Criptomoedas são “péssima ideia” e interferem com a política monetária

O Nobel da Economia de 2007, Eric Maskin, afirmou, em entrevista à Lusa, que as criptomoedas são uma “péssima ideia”, alertou que interferem com as medidas de política monetária e partilhou que tem esperança que a “moda desapareça”.

“São uma péssima ideia”, afirmou Eric Maskin, Nobel da Economia de 2007, em entrevista à Lusa, a propósito das moedas virtuais como a Bitcoin. As criptomoedas, “em primeiro lugar, não acrescentam qualquer valor a não ser a facilidade de transferir dinheiro”, o que “pode ser replicado pelas moedas tradicionais”.

Eric Maskin disse acreditar que, eventualmente, os governos tornem possível transferir euros, dólares e outras divisas eletronicamente, sem necessidade de passar pelos bancos, algo que fará com que aquela vantagem das criptomoedas desapareça.

O Nobel da Economia de 2007 falava à margem da 11.ª edição do Encontro UECE Lisbon Meetings in Game Theory and Applications, um evento anual que reúne os principais estudiosos que realizam investigações teóricas ou aplicadas no campo da teoria dos jogos, e que decorreu no ISEG entre os dias 07 e 09 de novembro.

Na entrevista à Lusa, o economista norte-americano sublinhou que o mais grave é que as criptomoedas “interferem com a política monetária“.

“Uma função importante que os governos das economias modernas desempenham é usar a chamada política monetária anticíclica para expandir a oferta monetária quando existe uma recessão ou perigo de recessão e reduzir a oferta monetária quando a economia está em risco de ‘sobreaquecimento’, e, se as pessoas usam criptomoedas, isso interfere na política monetária”, explicou.

Erik Maskin adiantou que não há forma de os governos controlarem a circulação de Bitcoin, por exemplo, e partilhou um desejo: “A minha esperança é que a moda das criptomoedas desapareça“. Manifestando-se “contra as criptomoedas”, o economista norte-americano admitiu que “existem vantagens da tecnologia de ‘blockchain’ [tecnologia que permite guardar dados de forma descentralizada] quando não se insiste no anonimato”.

Eric Maskin frisou que o anonimato pode ser uma vantagem, mas também pode fazer com que a tecnologia seja usada para fins ilegais, como lavagem de dinheiro e outras transações ilícitas. Já “quando se sabe quem são os outros agentes, esses riscos não existem”, disse.

Questionado sobre quando poderá haver uma nova recessão, que tem sido antecipada em várias ‘polls’ de economistas, o economista norte-americano respondeu que “nos próximos 20 anos haverá certamente uma recessão“.

“Isso posso dizer com confiança. Mas se um economista disser que isso vai acontecer no próximo ano, não acredite”, referiu na entrevista à Lusa, acrescentando que “não é algo previsível, os economistas não sabem quando ocorrerá e se disserem que sabem, não estão a dizer a verdade”.

Relativamente aos efeitos negativos sobre a economia mundial decorrentes da guerra comercial entre os Estados Unidos e a China, as consequências do Brexit e a desaceleração industrial norte-americana, Eric Maskin referiu que todos estes fatores já se verificam “há algum tempo e ainda não provocaram uma recessão“.

Convidado a comentar a performance da economia portuguesa nos últimos anos, o Nobel da Economia de 2007 escusou-se a fazer qualquer apreciação, alegando não se “sentir um especialista na matéria”. Contudo, quando questionado sobre como pode uma pequena economia muito aberta ao exterior, como é o caso da economia portuguesa, proteger-se de riscos internacionais, Eric Maskin apontou a importância da diversificação.

“Uma coisa que podemos aprender com economias que eram pequenas e cresceram dramaticamente é que a diversificação é uma proteção contra riscos internacionais”, disse.

Eric Maskin referiu que, no caso da economia chinesa, “que é muito grande agora, mas há 40 anos era pequena”, uma forma de ter conseguido crescer foi “fazer um bom uso dos mercados internacionais”, o que referiu ter sido “a chave do sucesso”, assim como a “produção de uma grande variedade de produtos para o mercado internacional”.

