Descobertos os mais antigos fósseis de Homo sapiens (e mudam tudo o que sabíamos sobre o Homem)

(dr) Shannon Mcpherron/ MPI EVA Leipzig

O paleoantropólogo Jean-Jacques Hublin, do Instituto Max Planck, mostra um achado no sítio arqueológico de Jebel Irhoud, Marrocos

Um grupo de cientistas descobriu em Marrocos o que alegam ser os fósseis mais antigos do Homo sapiens, com mais 100 mil anos do que os mais antigos que se conheciam.

Segundo um artigo publicado esta quarta-feira na revista Nature, foram encontrados em Marrocos os fósseis mais antigos de Homo sapiens, com cerca de 300 mil anos, ou seja, mais 100 mil anos do que os restos mortais até agora considerados os mais antigos, encontrados em Omo Kibish, na Etiópia, em 1967.

A descoberta, feita no sítio arqueológico de Jebel Irhoud, 150 quilómetros a oeste de Marrakech, muda tudo o se sabia sobre a origem da espécie humana, e confirma que o Homo sapiens esteve presente em todo o continente africano.

O trabalho científico foi coordenado pelo paleoantropólogo francês Jean-Jacques Hublin, do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva de Leipzig, na Alemanha.

O resto de crânio encontrado em Jebel Irhoud apresenta “um mosaico de características, incluindo morfologia facial, mandibular e dental que alinha esse material com restos humanos primitivos ou considerados anatomicamente modernos“.

Jebel Irhoud, uma jazida paleontológica descoberta em 1991, ofereceu importantes descobertas de fósseis humanos, particularmente os restos de um Homo sapiens de oito anos de idade que datavam de há 160.000 anos.

Muda tudo o que se sabe sobre a origem do Homem

Esta descoberta tira sustentação à teoria de que o homem moderno evoluiu há 200 mil anos a partir de um único “berço de humanidade” no leste da África, e mostra que o Homo sapiens emergiu pelo menos 100 mil anos antes do que se pensava.

Segundo o estudo divulgado esta quarta-feira, a nossa espécie evoluiu por todo o continente africano, de forma muito mais fragmentada do que se pensava.

A descoberta fará com que “se reescrevam os livros de história” sobre o surgimento do Homem como espécie, diz o professor Jean-Jacques Hublin, antropólgo do Instituto Max Planck de Antropologia Evolucionária (MPI), na Alemanha.

“Esse material fóssil representa a raiz da nossa espécie, é o mais antigo Homo sapiens já encontrado na África ou em qualquer outro lugar”, explica Hublin.

“A nossa origem não foi uma coisa que aconteceu rapidamente, num Jardim do Éden em qualquer sítio específico em África. A nossa evolução foi algo mais gradual e envolveu todo o continente. Se houve um Jardim do Éden, ele foi a África inteira“, diz Hublin.

(dr) MPI-EVA Leipzig

Mandíbula inferior de um Homo sapiens encontrado em Jebel Irhoud

Mandíbula inferior de um Homo sapiens encontrado em Jebel Irhoud

O material fóssil agora descoberto tem entre 300 mil e 350 mil anos de idade, e o crânio tem uma forma quase idêntica ao dos humanos modernos. As poucas diferenças que se sobressaem são uma testa um pouco mais proeminente e uma cavidade cerebral um pouco menor.

A escavação da equipa de Hublin revelou também que estes povos antigos já usavam ferramentas de pedra e tinham aprendido a produzir e controlar fogo. Ou seja, não apenas se pareciam com o Homo sapiens, como também agiam como tal.

Antes de a nossa espécie ter evoluído, havia muitos tipos diferentes de espécies humanas primitivas, cada uma delas com forças, fraquezas e características físicas próprias. Essas diferentes espécies humanas – assim como outros animais – evoluíram e mudaram a sua aparência gradualmente, ao longo de centenas de milhares de anos.

A visão histórica predominante até agora era de que o Homo sapiens tinha evoluído repentinamente de humanos primitivos no leste africano há cerca de 200 mil anos atrás – e teria sido nesse ponto que ganhamos as feições e características físicas que temos hoje.

Segundo essa teoria, só a partir daí é que teríamos começado a espalhar-nos por África e pelo resto do planeta. As descobertas da equipe de Hublin colocam essa versão em causa.

“Temos de mudar a nossa visão sobre como os primeiros humanos modernos emergiram”, conclui Hublin.

(dr) NHM London

Os mais antigos fósseis de Homo Sapiens, encontrados no Marrocos (esq.) têm um crânio mais alongado do que os humanos modernos (dir.)

