/

Descoberta de “pacemaker de reserva” em cabras pode ter implicações no coração humano

A descoberta de um “pacemaker de reserva” em cabras pode ter importantes implicações no coração humano. Quando o nó sinoatrial falha, o “pacemaker” mantém o coração a bater normalmente.

O coração bate cerca de 60 vezes por minuto, fornecendo nutrientes e removendo resíduos de todas as células do corpo. Tem feito isso desde que ainda estávamos no útero. Mas, apesar de tudo o que sabemos sobre este órgão vital, os investigadores ainda estão a aprender coisas novas sobre ele.

Na verdade, um estudo recente em cabras descobriu que o coração tem um “pacemaker de reserva” embutido, com o potencial de assumir o controlo quando o mecanismo que normalmente garante que o coração continue a bater, conhecido como nó sinoatrial, falha.

Isto pode ter implicações importantes para os humanos, cujo coração é muito semelhante em estrutura, principalmente no estudo de condições que afetam o nó sinoatrial, como a arritmia.

O pacemaker

O coração é feito de um músculo cardíaco. Ao contrário de outros músculos do corpo, não podemos controlá-lo. Em vez disso, a velocidade do coração é controlada pelo sistema nervoso autónomo.

Os nervos que transmitem informações sobre a nossa frequência cardíaca necessária conectam-se a um centro especializado na parede da aurícula direita, conhecida como nó sinoatrial.

Este é composto por células pacemaker especializadas, que enviam um impulso elétrico por todos os cardiomiócitos, garantindo que o coração bate adequadamente.

Mas o nó sinoatrial pode ser disfuncional. Essas falhas podem ser adquiridas ou herdadas. A disfunção adquirida é mais comum, geralmente causada pela idade, certos medicamentos e fatores de estilo de vida, como IMC alto, diabetes e hipertensão. Muitas pessoas com disfunção podem não apresentar sintomas.

Um dos sintomas mais comuns de um nódulo sinoatrial disfuncional é uma arritmia. Isto é quando o coração bate muito rápido, muito lento ou irregularmente. Há uma variedade de opções de tratamento para arritmia, com níveis mistos de sucesso e diferentes riscos.

A nova descoberta

Um novo estudo publicado recentemente na revista Frontiers in Physiology pode mudar a nossa compreensão de como é que o coração funciona. A equipa de investigadores descobriu que outras áreas do coração localizadas ao redor do nó sinoatrial também podem atuar como um pacemaker – particularmente em casos onde o nó sinoatrial parou de funcionar, como no caso de uma arritmia.

Os investigadores descobriram que o pacemaker atrial subsidiário próximo assume o controlo quando o nó sinoatrial falha, e mantém o coração a bater normalmente.

Embora o estudo tenha sido realizado em cabras, estes resultados não deixam de ser promissores para humanos, pois os nossos corações compartilham muitas semelhanças em estrutura e função.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

As descobertas são particularmente interessantes, pois podem apresentar novas oportunidades para o tratamento da disfunção do nó sinoatrial através de meios potencialmente menos invasivos, onde populações naturais de células próximas ao nó sinoatrial, como no pacemaker atrial subsidiário, mostram a capacidade de assumir o papel de pacemaker dominante do coração e mantê-lo a bater normalmente.

O desenvolvimento do nó sinoatrial e como é que ele cresce ainda não é totalmente compreendido, portanto, não é nenhuma surpresa para alguns que existam outras células semelhantes no coração com capacidades semelhantes.

O pacemaker atrial subsidiário que foi descoberto exigirá investigação adicional para ver se essas células vêm de células do nó sinoatrial conforme elas se desenvolvem, ou se migram para o seu local ou se formam de outra parte do coração.

Quando os investigadores realizaram um eletrocardiograma, encontraram semelhanças notáveis entre a atividade do nó sinoatrial e do pacemaker atrial subsidiário. A atividade elétrica do coração foi mantida mesmo quando o nó sinoatrial falhou, mostrando que as células deste “pacemaker de reserva” estão mais do que à altura do trabalho. A presença de certas proteínas-chave mostra que essas células subsidiárias podem gerar energia suficiente para manter o coração a funcionar normalmente.

  ZAP // The Conversation

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE