Descobertos os mais antigos fósseis de Homo sapiens (e mudam tudo o que sabíamos sobre o Homem)

(dr) Shannon Mcpherron/ MPI EVA Leipzig

O paleoantropólogo Jean-Jacques Hublin, do Instituto Max Planck, mostra um achado no sítio arqueológico de Jebel Irhoud, Marrocos

Um grupo de cientistas descobriu em Marrocos o que alegam ser os fósseis mais antigos do Homo sapiens, com mais 100 mil anos do que os mais antigos que se conheciam.

Segundo um artigo publicado esta quarta-feira na revista Nature, foram encontrados em Marrocos os fósseis mais antigos de Homo sapiens, com cerca de 300 mil anos, ou seja, mais 100 mil anos do que os restos mortais até agora considerados os mais antigos, encontrados em Omo Kibish, na Etiópia, em 1967.

A descoberta, feita no sítio arqueológico de Jebel Irhoud, 150 quilómetros a oeste de Marrakech, muda tudo o se sabia sobre a origem da espécie humana, e confirma que o Homo sapiens esteve presente em todo o continente africano.

O trabalho científico foi coordenado pelo paleoantropólogo francês Jean-Jacques Hublin, do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva de Leipzig, na Alemanha.

O resto de crânio encontrado em Jebel Irhoud apresenta “um mosaico de características, incluindo morfologia facial, mandibular e dental que alinha esse material com restos humanos primitivos ou considerados anatomicamente modernos“.

Jebel Irhoud, uma jazida paleontológica descoberta em 1991, ofereceu importantes descobertas de fósseis humanos, particularmente os restos de um Homo sapiens de oito anos de idade que datavam de há 160.000 anos.

Muda tudo o que se sabe sobre a origem do Homem

Esta descoberta tira sustentação à teoria de que o homem moderno evoluiu há 200 mil anos a partir de um único “berço de humanidade” no leste da África, e mostra que o Homo sapiens emergiu pelo menos 100 mil anos antes do que se pensava.

Segundo o estudo divulgado esta quarta-feira, a nossa espécie evoluiu por todo o continente africano, de forma muito mais fragmentada do que se pensava.

A descoberta fará com que “se reescrevam os livros de história” sobre o surgimento do Homem como espécie, diz o professor Jean-Jacques Hublin, antropólgo do Instituto Max Planck de Antropologia Evolucionária (MPI), na Alemanha.

“Esse material fóssil representa a raiz da nossa espécie, é o mais antigo Homo sapiens já encontrado na África ou em qualquer outro lugar”, explica Hublin.

“A nossa origem não foi uma coisa que aconteceu rapidamente, num Jardim do Éden em qualquer sítio específico em África. A nossa evolução foi algo mais gradual e envolveu todo o continente. Se houve um Jardim do Éden, ele foi a África inteira“, diz Hublin.

(dr) MPI-EVA Leipzig

Mandíbula inferior de um Homo sapiens encontrado em Jebel Irhoud

Mandíbula inferior de um Homo sapiens encontrado em Jebel Irhoud

O material fóssil agora descoberto tem entre 300 mil e 350 mil anos de idade, e o crânio tem uma forma quase idêntica ao dos humanos modernos. As poucas diferenças que se sobressaem são uma testa um pouco mais proeminente e uma cavidade cerebral um pouco menor.

A escavação da equipa de Hublin revelou também que estes povos antigos já usavam ferramentas de pedra e tinham aprendido a produzir e controlar fogo. Ou seja, não apenas se pareciam com o Homo sapiens, como também agiam como tal.

Antes de a nossa espécie ter evoluído, havia muitos tipos diferentes de espécies humanas primitivas, cada uma delas com forças, fraquezas e características físicas próprias. Essas diferentes espécies humanas – assim como outros animais – evoluíram e mudaram a sua aparência gradualmente, ao longo de centenas de milhares de anos.

A visão histórica predominante até agora era de que o Homo sapiens tinha evoluído repentinamente de humanos primitivos no leste africano há cerca de 200 mil anos atrás – e teria sido nesse ponto que ganhamos as feições e características físicas que temos hoje.

Segundo essa teoria, só a partir daí é que teríamos começado a espalhar-nos por África e pelo resto do planeta. As descobertas da equipe de Hublin colocam essa versão em causa.

“Temos de mudar a nossa visão sobre como os primeiros humanos modernos emergiram”, conclui Hublin.

