Descoberta bactéria que pode ajudar a criar uma vacina para o stress. Estava escondida na terra

wan mohd / Flickr

Cientistas isolaram um padrão molecular único que pode, um dia, permitir a criação de uma vacina para o stress. Este padrão estava escondida dentro de uma bactéria que vive na terra.

O Mycobacterium vaccae é uma bactéria não patogénica que vive no solo e tem-se mostrado bastante promissora na investigação da área da saúde. Agora, um novo estudo pode ter finalmente descoberto o porquê.

As descobertas sugerem que um tipo específico de gordura dentro de M. vaccae pode ser o motivo pelo qual a exposição a essa bactéria aparentemente benéfica em solo moído pode ser boa também para os humanos.

Este trabalho está ligado à ideia de “velhos amigos”, uma hipótese que afirma que os seres humanos co-evoluíram com vários microorganismos úteis e a perda desses laços no ambiente moderno levou a um aumento de doenças alérgicas e auto-imunes.

“A ideia é que, à medida que os seres humanos se mudaram das quintas e das explorações agrícolas ou de caçadores-coletores para as cidades, perdemos contacto com organismos que serviam para regular o nosso sistema imunológico e suprimir inflamações inapropriadas”, disse o neuroendocrinologista Christopher Lowry em comunicado.

Lowry tem estudado M. vaccae há anos, descobrindo num estudo de 2016 que injetar ratos com uma preparação morta pelo calor da bactéria impedia o surgimento de reações induzidas por stress nos animais.

Mas até agora, ninguém tinha certeza do que havia na M. vaccae que pudesse ser responsável por tais efeitos. “Uma das questões é, essencialmente, quais são os componentes críticos das bactérias que parecem beneficiar o hospedeiro?” explicou Lowry ao The Denver Post.

Neste novo estudo, publicado na revista Psychopharmacology, os investigadores isolaram e sintetizaram quimicamente um ácido gordo chamado ácido 10(Z)-hexadecenóico, que parece ser a forma como a bactéria pode reduzir a inflamação noutros animais.

A nível molecular, o lípido parece atuar ligando-se a recetores chamados recetores ativados por proliferadores de peroxissoma (PPAR). Ao fazê-lo, inibe as vias de inflamação – pelo menos, em células imunitárias de ratos. “Quando são absorvidos pelas células imunológicas, libertam esses lípidios que se ligam a esse recetor e bloqueiam a cascata inflamatória.”

Ainda é necessário muito trabalho para ver se o mesmo efeito poderia ser replicado em humanos. Se for possível, os investigadores dizem que a descoberta poderia ajudar a desenvolver uma “vacina contra o stress” para ajudar pessoas em profissões de alto stress que as colocam em risco de desenvolver transtorno de stress pós-traumático.

“Costumávamos pensar que as microbactérias não eram uma parte importante do microbioma humano”, disse o neuroendocrinologista. “O poder da natureza continua a surpreender-nos e estamos ansiosos para aprender mais.” Lowry é otimista, estimando que podem passar apenas 10 a 15 anos antes desse tratamento estar disponível.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. se calhar em vez da vacina, o melhor seria regressar às origens, mais paisagem, mais terra e menos betão e relógio.

    e menos ou nenhuns fakebooks e afins.

RESPONDER

Ex-ministro francês François Bayrou acusado de cumplicidade na apropriação de fundos

O ex-ministro francês François Bayrou, dirigente centrista e próximo de Emmanuel Mácron, foi acusado na sexta-feira por "cumplicidade na apropriação indevida de fundos públicos" no caso dos assistentes parlamentares do seu partido. A acusação, "anunciada antecipadamente …

"Profundamente envergonhada", Merkel visitou Auschwitz pela primeira vez

A chanceler alemã, Angela Merkel, visitou esta sexta-feira pela primeira vez o campo de concentração e extermínio de Auschwitz-Birkenau num "sinal de reconciliação com os judeus e o estado de Israel", considera o historiador René …

Capital do Natal de Algés avança com queixa-crime contra promotores

A organização da Capital do Natal, evento que decorre em Algés, Oeiras, vai apresentar uma queixa-crime contra os promotores turísticos que "adulteraram a oferta do parque", o que defraudou "um conjunto alargado de pessoas". Em causa …

Menino de 5 anos convidou todos os colegas do infantário para assistir à sua adoção

Um menino de cinco anos de Michigan, nos Estados Unidos, convidou a sua turma do infantário para testemunhar à sua adoção legal. A criança, identificada como Michael, foi adotada formalmente pela sua nova família na passada …

TDT vai mudar de frequência (outra vez)

A frequência da Televisão Digital Terrestre (TDT) está a ser alterada de forma faseada, o que significa que os portugueses que usem este serviço gratuito de televisão têm de sintonizar novamente os seus recetores e/ou …

Ruas de Águeda entre as "mais bonitas do mundo" para a CNN

As ruas do centro de Águeda, no distrito de Aveiro, decoradas com guarda-chuvas estão entre as 21 mais bonitas de mundo para a emissora norte-americana CNN. A distinção é avançada pelo jornal Público, que dá …

Hospitais vão poder pagar mais a médicos para garantir urgências no Natal

Os hospitais vão poder contratar médicos prestadores de serviço, vulgo tarefeiros, por valores superiores aos de referência durante o Natal e o Ano Novo. De acordo com o presidente da Federação Nacional dos Médicos, Noel Carrilho, …

Jovem que abandonou bebé no lixo esteve 13 anos institucionalizada em Cabo Verde

A jovem que abandonou o filho recém-nascido no lixo, em Lisboa, esteve institucionalizada durante 13 anos em Cabo Verde. A sua mãe está agora a lutar pela guarda da criança. Numa entrevista ao programa Sexta às …

Último debate. Boris defendeu o Brexit e Corbyn falou da Saúde (pelo menos 15 vezes cada um)

No debate televisivo, transmitido pela BBC, o último antes das eleições da próxima quinta-feira, Boris Johnson defendeu que é o melhor preparado para concretizar o Brexit e terminar com o impasse no processo, prometendo ainda …

No São José, há um doente numa cama 9 meses depois de ter alta. Não tem para onde ir

O Centro Hospitalar Lisboa Central tem diariamente uma média de 70 camas ocupadas com doentes que já deviam ter saído do hospital e há atualmente um caso que espera há nove meses por uma solução. Em …