Abandonadas durante décadas, as “crianças do Gulag” da Rússia lutam para voltar para casa

Cerca de 1.500 crianças nascidas dentro dos Gulag estão há uma década a lutar pela compensação que a lei russa garante aos descendentes de vítimas da repressão da era soviética.

De acordo com o The Moscow Times, Galina Yanchikova, de 65 anos, é uma dessas 1.500 crianças que nasceram dentro dos Gulag, filhas de pessoas que se opunham ao regime de Estaline na União Soviética, e que estão há uma década a lutar pela compensação que a lei russa garante aos descendentes de vítimas da repressão.

Agora, uma batalha legislativa no Parlamento da Rússia pode concretizar – ou destruir – as esperanças do grupo cada vez menor de “Crianças do Gulag”.

Uma das primeiras lembranças de Galina é a de brincar com os pés do avô aos três anos: Foi a última vez que o viu antes de ele deixar o exílio no Cazaquistão para tentar regressar a Moscovo.

O ativista marxista e académico Friedrich Bauermeister deixou a Alemanha com a sua família em 1934 e recebeu um apartamento no centro de Moscovo e um emprego como professor, antes de ser deportado para o Cazaquistão juntamente com o resto da população alemã da Rússia sete anos depois, quando Hitler invadiu a União Soviética.

“Não consigo viver aqui mais tempo. Estou a envelhecer e é difícil lidar com isso sozinha no inverno”, disse Yanchikova, que vive sozinha na vila de Dubovka, 230 quilómetros a sul de Moscovo, desde que o seu marido morreu no ano passado.

Bauermeister esperava regressar a Moscovo para retomar a sua antiga vida quando os presos do Gulag fossem libertados e as restrições aos povos deportados fossem levantadas após a morte de Estaline em 1953.

No entanto, com os prisioneiros impedidos de chegar a 100 quilómetros da capital soviética, as suas esperanças foram destruídas e tornou-se diretor do museu local numa pequena cidade na região de Tver, onde morreu em 1978.

Para os alemães que permaneceram no Cazaquistão, o fim da União Soviética oferecia uma oportunidade de liberdade, já que a Alemanha prometeu cidadania aos aspirantes. Mas, para evitar a discriminação, a mãe de Galina colocou a sua nacionalidade russa em documentos oficiais, fazendo com que a sua família não recebesse cidadania alemã.

Em vez disso, atraída pela promessa de empregos nas minas de carvão, a família de Galina comprou uma casa abandonada em Dubovka, uma aldeia mineira perto da cidade de Tula, que se despovoou drasticamente após o desastre nuclear de Chernobyl em 1986.

“Quando viemos para cá, tivemos que começar as nossas vidas do zero”, disse Galina, que passou os seus primeiros anos em Dubovka a consertar a nova casa. “Tudo o que temos aqui construímos com as nossas próprias mãos.”

Galina pode regressar a Moscovo?

Em teoria, sim. Em 1991, com o colapso da URSS, o governo soviético aprovou uma lei, reconhecendo pela primeira vez todas as vítimas das repressões da era Estaline e permitindo que reivindicassem uma compensação pelas suas casas confiscadas.

Como Galina nasceu num chamado “Acordo Especial” nos últimos anos de exílio forçado e a sua família guardou cuidadosamente os comprovativos de aluguer de Bauermeister em Moscovo durante 80 anos, Galina tinha legalmente direito a uma moradia social na capital russa.

Em 2010, deu início a uma série de processos judiciais contra as autoridades de Moscovo, gastando vários milhares de dólares com advogados para ter apenas o estatuto de vítima do Gulag reconhecido, mas os pedidos de restituição foram rejeitados.

De acordo com ativistas, a compensação material sempre foi mais ficção legal do que realidade financeira. “Na década de 1990, os recursos do estado eram tão sobrecarregados que, na prática, ninguém recebeu a compensação que deveria ter recebido”, disse Grigory Vaypan, advogado e ativista que representa os sobreviventes do Gulag.

Em 2004, uma nova lei sobre compensação transferiu a responsabilidade financeira para governos regionais, que tinham pouca capacidade real de fornecer restituições.

A compensação dos sobreviventes do Gulag foi desprezada e as vítimas foram adicionadas às listas de espera de habitação social amplamente sobrecarregadas da Rússia.

Atualmente com cerca de 51 mil pessoas à sua frente, Galina pode esperar entre 25 e 30 anos para receber uma.

Durante mais de uma década, a relutância do Estado em tocar na questão dos sobreviventes do Gulag permaneceu incontestada. No entanto, em 2019, o Tribunal Constitucional da Rússia decidiu a favor de três “crianças Gulag”, numa decisão-surpresa que sustentou o seu direito de priorizar os pedidos de habitação.

A decisão desencadeou uma rara batalha legislativa no parlamento da Rússia. Depois de o Governo ter apresentado um projeto de lei que faria mudanças “cosméticas” e deixaria o sistema praticamente inalterado, um grupo de deputados multipartidários patrocinou uma série de emendas que apoiariam a decisão judicial, acelerando os pedidos de casa das “crianças do Gulag”, a serem pagos para fora do orçamento federal.

