Descobertas seis novas estirpes de coronavírus em morcegos

Uma equipa de cientistas descobriu seis novas estirpes de coronavírus em morcegos de Mianmar, revelou uma nova investigação, cujos resultados foram recentemente publicados na revista científica PLOS ONE.

Os especialistas do Programa de Saúde Global do Instituo Smithsonian, dos Estados Unidos, descobriram as novas estirpes em três espécies de morcegos: o morcego-amarelo da Grande Ásia (Scotophilus heathii); o morcego de cauda livre (Chaerephon plicatus) e o morcego de nariz em folha de Horsfield (Hipposideros larvatus).

Ao todo, foram analisadas onze espécies destes mamíferos.

Apesar de pertencerem à mesma família do vírus SARS-CoV-2, que originou a pandemia de covid-19, os cientistas acreditam, segundo o novo estudo esta quinta-feira publicado, que os seis tipos de coronavírus agora descobertos não estejam, do ponto de vista genético, intimamente relacionados com as estirpes que causam doenças letais em humanos, como é o caso da SARS, MERS ou o mais recente SARS-CoV-2.

Os cientistas descobriram estes vírus enquanto estudavam morcegos em Mianmar como parte do PREDICT, um programa financiado pelo governo norte-americano para identificar doenças infecciosas com potencial de transmissão de animais para humanos.

A equipa analisou amostras de saliva e guano (fezes) de onze espécies destes mamíferos que habitaram três locais distintos de Mianmar entre 2016 e 2018, detalha o portal de ciência Live Science. Nestes locais, o Homem entra em contacto direto com o excremento destes animais, uma vez que é bastante comum a recolha de guano, que é depois utilizado como fertilizante.

“Dois destes locais apresentavam sistemas populares de cavernas onde as pessoas locais eram rotineiramente expostas a morcegos através da colheita de guano, práticas religiosas e eco-turismo”, pode ler-se no estudo.

Os cientistas frisam que são necessárias mais investigações para perceber qual o potencial destes vírus recém-descobertos “migrarem” para outras espécies e para perceber como é que estas podem vir a afetar a saúde humana.

Em comunicado, Suzan Murray co-autora do estudo e diretora do Programa de Saúde Global do instituto norte-americano, explicou que há vários tipos de coronavírus que não são perigosos para os humanos, frisando, contudo, que é importante conhecê-los.

“Muitos tipos de coronavírus podem não representar um risco para as pessoas, mas quando identificamos essas doenças desde cedo nos animais, na fonte, tempos uma oportunidade valiosa para investigar a potencial ameaça“, considerou.

“Vigilância, investigação e educação são as melhores ferramentas que temos para evitar pandemias antes que estas ocorram”, rematou, citada na mesma nota.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Estudo mostra como diferentes espécies de polvos coexistem no mesmo ambiente

Existem mais de 300 espécies de polvos a viver em diversos habitats que abrangem recifes de coral, leitos de ervas marinhas, planícies de areia e regiões de gelo polar. Mas de que forma cefalópodes tão …

As máquinas estão "muito longe" de serem mais inteligentes (mas muito perto de agir como pessoas)

A especialista em inteligência artificial Daniela Braga considera que as máquinas estão "muito longe" de substituírem totalmente os humanos ou serem mais inteligentes, mas estão "muito perto" de interagirem como as pessoas. "Acho que estamos muito …

Secreto e lucrativo, o mercado de venda de "fezes de cachalote" pode também ser violento

O âmbar cinza é altamente raro, mas também altamente valioso. Usada na indústria dos perfumes, o mercado deste material pode ser muito perigoso. Deixa na pele uma resina oleosa e tem um cheiro a tabaco, madeira, …

Empresa norueguesa garante que pode "parar" furacões antes que estes se tornam destrutivos

Especialistas ambientais advertem que o sistema de "cortina de bolhas" proposto pela empresa pode provocar efeitos indesejados. A OceanTherm, uma startup norueguesa, assegura que a sua nova tecnologia pode evitar que as tempestades tropicais se tornem …

Afeganistão: Familiares consideram "insuficientes" pedido de desculpas dos EUA

Familiares dos civis afegãos mortos por "engano" durante um ataque de um avião não tripulado 'drone' norte-americano no final de agosto em Cabul consideraram este sábado "insuficiente" o pedido de desculpas de Washington, numa entrevista …

Descoberta de pegadas fossilizadas em Espanha revela a existência de um "berçário" de elefantes

Pegadas fossilizadas foram encontradas numa praia no sul da Espanha e mostram o que pode ter sido o berçário de uma espécie extinta de elefantes. O local costeiro, situado na região de Huelva, estava normalmente coberto …

Morreu aos 98 anos o historiador, sociólogo e crítico de arte José-Augusto França

O historiador, sociólogo e crítico de arte José-Augusto França morreu este sábado, aos 98 anos, na casa de saúde de Jarzé, perto da cidade francesa de Angers, disse à Lusa a pintora Emília Nadal, sua …

Ventura: "Não vejo outra possibilidade senão a ministra da Saúde ou pedir desculpa ou ser afastada"

O Chega vai questionar formalmente o Governo pelo “facto de a ministra da Saúde ter utilizado um carro do Estado” para ir a uma ação de campanha no Porto na sexta-feira, anunciou este sábado André …

Ouvir 30 segundos de uma sonata de Mozart pode reduzir ataques de epilepsia

Ouvir a Sonata para Dois Pianos em Ré Maior (K448), de Wolfgang Amadeus Mozart, durante pelo menos 30 segundos, ajuda a reduzir a atividade elétrica cerebral associada à epilepsia resistente a medicação. Os resultados também sugerem …

Astrónomos resolvem mistério cósmico com 900 anos

Um mistério cósmico com 900 anos, em torno das origens de uma famosa supernova observada pela primeira vez na China no ano 1181, foi finalmente resolvido. Uma nova investigação, publicada dia 15 de setembro no The …