Descobertas gravuras rupestres surpreendentes no Egipto

David Sabel / Universitat Bonn

Gravura rupestre quase imperceptível supreende com bailarino de máscara do período Neolítico, no Egipto.

Gravura rupestre quase imperceptível surpreende com bailarino de máscara do período Neolítico, no Egipto.

Uma descoberta de “arqueologia para pessoas preguiçosas” permitiu chegar a surpreendentes desenhos de arte rupestre que dão pistas relevantes sobre como foi o período Neolítico ou Idade da Pedra Polida no Egipto, muito antes de os Faraós terem chegado ao poder.

Arqueólogos da Universidade de Bona, na Alemanha, descobriram, sem sequer precisar de esforços de escavação, um desenho esculpido na pedra que mostra um caçador com um arco, ao lado de uma avestruz e de um bailarino com uma máscara de pássaro.

A imagem é surpreendente porque não havia, até agora, quaisquer registos do uso de máscaras pelos vivos no período Neolítico no Egipto, e já foi eleita como uma das 10 mais importantes descobertas arqueológicas do país pelo Ministro das Antiguidades do Cairo, revela HeritageDaily.com.

A imagem, que está praticamente imperceptível na rocha, terá cerca de 6 mil anos, datando do quarto milénio antes de Cristo.

Foi uma descoberta de “arqueologia para pessoas preguiçosas”, assume o egiptólogo Ludwig Morenz, da Universidade de Bona, em declarações ao Live Science, explicando que foi só preciso analisar a paisagem em redor da necrópole de Qubbet el-Hawa – a chamada Colina do Vento -, próximo de Aswan, para a encontrar.

No local, no período Faraónico, eram enterrados os nobres da antiga cidade de Elefantina, na Ilha com o mesmo nome, no meio do Nilo. Mas o uso que lhe era dado na Idade da Pedra não teria nada a ver com isso, conforme sublinha Morenz.

“Muito provavelmente, estas imagens na rocha foram colocadas em antigos caminhos que não têm nada a ver com a posterior necrópole faraónica, mas onde havia acesso comunicativo, por qualquer que fosse a razão”, destaca o egiptólogo.

“Na antiga cultura egípcia, conhecemos muitas, muitas máscaras, mas são, basicamente, todas máscaras para os mortos”, com ocorria no tempo dos Faraós, afiança o investigador, sublinhando que neste caso, “temos uma cultura de máscara que precede a cultura faraónica”.

David Sabel / Universitat Bonn

Desenho de arte rupestre de Qubbet el-Hawa, no Egipto.

Desenho de arte rupestre de Qubbet el-Hawa, no Egipto.

A pessoa perto da avestruz com uma máscara de pássaro “pode ter sido um xamã“, explica Morenz. Assim, a máscara pode ter tido “finalidades rituais”, acrescenta.

Outras culturas do Neolítico usavam também bailarinos com máscaras e Morenz assume que é plausível que os povos do Egipto do Neolítico tivessem contacto com os seus vizinhos da Mesopotâmia (o actual Iraque), da Anatólia (território da actual Turquia) e de Elam, um antigo estado no sul do Irão.

Mas “a similaridade não significa, necessariamente, que havia um contacto directo e também não significa, necessariamente, que havia uma influência”, sustenta o investigador.

“Às vezes, as coisas podem ser semelhantes devido a condições semelhantes“, conclui.

De qualquer modo, poderemos estar aqui perante “um elo entre o antigo Oriente Próximo e até o período Neolítico do Sul da Europa e a antiga Cultura Egípcia”. E só essa ideia “abre novos horizontes de pesquisa” que é preciso explorar, conclui Morenz.

Susana Valente SV, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Reino Unido quer reconhecer animais como seres com sentimentos

O Governo britânico anunciou um amplo plano de defesa dos animais que inclui medidas como o reconhecimento dos animais como seres com sentimentos, a proibição da exportação de animais vivos e da importação de troféus …

PAN rejeita "via verde" para o Governo (e admite travar próximo Orçamento "se necessário")

O PAN não pretende oferecer “uma via verde para o Governo fazer o que bem entender” e admite mesmo travar o Orçamento de Estado "se for necessário". As palavras são da presidente do Grupo Parlamentar do …

Bloco quer administração da RTP nomeada pela Assembleia da República

O Bloco de Esquerda fez várias propostas à revisão do contrato de concessão do serviço público de rádio e televisão. Do lado dos trabalhadores da RTP, a proposta foi arrasada. O Governo colocou em consulta pública, …

Decisão da insolvência da Groundforce pode demorar dois meses. Salários de maio em risco

Os salários de maio de 2400 trabalhadores da Groundforce devem ser pagos dentro de duas semanas, mas é grande a probabilidade de que isso não aconteça, à semelhança do que ocorreu em fevereiro, elevando as …

Pedro Nuno Santos garante que investimento público em redes de nova geração vai avançar

Pedro Nuno Santos garantiu, na quinta-feira, que o “investimento público” em redes de comunicações eletrónicas “vai avançar”, de forma a levar conectividade às regiões do país onde as redes das operadoras privadas não chegam. O ministro …

PPP hospitalares geraram poupanças para o Estado

O Tribunal de Contas publicou um relatório em que sustenta não ter dúvidas sobre as vantagens que as parcerias público-privadas (PPP) na saúde trouxeram ao Estado, ao longo da última década. Os hospitais em parceria público-privada …

Banco de Fomento está a integrar trabalhadores do antigo BPN

O Banco Português de Fomento está a recrutar colaboradores do antigo BPN para desempenhar funções técnicas, numa altura em que a Parvalorem, onde estão integrados, solicitou ao Executivo o estatuto de empresa em reestruturação. Segundo apurou …

PAN começa a ser julgado por falsos recibos verdes

O PAN vai começar a ser julgado este mês devido ao caso dos falsos recibos verdes. O partido enfrenta três processos judiciais, sendo que o arranque do julgamento do primeiro está marcado para 17 de …

Radovan Karadzic vai ser transferido para o Reino Unido

Radovan Karadzic, antigo líder dos sérvios da Bósnia condenado por genocídio no massacre de mais oito mil muçulmanos bósnios em Srebrenica, em 1995, vai ser transferido para o Reino Unido, onde vai continuar a cumprir …

Adjunta de Matos Fernandes era sócia de empresa que fez negócios com o ministério

Entre 2016 e 2019, a secretária de Estado do Ambiente, Inês Santos Costa, acumulou funções quando integrou o gabinete de João Pedro Matos Fernandes, na qualidade de adjunta, sendo, na altura, sócia de uma empresa, …