No entanto, com as eleições potencialmente difíceis em setembro, é possível que a questão da compensação seja removida do calendário legislativo em favor de outros projetos de lei.

Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Disto não se gaba o PCP fiel aluno do regime comunista russo, mas que por cá se mascara de libertador do povo português, apenas com o objetivo de nos submeter a uma das mais ferozes ditaduras que a humanidade conhece.

    • O PCP não foi lá grande aluno, porque no PCP há quem nem sequer saiba o que foram os gulag!!
      “Comunista desconhece os ‘gulags’
      Rita Rato tem 26 anos e é uma das deputadas do PCP mais mediatizadas nos primeiros meses de mandato, tendência que deve continuar em 2010. Eleita pelo círculo de Lisboa, esta licenciada em Ciência Política e Relações Internacionais pela Universidade Nova esteve na base de uma polémica quando em Outubro disse desconhecer o que eram os gulags. Entrou no partido através da JCP, à qual sentiu necessidade de aderir quando, em 2001, incursou no ensino superior e conviveu com a escalada das propinas e as fragilidades da acção social.”
      dn.pt, 2 Janeiro 2010

      • Essa poderá não saber, mas provavelmente nem quer saber! Ali a mentalidade das pessoas é trabalhada ao ponto de cada um deixar de pensar e atuar por conta própria, portanto ela não poderá negar nem ignorar isso. Ainda não vi até hoje algum comunista condenar abertamente o regime soviético!

        • Pois pode nem saber e, isso é muito grave!…
          Já eu, condeno frontalmente o regime soviético (e todo os outros regimes dictatoriais) e, mesmo assim, há quem me chame comunista!..

          • Pois, essa de por vezes ser considerado de comunista não será culpa dos outros, mas sua certamente, pois como a Ana Gomes parece por vezes dar uma, no cravo outra na ferradura, desculpe a minha opinião, mas é o que vou notando por vezes nos seus comentários, portanto terá que assumir as críticas.

RESPONDER

Plano para desativar centros de vacinação "está a ser desenhado"

Desmobilização deverá acontecer quando 85% da população estiver dispor do esquema vacinal contra a covid-19 completo. A task-force que coordena o programa de vacinas contra a covid-19 anunciou hoje que “está a ser desenhado um plano” …

Portugal começa a administrar vacina da gripe a 4 de Outubro

Portugal comprou 2,2 milhões de doses da vacina contra a gripe. Os grupos prioritários incluem profissionais de saúde, idosos e doentes crónicos. Numa entrevista ao Público, Graça Freitas avança que as 2,2 milhões de doses da …

PSP vai participar ao Ministério Público insultos de negacionistas a Ferro Rodrigues

A Polícia de Segurança Pública (PSP) vai participar ao Ministério Público (MP) os insultos proferidos no sábado contra o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, por um grupo de negacionistas da covid-19, disse esta …

Sporting apresenta queixa contra Pepe na Comissão de Instrutores da Liga

Em causa está um lance aos 32 minutos entre o defesa central do Porto e Sebastián Coates, em que o Sporting acusa Pepe de ter agredido o capitão leonino. Os leões avançaram com uma queixa para …

TAP reforça oferta para 80% dos níveis pré-pandemia

A oferta de lugares da TAP no inverno IATA, que começa no final de outubro e decorre até 26 de março de 2022, vai subir para 80% do que era antes da pandemia, em 2019. A …

Novo surto levanta dúvidas sobre quarentena de 21 dias na China

Um homem que completou 21 dias de quarentena obrigatória ao retornar do exterior para a China foi identificado como a provável fonte de um novo surto, infetando mais de 60 pessoas, incluindo 15 estudantes do …

Meta do Bloco de Esquerda nas autárquicas é "ter mais força"

A coordenadora do Bloco de esquerda (BE) traçou esta segunda-feira o objetivo de "ter mais força" nestas autárquicas, mas sem quantificar metas, considerando que mesmo quem não concorda com tudo o que defendem os bloquistas, …

Algo vai mal no Palmeiras de Abel: mais tempo, piores resultados

A Libertadores concentra as atenções dos jogadores e dos adeptos mas, entretanto, a liderança do Brasileirão fugiu. O Palmeiras estava numa fase excelente há pouco tempo. No final de Julho completou uma série de nove vitórias …

No GP de Itália, Monza pintou-se de papaia e o halo voltou a salvar uma vida

Resultado do Ricciardo e Norris (P1 e P2) é o melhor da Mclaren desde 2010. Acidente de Max Verstappen e Lewis Hamilton, os grandes candidatos ao título do mundial de pilotos, foi um dos assuntos …

Mais 458 casos e cinco mortes. Portugal tem mais de um milhão de recuperados de covid

Portugal registou mais 458 novos casos e cinco mortes por covid-19 nas últimas 24 horas, segundo os dados da Direcção-Geral da Saúde. Desde Junho que o país não tinha um número de novos casos tão …