(dr) NHM London

Os mais antigos fósseis de Homo Sapiens, encontrados no Marrocos (esq.) têm um crânio mais alongado do que os humanos modernos (dir.)

Os mais antigos fósseis de Homo Sapiens, encontrados no Marrocos (esq.) têm um crânio mais alongado do que os humanos modernos (dir.)

Novas interpretações

Também o professor Chris Stringer, do Museu de História Natural de Londres, diz que esta descoberta “mostra que há múltiplos lugares em África onde o Homo sapiens emergiu. Precisamos de nos distanciar dessa ideia de que houve um único berço da humanidade”.

Stringer levanta mesmo a possibilidade de que o Homo sapiens tenha existido na mesma altura fora de África. “Há fósseis em Israel que têm provavelmente a mesma idade e mostram sinais que poderiam ser descritos como feições proto-Homo sapiens.”

Stringer diz que não é inconcebível a ideia de que possam ter existido anteriormente na história, talvez até milhões de anos atrás, humanos primitivos com cérebros menores, rostos e dentes maiores, e testas mais fortes – mas que ainda assim, eram Homo sapiens.

Isso é uma mudança de paradigma radical nos estudos das origens humanas. “Havia a ideia de que o Homo sapiens tinha aparecido subitamente em África num dado momento – e que essa era a origem da nossa espécie”, diz Stringer.

“Mas aparentemente, isso estava errado“, concluiu o antropólogo.

// EFE / BBC

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Ainda vão acabar por descobrir que a humanidade, afinal começou na Europa. 1º era na Somália, agora é em Marrocos….enfim, o tal politicamente correto ao serviço da “Ciência”

RESPONDER

Google cria modelo de cérebro mais detalhado (e com maior resolução) de sempre

A recriação 3D do cérebro de uma mosca da fruta - que mostra 20 milhões de sinapses e 25 mil neurónios - é a que tem a maior resolução até ao momento. Uma equipa de …

Morreu Kobe Bryant, uma das maiores estrelas de sempre da NBA

Kobe Bryant, um dos maiores basquetebolistas de sempre, morreu na manhã deste domingo em Calabasas, Califórnia, num desastre de helicóptero. De acordo com a TMZ, Bryant viajava com, pelo menos, três outras pessoas num helicóptero privado, …

Há seis queixas de violência policial por semana

Em Portugal, são apresentadas em média seis queixas semanais por violência policial, escreve o semanário Expresso na sua edição deste fim-de-semana, citando os dados mais recentes da Procuradoria-Geral da República. De acordo com os números, relativos …

CRISPR tornou galinhas resistentes a um vírus comum

A técnica de edição genética CRISPR tem sido usada para tornar as galinhas resistentes a um vírus comum, uma abordagem que poderia aumentar a produção de ovos e de carne em todo o mundo. Mesmo quando …

A Cybertruck de Musk poderá ser "incrivelmente barata" de produzir

A Cybertruck de Elon Musk, CEO da Tesla e da Space X, pode ser "incrivelmente barata" de produzir graças à sua inovadora tecnologia de carroçaria, afirmou um especialista em entrevista à Autoline Network. O engenheiro Sandy …

Novo estudo associa o burnout a uma consequência fatal

Uma nova investigação associa o burnout a um aumento de até 20% no risco de desenvolver fibrilhação auricular, a arritmia crónica mais frequente. O burnout é uma perturbação psicológica causada pelo stress excessivo devido a uma …

Pinto da Costa diz ter total confiança em Sérgio Conceição

O presidente do FC Porto, Pinto da Costa, garantiu que tem "total confiança nos jogadores e no treinador", Sérgio Conceição, que no sábado colocou o lugar à disposição, de acordo com a newsletter oficial dos …

Isabel dos Santos utilizou três identidades para entrar e sair de Portugal

A empresária angola Isabel dos Santos utilizou três documentos de identificação distintos durante as últimas viagens que fez entre Portugal e o Reino Unido. "Izabel Dosovna Kukanova", "Isabel José dos Santos" e "Santos Isabel" foram as …

Voar nunca foi tão seguro, garante a Estatística

Voar em companhias áreas comerciais nunca foi tão seguro, garante um estudo levado a cabo por um professor do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) que monitoriza o número de mortes de passageiros de todo o …

Coronavírus já provocou 56 mortes. China começa a desenvolver vacina

China começou a desenvolver uma vacina contra o novo coronavírus, que já provocou a morte a 56 pessoas e infetou 1.975 pessoas no país, informa este domingo o jornal oficial do Partido Comunista Chinês (PCC). De …