“Eles não se concentraram apenas numa área. O facto de assegurarem a venda de muitos produtos diferentes em vez de apenas alguns foi uma garantia importante“, salientou o economista.

Eric Maskin ganhou o Prémio Nobel da Economia em 2007, juntamente com Leonid Hurwicz e Roger B. Myerson, pelo trabalho nas bases da teoria do desenho de mecanismos, um ramo da teoria dos jogos que analisa casos em que os agentes económicos têm informação privada e a utilizam de forma estratégica.

Aquela formulação teórica permite distinguir se os mercados funcionam bem ou não e ajudou os economistas a conceber mecanismos de mercado, como os leilões, e propor formas de regulação de mercado e procedimentos de votação com as propriedades desejadas.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Casal separado após sobreviver a Auschwitz reencontra-se 72 anos depois em Nova Iorque

Em 1944, David Wisnia e Helen "Zippi" Spitzer eram dois prisioneiros judeus e secretamente namorados que, miraculosamente, conseguiram sobreviver ao campo de concentração nazi Auschwitz, na Polónia. Porém, no final da guerra, foram separados depois de …

Benfica 4-0 Famalicão | Pizzi entrega saco cheio de Natal

O Benfica terminou o seu ano de Liga NOS com mais uma vitória, de novo por 4-0, tal como havia acontecido na anterior partida no Estádio da Luz, ante o Marítimo. Desta vez frente ao …

Morreu o ator Danny Aiello

Morreu esta quinta-feira, em Nova Jérsia, o ator Danny Aiello, que recordamos pelos seus muitos êxitos dos anos 80. Tinha 86 anos. "É com profunda dor que comunicamos que Danny Aiello, amado marido, pai, avô, ator …

Videojogo chinês incita jogadores a atacar os "traidores" em Hong Kong

Há um novo videojogo que está a ganhar popularidade na China. Chama-se "Fight the Traitors Together" e permite que os jogadores ataquem manifestantes de Hong Kong. No jogo, os jogadores podem bater nos manifestantes pró-democracia, sendo …

Mundial de Clubes proíbe demonstrações públicas de afeto

Começou na passada quarta-feira, dia 11 de dezembro, em Doha, capital do Catar, o Mundial de Clubes da FIFA, prova onde estão inseridos clubes como Flamengo e Liverpool. E esta até poderia ser mais uma …

Al Gore diz ser o maior fã de Greta Thunberg

Al Gore, antigo vice-presidente de Barack Obama e autor do documentário ambiental "Uma verdade inconveniente", elogiou esta semana o trabalho desenvolvido pela ativista sueca Greta Thunberg, dizendo ser o seu maior fã. "Sou o seu …

A água é comum nos mundos extraterrestres (mas surpreendentemente mais escassa do que se esperava)

A presença de água em exoplanetas é comum, mas surpreendentemente mais escassa do que se esperava, concluiu uma nova investigação levada a cabo por cientistas da Universidade de Cambridge, no Reino Unido. Para chegar a …

"Encontrei a minha alma gémea". Presidente do Flamengo disposto a (quase) tudo para segurar Jesus

O presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, ficou encantado com Jorge Jesus logo quando o conheceu. É o que o dirigente diz numa entrevista, onde admite que encontrou a sua "alma gémea", não revelando dados sobre …

COP25: uma traição ao Acordo de Paris "e às pessoas em todo o mundo"

Organizações não governamentais ambientalistas consideraram que os projetos de resolução que a cimeira do clima da ONU tem para aprovar são "uma traição" do Acordo de Paris e dos milhões de pessoas que sofrem com …

Governo admite novo aumento extra das pensões (com a simpatia das Finanças e de olho na geringonça)

O Governo está a equacionar um novo aumento extraordinário das pensões no âmbito da preparação da proposta de Orçamento do Estado para 2020 (OE2020). A medida agrada a PCP e Bloco de Esquerda e terá …