“Despacito” não lhe sai da cabeça? Ciência explica o sucesso das músicas-chiclete

Pode ser que a canção lhe agrade. Ou não. Mas a ciência ajuda a explicar por que é que “Despacito”, a música dos porto-riquenhos Luis Fonsi e Daddy Yankee que é um sucesso mundial, parece “colar-se” na memória de quem a escuta.

Estudos nas áreas da neuro-ciência e da psicologia encontraram certos elementos comuns nas chamadas “músicas-chiclete”.

“A música activa as áreas do cérebro relacionadas com sons e movimentos, mas também as associadas às emoções e recompensas”, explica à BBC Jessica Grahn, cientista da Universidade do Oeste de Ontário, no Canadá

Especialista em estudos ligados à música, Grahn conta que as canções que geram maior comunicação entre as áreas do cérebro ligadas ao som e às emoções são as que mais agradam às massas. Mas como fazer essa conexão?

“Guloseimas” para o cérebro

Não há uma fórmula mágica, mas certos elementos funcionam como “guloseimas” para o cérebro.

O primeiro ingrediente é o ritmo. Quando uma canção tem uma batida fácil de seguir, como é o caso de “Despacito”, esta aumenta a actividade cerebral na zona associada ao movimento, segundo experiências. Mesmo se a pessoa estiver totalmente quieta.

No geral, as canções pop a que estamos expostos têm ritmos familiares, o que até certo ponto é previsível. Essa característica, diz Grahn, funciona como uma espécie de recompensa para o cérebro, pois é agradável que a canção se desenvolva como pensamos que vai ocorrer.

A magia acontece, porém, quando a canção inclui algum elemento que foge do previsível. “Trata-se de usar a batida, mas fazê-la mais interessante com alguma novidade. Fazer a canção interessante, mas sem tirar muito do que esperamos ouvir”, afirma a cientista.

Nahúm García, um produtor de música espanhol, acredita ter encontrado o pequeno detalhe que tornou “Despacito” tão especial.

“Riem-se de “Despacito”, mas a maneira como o ritmo quebra antes do refrão é uma genialidade”, escreveu o produtor no Twitter.

García refere-se ao que acontece depois do primeiro minuto e 23 segundos de canção, momento em que a melodia pára e Fonsi diz, pela primeira vez, a palavra “despacito” (algo como “devagarinho” em Português).

É quase imperceptível, mas a frase “atravessa” o ritmo durante uma paragem da batida.

“A ruptura é radical e faz alusão a uma intenção sexual da letra (que contém um pedido de ritmo mais lento para o acto), criando uma unidade entre intenção e efeito”, realçou García na sua página do Facebook.

O cérebro dá-se conta de que houve uma parada incomum e isso chama a atenção”.

Segundo García, esse truque não é muito comum na música pop. Mas por que é que esse efeito ocorre apenas na entrada do primeiro refrão?

“Se usado de novo, pode cansar”, acredita o espanhol, notando que “não se pode quebrar o ritmo de uma canção muitas vezes, porque isso resulta num esforço para o cérebro“.

“Canção-chiclete”

Psicólogos e cientistas denominam as canções-chiclete como “vermes de ouvido”. O termo foi criado por James Kellaris, compositor e professor de marketing da Universidade de Cincinnati, nos EUA, cujos estudos têm como tema a influência da música sobre os consumidores.

Kellaris argumenta que os “vermes” são normalmente canções repetitivas e pouco complexas, seja em ritmo, letra ou em ambos. Outra característica é justamente que a canção conte com elementos inesperados, como um compasso irregular ou um padrão de melodia pouco usual.

“‘Despacito’ tem elementos de um ‘verme’. É animada, simples, repetitiva e tem um ritmo pegajoso”, diz Kellaris.

Mas o especialista norte-americano menciona outros elementos que ajudam a explicar o sucesso da canção, como o atraente vídeo ou o nível de exposição que as pessoas tiveram à canção.

