Descoberta bactéria que come metano e pode combater aquecimento global

-

Um novo tipo de bactéria recém-descoberto pode salvar a humanidade das catastróficas consequências do aquecimento global e evitar que todo o gelo do Ártico derreta.

Uma equipa de cientistas da Universidade de Princeton descobriu que o solo do Ártico contém microrganismos que consomem metano, o que poderia retardar o aquecimento global — e salvar a humanidade da catástrofe que a fusão das calotes polares poderia trazer.

À medida que as calotes de gelo do Ártico continuam todos os anos a recuar para níveis sem precedentes, enormes cargas de dióxido de carbono e metano são liberadas para a atmosfera, elevando as temperaturas globais a níveis cada vez mais altos.

Mas uma bactéria do solo agora descoberta, quando se encontra num ambiente com temperatura mais elevada, começa a absorver metano, transformando-o em álcool metílico.

princeton.edu

Chui Yim “Maggie” Lau, geomicrobiologista da Universidade de Princeton, EUA

Chui Yim “Maggie” Lau, geomicrobiologista da Universidade de Princeton, EUA

De acordo com o estudo, publicado no The ISME Journal, os investigadores observaram que a capacidade desta bactéria de neutralizar o metano na atmosfera aumenta à medida que as temperaturas globais sobem.

Segundo o Princeton Journal Watch, os investigadores observaram, durante um período de três anos, que um local com pouco carbono nas ilhas Axel Heiberg, na região ártica do Canadá, consumia consistentemente mais metano à medida que a temperatura do solo aumentava de 0 para 18 graus Celsius.

Se as temperaturas globais subirem cerca de 15 graus nos próximos 100 anos, esta bactéria poderá assim ser capaz de consumir 30 vezes mais metano do que absorve actualmente, estimam os cientistas.

Isso poderá impedir o planeta de continuar a aquecer, apesar da enorme quantidade de metano que é emitida actualmente pelo gelo do Ártico.

“Não podemos dizer com clareza se as bactérias dos solos do Ártico vão compensar o metano que existe na atmosfera ou não, mas certamente que vão ajudar”, diz Chui Yim Lau, uma das autoras do estudo, citada pela Sputnik.

Os investigadores estão muito optimistas quanto às perspectivas de virem a poder usar as bactérias do Ártico para combater o aquecimento global.

Se estas bactérias estiverem presentes em todos os solos árticos, vão certamente ter  no futuro um papel importante na regulação dos níveis de metano na atmosfera em todo o mundo, garantem.

ZAP / Sputnik

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Em qualquer flora intestinal deve haver disso não? seria preciso ir ao artico?
    Aquecimento global mais uma treta para nos lixarem impostos dizendo eles em prol do ambiente mas andam em grandes maquinas e de avião para a frente e para trás em reuniões aliás uma das formulas não é acabar com a poluição mas quem polui paga interessa mesmo é o cascalho no bolso.
    Há 10 milhões de anos o mar estava 140 metros acima da cota actual e não havia industria só se estiveram cá os ET’s

RESPONDER

Viagens ao Espaço têm um novo perigo desconhecido para os astronautas

Há um perigo inerente às longas viagens espaciais dos astronautas desconhecido até aos dias de hoje. Um novo estudo aponta que os cosmonautas podem ver o seu fluxo sanguíneo revertido na parte superior do corpo. A …

Macrocilix maia, a misteriosa traça que tem moscas a comer fezes nas suas asas

Macrocilix maia é uma espécie de traça que se destaca pela forma como se camufla dos seus predadores. Nas suas asas vê-se duas moscas a comer excrementos de pássaro. A natureza nunca falha em surpreender-nos e …

Há provas que ligam misteriosa doença que paralisa crianças a vírus raro

Pela primeira vez, foram encontradas provas da associação do Enterovírus D68, um vírus raro até há algum tempo, à Mielite Flácida Aguda, uma doença semelhante à poliomielite que tem afectado centenas de crianças, provocando a …

Antigos egípcios podem ter encurralado milhões de pássaros só para os mumificar

Novas evidências de ADN sugerem que os antigos Egípcios capturavam pássaros selvagens para sacrifícios ritualísticos (e para os poderem mumificar depois). As catacumbas egípcias contêm milhares de pássaros mumificados, especificamente íbis-sagrados (Threskiornis aethiopicus), empilhados uns sobre …

Estudo mostra que sondagens tendenciosas enviesam eleições políticas

Através de experiências práticas, uma investigação recente sugere que as sondagens tendenciosas podem influenciar e enviesar as eleições políticas, até mesmo nas grandes democracias. Enquanto uma eleição se aproxima no Reino Unido e uma votação presidencial …

A Rússia criou a arma mais mortífera da história. Foi há 72 anos

Comummente conhecida por AK-47, a espingarda Kalashnikov foi responsável por milhões de mortes durante a nossa História, sendo uma das armas mais populares do mundo e a mais fabricada pela indústria de armamento. Segundo o The Conversation, …

Luxemburgo 0-2 Portugal | Campeão marca presença no Euro

Portugal venceu o Luxemburgo por 2-0 e apurou-se para a fase final do Euro2020 – a 11ª presença consecutiva da turma das “quinas” em fases finais de grandes competições. Num encontro mal jogado, em parte pelas …

Hologramas e outras tecnologias podem ajudar a combater incêndios florestais

Portugal continua a ser assombrado pela destruição sem precedentes dos incêndios florestais. Agora é a hora de aproveitar as nossas ferramentas tecnológicas e encontrar maneiras inovadoras de ajudar a aliviar o problema e também evitar …

Pombos estão a perder dedos ou patas por causa da poluição

Basta passar algum tempo na praça de uma cidade para ver que alguns pombos têm patas feridas ou dedos em falta. Embora possamos pensar que isto é causado por algum vírus ou pelos eventuais desentendimentos …

Descoberto no Japão fóssil de pássaro com 120 milhões de anos

O fóssil de um pássaro do Cretáceo recentemente descoberto no Japão pode levar os cientistas a repensarem alguns detalhes sobre a evolução do voo. Há cerca de 120 milhões de anos, um pássaro com o tamanho …