Os mais antigos fósseis de Homo Sapiens, encontrados no Marrocos (esq.) têm um crânio mais alongado do que os humanos modernos (dir.)

Novas interpretações

Também o professor Chris Stringer, do Museu de História Natural de Londres, diz que esta descoberta “mostra que há múltiplos lugares em África onde o Homo sapiens emergiu. Precisamos de nos distanciar dessa ideia de que houve um único berço da humanidade”.

Stringer levanta mesmo a possibilidade de que o Homo sapiens tenha existido na mesma altura fora de África. “Há fósseis em Israel que têm provavelmente a mesma idade e mostram sinais que poderiam ser descritos como feições proto-Homo sapiens.”

Stringer diz que não é inconcebível a ideia de que possam ter existido anteriormente na história, talvez até milhões de anos atrás, humanos primitivos com cérebros menores, rostos e dentes maiores, e testas mais fortes – mas que ainda assim, eram Homo sapiens.

Isso é uma mudança de paradigma radical nos estudos das origens humanas. “Havia a ideia de que o Homo sapiens tinha aparecido subitamente em África num dado momento – e que essa era a origem da nossa espécie”, diz Stringer.

“Mas aparentemente, isso estava errado“, concluiu o antropólogo.

// EFE / BBC

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Ainda vão acabar por descobrir que a humanidade, afinal começou na Europa. 1º era na Somália, agora é em Marrocos….enfim, o tal politicamente correto ao serviço da “Ciência”

RESPONDER

Viagens ao Espaço têm um novo perigo desconhecido para os astronautas

Há um perigo inerente às longas viagens espaciais dos astronautas desconhecido até aos dias de hoje. Um novo estudo aponta que os cosmonautas podem ver o seu fluxo sanguíneo revertido na parte superior do corpo. A …

Macrocilix maia, a misteriosa traça que tem moscas a comer fezes nas suas asas

Macrocilix maia é uma espécie de traça que se destaca pela forma como se camufla dos seus predadores. Nas suas asas vê-se duas moscas a comer excrementos de pássaro. A natureza nunca falha em surpreender-nos e …

Há provas que ligam misteriosa doença que paralisa crianças a vírus raro

Pela primeira vez, foram encontradas provas da associação do Enterovírus D68, um vírus raro até há algum tempo, à Mielite Flácida Aguda, uma doença semelhante à poliomielite que tem afectado centenas de crianças, provocando a …

Antigos egípcios podem ter encurralado milhões de pássaros só para os mumificar

Novas evidências de ADN sugerem que os antigos Egípcios capturavam pássaros selvagens para sacrifícios ritualísticos (e para os poderem mumificar depois). As catacumbas egípcias contêm milhares de pássaros mumificados, especificamente íbis-sagrados (Threskiornis aethiopicus), empilhados uns sobre …

Estudo mostra que sondagens tendenciosas enviesam eleições políticas

Através de experiências práticas, uma investigação recente sugere que as sondagens tendenciosas podem influenciar e enviesar as eleições políticas, até mesmo nas grandes democracias. Enquanto uma eleição se aproxima no Reino Unido e uma votação presidencial …

A Rússia criou a arma mais mortífera da história. Foi há 72 anos

Comummente conhecida por AK-47, a espingarda Kalashnikov foi responsável por milhões de mortes durante a nossa História, sendo uma das armas mais populares do mundo e a mais fabricada pela indústria de armamento. Segundo o The Conversation, …

Luxemburgo 0-2 Portugal | Campeão marca presença no Euro

Portugal venceu o Luxemburgo por 2-0 e apurou-se para a fase final do Euro2020 – a 11ª presença consecutiva da turma das “quinas” em fases finais de grandes competições. Num encontro mal jogado, em parte pelas …

Hologramas e outras tecnologias podem ajudar a combater incêndios florestais

Portugal continua a ser assombrado pela destruição sem precedentes dos incêndios florestais. Agora é a hora de aproveitar as nossas ferramentas tecnológicas e encontrar maneiras inovadoras de ajudar a aliviar o problema e também evitar …

Pombos estão a perder dedos ou patas por causa da poluição

Basta passar algum tempo na praça de uma cidade para ver que alguns pombos têm patas feridas ou dedos em falta. Embora possamos pensar que isto é causado por algum vírus ou pelos eventuais desentendimentos …

Descoberto no Japão fóssil de pássaro com 120 milhões de anos

O fóssil de um pássaro do Cretáceo recentemente descoberto no Japão pode levar os cientistas a repensarem alguns detalhes sobre a evolução do voo. Há cerca de 120 milhões de anos, um pássaro com o tamanho …