DECO e ASAE em guerra por causa da carne picada

A DECO reiterou nesta quarta-feira que a utilização de sulfitos na carne picada é “proibida por lei”, numa reação ao esclarecimento da ASAE de que estes conservantes podem ser utilizados nos preparados de carne, como hambúrgueres e almôndegas.

A associação de defesa do consumidor (DECO) divulgou, na terça-feira, um estudo que analisou amostras de carne picada vendida em 26 talhos de rua, de mercados e de hipermercados, tendo chumbado todos na conservação, higiene e temperatura de venda da carne de vaca picada a granel, com 23 a adicionarem ao preparado sulfitos, aditivos proibidos por lei.

Em reação às conclusões do estudo, a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) afirmou, relativamente às questões de irregularidades ao nível dos limites de sulfitos detetados, que se “trata de aditivos alimentares aprovados como conservantes que podem ser utilizados em variadíssimos géneros alimentícios, como por exemplo, nos preparados de carne (almondegas, hambúrgueres, etc)”.

“No caso em apreço, importa confirmar se as amostras colhidas pela DECO e analisadas foram efetivamente amostras de carne picada (…) ou se foram colhidas amostras de preparados de carne, mas que estaria à venda sob a denominação de carne picada”, sublinhou a ASAE num comunicado enviado à Lusa.

Para a DECO, a ASAE “lançou uma injustificável confusão sobre o objeto” do estudo, que foi apenas a carne picada à venda nos talhos que visitou.

“Nunca, em nenhuma das nossas comunicações, referimos preparados de carne picada”, adianta a associação numa nota enviada hoje à Lusa, observando que o estudo refere que “há que distinguir entre carne picada e preparados de carne picada, que não integraram a nossa investigação, aos quais se adicionam vários ingredientes”.

A DECO frisou que mantém o que afirmou: “a utilização deste conservante é proibida por lei na carne picada”, considerando que, neste ponto, a ASAE “não contribuiu para o esclarecimento dos consumidores”.

A ASAE considerou também que as metodologias implementadas nas amostras recolhidas pela DECO “carecem de informação clara e científica, informação relativamente ao método de colheita de amostras utilizado, método de ensaio analítico (se está ou não acreditado)” e que a amostragem realizada (0,4% do total de estabelecimentos de comércio a retalho de carne “é claramente insuficiente, tendo em consideração o universo em causa”.

Em resposta, a DECO disse que “a ASAE conhece perfeitamente” os seus métodos e “sabe que em todos os testes, com todos os produtos”, a associação recorrem sempre, “sem exceção, a laboratórios credenciados”.

Tendo em conta “a coincidência dos problemas encontrados”, a DECO reitera o pedido, enviado ao Ministério da Agricultura, de “interdição da venda de carne previamente picada”.

Diz ainda valorizar “o papel que a ASAE pode ter em todo este processo e a importância de uma fiscalização visível e dotada dos meios necessários”.

“Continuamos disponíveis para colaborar com a ASAE, numa frente comum na defesa da segurança alimentar dos consumidores portugueses”, salienta.

A ASAE adiantou que efetua o controlo de sulfitos em carnes, quer na carne picada quer nos preparados de carne, tendo colhido, em 2014, só na região da grande Lisboa, 42 amostras de carne, não tendo sido detetado qualquer resultado não conforme.

Em 2014, a ASAE fiscalizou 676 talhos, tendo apreendido carne e produtos cárneos diversos no valor que ascende aos 660 000 euros.

Relativamente a carne picada, foram apreendidos 70 quilos no valor de cerca de 325 euros.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. A ASAE não encontra problemas porque é corrupta. Há várias empresas de “higiene” que a única coisa que fazem é avisar quando a ASAE vai visitar os seus clientes. E há várias inspeções da ASAE a grandes superfícies que se resumem a ir buscar um envelope ao escritório do gerente.

RESPONDER

Pandemia fez com que quase metade dos portugueses poupe menos

Quase metade dos portugueses (48%) afirma poupar menos devido ao impacto da pandemia, embora mais de um terço assuma que a crise sanitária está a ter um efeito positivo nos seus gastos, segundo um estudo …

"Ministra da Insensibilidade Social". CDS pede a demissão de Ana Mendes Godinho

O CDS criticou este sábado a reação da ministra a Solidariedade Social à morte de 18 idosos num lar em Reguengos de Monsaraz e considerou que Ana Mendes Godinho desvaloriza o impacto da pandemia nos …

Esgotos de dois milhões de portugueses monitorizados para prever segunda vaga de covid-19

Os esgotos de dois milhões de portugueses estão a ser monitorizados para detetar a eventual presença do vírus da covid-19 e prever uma nova vaga. O Jornal de Notícias avança este sábado que a análise está …

Covid-19. Mais 198 infetados e 3 mortes em Portugal

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 198 casos de infeção por covid-19 e três óbitos, de acordo com o boletim epidemiológico publicado pela Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico Direção-Geral da Saúde (DGS) desde …

Média já divulgaram publicidade institucional (mas Estado ainda não lhes pagou)

O Sindicato dos Jornalistas lamentou esta sexta-feira que o Governo não tenha disponibilizado os 15 milhões de euros relativos à compra antecipada de publicidade institucional, vincando que o executivo está em dívida com as empresas …

Autoridades admitem que extrema-direita vá vigiar manifestações antifascistas de domingo

A Frente Unitária Antifascista anunciou que vai organizar no próximo domingo duas manifestações - uma Lisboa (Praça Luís de Camões) e outra no Porto (Avenida dos Aliados). O mote é a luta contra o fascismo. Estas manifestações …

Marcelo não entende por que Portugal continua na "lista negra" do Reino Unido (e leu os relatórios de Reguengos)

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse, em declarações transmitidas pela RTP3, que não entende porque é que Portugal continua na "lista negra" do Reino Unido. Em declarações transmitidas pela RTP3 a partir de …

Estado só recuperou 21% dos créditos tóxicos do BPN

O Estado apenas recuperou 21% dos créditos tóxicos do Banco Português de Negócios, que derivaram da nacionalização da instituição bancária em 2008. Até final de 2019, o Estado só conseguiu recuperar 21% da carteira de créditos …

Novas matrículas "só" vão durar 45 anos (por causa das palavras obscenas)

O novo formato de matrículas entrou em vigor a 2 de março. As novas matrículas vão durar menos tempo do que poderiam porque não serão usadas combinações “que possam formar palavras ou siglas que se …

Novo lay-off conta apenas com 1% das adesões do simplificado

O sucedâneo do lay-off simplificado conta apenas com 1.268 adesões nas primeiras duas semanas. Este valor é apenas 1% do número de empresas que acederam ao primeiro apoio. Nas primeiras duas semanas desde a sua implementação, …