Pessoas de culturas distintas podem ter uma sensibilidade diferente ao sabor amargo

A cultura de uma pessoa pode ter um papel importante na sensibilidade ao sabor amargo encontrado, por exemplo, em alimentos como brócolos, couves bruxelas e chocolate preto, revelam os investigadores.

Ao permitir que os participantes experimentassem a substância amarga PROP, dois estudos mostram que os dinamarqueses e os chineses sentem esse sabor de forma diferente.

O motivo pode estar relacionado com uma diferença anatómica nas superfícies da língua desses dois grupos, destaca o Futurity.

“Os estudos mostram que a grande maioria dos participantes chineses são mais sensíveis ao sabor amargo do que os dinamarqueses. Também analisamos uma ligação entre a proeminência do sabor amargo e o número de pequenas saliências, conhecidas como papilas, presentes na língua”, diz Wender Bredie, professor na Universidade de Copenhaga.

Através do uso de um método de inteligência artificial, os investigadores analisaram o número de papilas fungiformes na língua dos 152 voluntários que participaram no teste, dos quais metade eram dinamarqueses e outra metade chineses.

As papilas fungiformes, localizadas na ponta da língua, contêm uma grande maioria das papilas gustativas e desempenham um papel central nas experiências alimentares e gustativas. Para avaliar a importância das papilas nas preferências alimentares entre culturas, é importante aprender mais sobre a sua distribuição, tamanho e quantidade.

Como a contagem das papilas da língua geralmente é feita manualmente, e a língua tem centenas de minúsculas papilas fungiformes, é fácil cometer erros. Então, os especialistas desenvolveram um novo método que automatiza a contagem e oferece precisão. Usando um algoritmo, a equipa projetou um sistema de coordenadas de língua que pode encontrar papilas em línguas individuais usando o reconhecimento de imagem.

A análise demonstrou que os participantes chineses geralmente tinham maior tendência a ter dessas papilas do que os dinamarquesas, um resultado que os investigadores acreditam que explica por que razão os asiáticos são mais eficazes a detetar sabores amargos.

No entanto, Bredie sublinha que esta questão precisa de ser examinada com mais pormenor antes que de ser retirada qualquer conclusão definitiva.

A genética é apenas um dos vários fatores que pode influenciar a forma como as pessoas saboreiam os alimentos, refere Bredie. Outro fator significativo tem a ver com as preferências – incluindo a textura.

Por exemplo, há uma grande diferença entre mastigar batatas fritas crocantes e comer batatas que já estão moles. De acordo com o estudo, nesta situação, muitos dinamarqueses provavelmente prefeririam as batatas crocantes.

Contudo, a grande maioria dos chineses (77%) prefere alimentos que não requerem muita mastigação, o contrário acontece com os dinamarqueses. O europeus (73%) preferem comer alimentos com consistência mais dura e que exija mordidas.

Os investigadores acreditam que estas oposições entre pessoas de diferentes locais, são baseadas em diferenças na cultura alimentar e na forma como se aprende a comer.

Os estudos não apontam que o formato da língua faça alguma diferença. Foram publicados na Food Quality and Preference e na Springer Link.

Ana Isabel Moura Ana Moura, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Dezenas de pessoas estiveram presentes no último adeus do "sempre fundamental" Jorge Coelho

Várias dezenas de pessoas compareceram este sábado de manhã na Basílica da Estrela para a missa de corpo presente do antigo dirigente e ministro socialista Jorge Coelho, "um elemento sempre fundamental nos momentos mais difíceis …

Desconfinamento já se faz sentir nos internamentos. R(t) já está acima de 1

O número de casos está a aumentar e este efeito já se começa a sentir nos internamentos. Esta foi a segunda semana consecutiva com aumento de casos, com uma média de 495 novos casos diários. De …

Plano contra o racismo. Bloco de Esquerda é o único partido a favor de quotas no ensino superior

O Governo colocou em consulta pública o Plano de Combate ao Racismo e Discriminação, que prevê que alunos socialmente desfavorecidos poderão aceder ao Ensino Superior através de contingente especial. O Bloco de Esquerda é o …

Novo Banco vendeu carteiras ao melhor preço (e só depois avaliou conflitos de interesses)

A venda das três carteiras de crédito do Novo Banco em 2019 foi feita pelo preço mais alto e em conformidade com o Acordo de Capitalização Contingente (CCA), segundo a auditoria da Deloitte às operações. “Nos …

UE investiga possível ligação entre tromboses e vacina da Johnson&Johnson nos EUA

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) anunciou esta sexta-feira ter iniciado uma investigação sobre casos de coágulos sanguíneos após toma da vacina da Johnson & Johnson/Janssen contra a covid-19, antes de o fármaco estar disponível …

Cabras

"É um terror. Nunca vi disto". Relâmpago matou 68 cabras no Alto Minho

Um relâmpago matou 68 cabras na freguesia de Gondoriz, em Arcos de Valdevez, distrito de Viana do Castelo. O pastor que perdeu os animais, Dário Silva, diz que, em "40 anos de serra", nunca viu …

Placa de pedra da Idade do Bronze poderá ser o mapa mais antigo da Europa

Uma placa de pedra da Idade do Bronze, redescoberta em 2014 em França, poderá ser o mapa tridimensional mais antigo já conhecido da Europa. De acordo com a BBC, a laje de pedra, conhecida como placa …

TAP conclui programa de rescisões (e lança nova ronda de medidas para evitar despedimento coletivo)

A TAP concluiu o programa lançado para redimensionar o corpo de trabalhadores da companhia e ficou com 750 postos de trabalho preservados e 690 adesões ao programa voluntário de medidas laborais. Num comunicado interno assinado pelo …

Segunda fase da vacinação. Peritos propõem extensa lista de novas (e raras) doenças

A segunda fase de vacinação contra a covid-19 já arrancou em alguns centros de saúde. Os peritos estão a propor uma nova e extensa lista de doenças de maior risco que passam também a ser …

Dietas veganas são boas para o coração? A Ciência sugere que não

Não há evidências científicas que sustentem a alegação de que uma dieta vegetariana faz bem ao coração. No entanto, há outros benefícios neste tipo de alimentação. Cerca de meio milhão de britânicos são agora veganos, de …