Explicada a origem do apocalipse que está a matar anfíbios em todo o mundo

Alex Hyatt, CSIRO / Wikimedia

Fungo Batrachochytrium dendrobatidis

Um estudo recente mostra que o fungo que está a causar o “apocalipse” que dizima anfíbios em todo o mundo é uma estirpe agressiva que terá surgido na península da Coreia, no início do século XX.

Até agora, não se sabia quando e onde tinha surgido o fungo que está a causar a morte em massa de várias espécies de anfíbios, nem qual a sua estirpe mais agressiva. Um estudo recente, no qual participa o português Gonçalo M. Rosa, desvenda que a estirpe mais agressiva terá surgido no Sudeste Asiático, no início do século XX.

O fungo quitrídio (Batrachochytrium dendrobatidis) provoca uma doença chamada quitridiomicose, que afeta a capacidade de os anfíbios regularem a água, podendo levá-los à insuficiência cardíaca. Este fungo causou pela primeira vez, em 2009, na Serra da Estrela, um episódio de mortalidade em massa, que afetou sobretudo o sapo-parteiro.

Para identificar a origem do quitrídio, os cientistas sequenciaram 177 genomas de amostras do fungo recolhidas em várias regiões do mundo. Posteriormente, juntaram-se a outros dados de estudos já publicados, tendo sido consideradas, ao todo, 234 amostras.

De acordo com o estudo, que é capa da revista Science desta semana, identificaram-se quatro estirpes e verificou-se que três delas se distribuem por todo o mundo. No entanto, uma delas – a mais agressiva – existe apenas na península da Coreia: BdASIA-1.

“Uma análise aos genomas B. dendrobatidis da Coreia revela que não há registo de surtos globais por esta estirpe, o que sugere que estirpes do quitrídio da Coreia são nativas da região e que são muito parecidas com o antepassado de todos os B. dendrobatidis modernos”, refere-se no comunicado do Imperial College, citado pelo Público.

Desta forma, estima-se que esta estirpe tenha divergido do seu antepassado comum mais recente no início do século XX. “Em vez de remontar a milhares de anos, como se pensava anteriormente, estimamos agora com maior robustez que a expansão tenha ocorrido entre 50 e 120 anos atrás”, refere Matthew Fisher, autor do artigo.

Estas datas coincidem com o aumento das atividades humanas naquela região, assim como com uma rápida expansão do comércio internacional. Ou seja, os cientistas acreditam que a estirpe foi à boleia das atividades humanas e dos seus transportes.

Além disso, destacam os especialistas, a movimentação dos anfíbios para comércio de animais de estimação, alimentação ou para fins médicos, pode ter contribuído para a disseminação deste fungo.

“A nossa investigação aponta não só para o Leste da Ásia como a estaca zero, como também sugere que descobrimos apenas a ponta do icebergue da diversidade de quitrídios na Ásia”, conclui Matthew Fisher.

  ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Pessoas a explorar o mapa 3D mais detalhado do Universo com realidade virtual

Google Earth do Espaço. Já é possível navegar pelo mapa mais detalhado do Universo

Investigadores da Escola Politécnica de Lausanne (EPFL), na Suíça, lançaram este mês um software de código aberto que permite visitas virtuais ao Espaço. O Virtual Reality Universe Project (VIRUP) utiliza o maior conjunto de dados do …

Otamendi e Vertonghen disputam a bola com Lewandowski

Benfica 0-4 Bayern | Primeiro a ilusão, depois o rolo bávaro

A ilusão durou 70 minutos. Ao longo de toda a partida, o Bayern foi melhor, criou inúmeros lances de golo, viu dois anulados, acertou no ferro, Vlachodimos fez defesas importantes, mas o Benfica deu luta, …

China quer punir pais de crianças mal-educadas

O regime chinês está a analisar um projeto de lei que prevê que os pais possam ser punidos se os seus filhos exibirem um mau comportamento ou cometerem crimes. De acordo com a agência Reuters, o …

Rui Moreira com Francisco Rodrigues dos Santos e Carlos Moedas

Rui Moreira promete manter a "identidade do Porto" e concluir os projetos que a pandemia atrasou

O presidente da Câmara Municipal do Porto tomou posse, esta quarta-feira, e comprometeu-se a "tudo fazer" para manter a identidade do Porto e a concluir os projetos que a pandemia atrasou. "Quero concluir os projetos que …

Já há um medicamento para tratar a covid-19 em casa (e vários países assinaram acordos de compra)

Países asiáticos já estão na luta pelo novo comprimido antiviral, cujo uso ainda nem sequer foi autorizado, contra a covid-19. Países da região asiática estão já a fazer encomendas da mais recente arma contra a covid-19: …

A Facebook vai implementar uma nova estratégia e o nome vai ser das primeiras coisas a mudar

As últimas semanas têm sido tumultuosas para a empresa de Mark Zuckerberg, que se viu confrontada com os testemunhos de antigos trabalhadores no Senado norte-americano. As notícias da última semana que resultaram do testemunho, no Senado …

Cadetes da Escola Naval investigados por alegados comportamentos abusivos

A Marinha está a investigar uma denúncia sobre alegados comportamentos abusivos entre cadetes da Escola Naval. "A Marinha informa que hoje, 19 de outubro, teve conhecimento de uma denúncia sobre alegados comportamentos abusivos praticados entre cadetes …

Índia. "Montanha de lixo" que garante sobrevivência de pobres será substituída por estação de tratamento

As "montanhas de lixo" das cidades da Índia em breve serão substituídas por estações de tratamento de detritos. A maior de todas — equivalente a um prédio de 18 andares — garante a sobrevivência de …

Candidatura de Nuno Melo acusa direção de não facultar cadernos eleitorais e de sanear senadores

A candidatura de Nuno Melo à liderança do CDS-PP acusou, esta quarta-feira, os opositores de não facultarem os cadernos eleitorais nem possibilitarem a fiscalização da eleição de delegados ao congresso, apontando também a substituição de …

Bolsonaro acusado de nove crimes pela comissão de inquérito sobre gestão da pandemia

O relatório apresentado, esta quarta-feira, na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Senado brasileiro pede o indiciamento do Presidente por nove crimes durante a pandemia de covid-19. No texto, com mais de 1200 páginas, pede-se que …