A depressão pode ser uma doença física

Cientistas defendem que há uma ligação clara entre a depressão e a inflamação causada por um sistema imunitário hiperativo. Casual ou não, esta relação pode abrir novas vias de tratamento e esperança para os pacientes.

Os tratamentos atuais para a depressão concentram-se sobretudo em produtos químicos cerebrais como, por exemplo, a serotonina. Porém, uma equipa de cientistas pensa agora que a inflamação em todo o corpo, desencadeada por um sistema imunitário hiperativo, pode ser a causa do problema.

A inflamação generalizada pode produzir sentimentos de infelicidade, falta de esperança e fadiga. Se assim for, a depressão pode ser tratada com medicamentos anti-inflamatórios.

Mas também pode ser um sintoma: muitas pessoas ficam com um mau estado de espírito quando estão doentes e o seu sistema imunitário está ocupado a lutar contra infeções ou vírus. No caso da depressão crónica, o sistema imunitário pode estar a falhar em “desligar” depois de uma doença ou trauma, levando a sintomas persistentes.

Um grande conjunto de pesquisas, incluindo artigos científicos e resultados de ensaios clínicos, parece revelar uma relação entre o tratamento da inflamação e o alívio da depressão.

No final de julho, cientistas da Universidade de Stanford, nos EUA, afirmaram que poderiam criar um teste de diagnóstico para encefalomielite miálgica/síndrome de fadiga crónica, juntamente com um tratamento. Este trabalho confirmou outros anteriores que ligavam a síndrome à depressão e à inflamação.

Em outubro de 2016, uma revisão importante sobre medicamentos anti-inflamatórios também revelou uma ligação definitiva entre a inflamação e a depressão. O trabalho mostrou que cerca de um terço das pessoas com depressão têm níveis mais elevados de citocinas, proteínas que controlam a maneira como o sistema imunitário reage.

Segundo Ed Bullmore, chefe do Departamento de Psiquiatria da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, um novo campo de “imuno-neurologia” deve surgir em breve. “É bastante claro que a inflamação pode causar depressão”, disse o investigador, durante uma conferência do Academy of Medical Sciences FORUM.

“Em relação ao humor, além de qualquer dúvida razoável, existe uma associação muito robusta entre a inflamação e os sintomas depressivos. A questão é se a inflamação leva a depressão ou vice-versa, ou se é apenas uma coincidência. Nos estudos de medicina experimental, se tratamos indivíduos saudáveis com uma droga inflamatória, uma percentagem substancial dessas pessoas ficará deprimida. Por isso, pensamos que há provas suficientes para um efeito causal”.

Uma consequência importante desses trabalhos seriam tratamentos mais eficazes para curar a depressão e que talvez não precisassem de durar a vida toda. Outra implicação é que, se esse conhecimento melhorar a nossa compreensão de como tratar a doença, poderíamos transformar a perceção que as pessoas têm atualmente.

Socialmente, ver a depressão como uma condição com uma causa física definitiva poderia ajudar a reduzir o estigma à volta das doenças mentais que, muitas vezes, impedem as pessoas de procurar e obter tratamento.

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Facebook para iOS utiliza câmara do iPhone sem que o utilizador note

Há um erro na aplicação do Facebook para iOS - sistema operativo do iPhone - que liga a câmara do telemóvel sem que o utilizador se aperceba quando este faz scrool no feed de …

Tesla vai abrir a sua primeira fábrica na Europa

O construtor de carros elétricos Tesla vai abrir uma fábrica nos arredores de Berlim, anunciou o presidente executivo da empresa, Elon Musk, na terça-feira à noite ao receber um prémio na capital alemã. “Tenho uma informação …

Continental vai contratar 300 engenheiros para o Porto

A Continental vai instalar no Porto um centro de desenvolvimento de tecnologias que poderá empregar "cerca de 300 engenheiros" e apoiará o desenvolvimento de soluções para veículos elétricos, condução autónoma e cibersegurança, anunciou esta quarta-feira …

Comissão Europeia aprova comercialização da primeira vacina para o Ébola

A Comissão Europeia anunciou no início da semana que concedeu uma autorização para a comercialização da primeira vacina contra o Ébola, designada Ervebo e produzida pela farmacêutica Merck. A vacina estava a ser produzida desde o …

Facebook lança o seu próprio MB Way

O Facebook lançou nos Estados Unidos uma nova funcionalidade para facilitar pagamentos através das quatro principais aplicações do grupo, que é semelhante ao funcionamento das transações com o MB Way. Em comunicado, Deborah Liu, responsável do …

O dilema dos chumbos, o "engano" de Ventura e o "falso liberal". O primeiro debate aqueceu

O primeiro debate quinzenal da legislatura arrancou esta quarta-feira e ficou marcado pelas retenções até ao 9.º ano - Chumba ou não chumba?, quis saber a direita, bem como pelo aumento do salário mínimo nacional …

Sondagem europeia defende tratado internacional que proíba "robôs assassinos"

Quase três em cada quatro pessoas querem que o seu governo colabore com outros países para proibir sistemas letais de armas autónomas. A organização não-governamental Human Rights Watch (HRW) divulgou esta quarta-feira os resultados de uma …

Pentágono está a criar bactérias que detetam explosivos no subsolo

O Pentágono, em conjunto com a empresa de defesa Raytheon, está a desenvolver um sistema capaz de produzir bactérias geneticamente modificadas no subsolo, com o objetivo de detetar explosivos no subsolo. Neste projeto, iniciado pela Agência …

Hospitais voltam a não poder aumentar número de trabalhadores sem visto da tutela em 2020

Os hospitais vão continuar em 2020 impedidos de aumentar o número de trabalhadores sem a autorização prévia do Ministério da Saúde, segundo um despacho a que a agência Lusa teve acesso. O despacho assinado pelo secretário …

Onda crescente de ataques com explosivos alarma Suécia

A Suécia tem visto um aumento sem precedentes de ataques com explosivos. Em outubro, Estocolmo foi alvo de três ataques em apenas uma noite.  Se pensarmos num país com guerras de gangues constantes, o último nome …