O êxito é inegável. “Despacito” já encabeçou as tabelas de sucesso em 45 países e tornou-se na primeira canção em espanhol a chegar ao posto número um da revista americana de música Billboard desde que, em 1996, “Macarena” tomou o mundo de assalto.

O vídeo da música já ultrapassou a impressionante marca de um mil milhão de visualizações no YouTube.

ZAP ZAP // BBC

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Decididamente devo ter algum problema mental porque esta música nunca me saiu da cabeça… mas também nunca chegou a entrar.

    • Por acaso, esta ouvi na semana passada, e não descansei enquanto não a tirei do ar. Já não há espaço para tanto lixo pseudo-artístico.

    • Eu ouvir, ouvi. Mas decididamente não entrou. Não entrou mesmo. Estou numa onde completamente diferente.
      Acho estas espanholadas pirosas. Lá por fora há muita pimbalhada. Não é só cá.

RESPONDER

Comer muitas refeições takeaway pode aumentar a probabilidade de morte

Comer demasiadas vezes refeições takeaway pode afetar negativamente a saúde das pessoas. Isto porque, muitas vezes, a comida em causa é fast food. A pandemia de covid-19 veio intensificar a adoração das pessoas pelas refeições takeaway. …

Fezes de morcego ajudam a decifrar o passado da humanidade

Uma equipa de investigadores australianos usou fezes de morcego para ajudar a entender uma parte do passado dos nossos ancestrais. Para perceber melhor como é que artefactos antigos são alterados pelo sedimento em que estão enterrados …

"É como fogo". Dezenas de pessoas morreram na República Dominicana após ingestão de álcool ilegal

Depois de dezenas de pessoas morreram por intoxicação nas últimas semanas, as autoridades da República Dominicana acabaram por fechar várias lojas de bebidas alcoólicas. As lojas de bebidas clandestinas situavam-se sobretudo na capital, Santo Domingo, mas …

Eis AlphaDog, a resposta da China para o cão-robô norte-americano Spot

A empresa de tecnologia Weilan, sediada em Nanjing, na China, desenvolveu o AlphaDog, um cão-robô que usa sensores e inteligência artificial (IA) para realizar uma série de aplicações, incluindo entrega de encomendas e orientação para …

E se a vacina contra a covid-19 se chamasse Trumpcine? O "sir" sugeriu e Donald Trump gostou

No fim de semana passado, durante um encontro do Comité Nacional Republicano, o ex-Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que alguém sugeriu que as vacinas disponíveis contra a covid-19 deveriam receber o seu nome. …

O custo da paz mundial é bastante inferior ao custo da guerra

Um recente relatório do Instituto de Economia e Paz (IEP) conclui que o custo dos países com a violência é bem superior ao custo com a paz mundial. O Instituto de Economia e Paz estima que, …

Malta vai pagar aos turistas que visitarem a ilha durante o verão

Numa altura em que pandemia não tem dado tréguas ao setor do turismo, Malta anunciou um conjunto de medidas com o objetivo de encorajar os viajantes a visitarem o país e a ficarem hospedados nos …

Pentágono confirma que filmagens de OVNI em forma de pirâmide são autênticas

Uma nova série de imagens e vídeos de OVNIs (Objetos Voadores Não Identificados) filmados pela Marinha dos Estados Unidos foi agora confirmada como autêntica pelo Pentágono. Enquanto muitas pessoas geralmente se referem a avistamentos misteriosos …

Irão vai aumentar produção de urânio enriquecido em resposta ao “terrorismo nuclear” de Israel

O Irão justificou esta quarta-feira a decisão de enriquecer urânio a 60% como resposta ao “terrorismo nuclear” e à “maldade” israelita, referindo-se ao alegado ataque contra a central de Natanz, no domingo. “A decisão de enriquecer …

Possibilidade de ser reinfetado baixa 84% para quem já teve covid-19

Um novo estudo indica que a infeção prévia por SARS-CoV-2 protege a maioria dos indivíduos contra a reinfecção durante uma média de sete meses As probabilidades de reinfeção não descem até zero, mas um novo estudo, …