas resultam de colisões entre outros corpos celestes maiores. Com a descoberta das luas, que foram vistas pela …

Há 3.500 anos, os egípcios já faziam cosméticos

Cientistas sintetizaram tintas e cosméticos com cerca de 3.500 anos, uma descoberta feita graças ao facto de a equipa ter desenvolvido uma nova técnica de datação de compostos carbonatados inorgânicos. Uma equipa de cientistas internacional sintetizou …

Encontrados restos de pão de há 14.400 anos na Jordânia

Um grupo de investigadores encontrou vestígios de pão, feito por caçadores-recoletores que viveram há 14.400 anos, quatro milhares de anos antes do surgimento da agricultura. Esta é a mais antiga prova da existência de pão …