/

Racismo. UEFA só deixou entrar crianças no estádio (e apuparam Glen Kamara o jogo todo)

2

Martin Divisek / EPA

Apenas foi permitida a entrada a 10 mil crianças no estádio para o jogo entre Sparta de Praga e Rangers. Glen Kamara foi apupado cada vez que tocava na bola.

Em agosto, na 3.ª pré-eliminatória de acesso à Liga dos Campeões, os adeptos do Sparta de Praga insultaram racialmente Aurélien Tchouameni, jogador do Mónaco, durante todo o jogo.

Como tal, a UEFA decretou que o jogo frente ao Rangers, esta quinta-feira, fosse disputado com as bancadas vazias. No entanto, abriu uma exceção: foi autorizada a entrada de 10 mil crianças com menos de 14 anos, acompanhadas por tutores.

“Devido à punição pelo comportamento racista de alguns dos nossos adeptos durante a partida em casa contra o Mónaco, não é permitida a entrada de adultos no estádio”, anunciou o clube em comunicado.

O que não se esperava era que as crianças fossem seguir o exemplo dos mais velhos. Cada vez que Glen Kamara, médio finlandês do Rangers, tinha a bola nos pés, as crianças apupavam-no. A situação foi descrita por Jordan Campbell, jornalista do The Athletic.

Kamara já tinha estado envolvido num incidente com uma equipa checa recentemente. Num jogo entre o Slavia de Praga e o Rangers, Ondrej Kudela proferiu insultos racistas ao futebolista. O jogador checo foi, entretanto, suspenso por dez jogos.

Barry Anderson, jornalista do The Scotsman e do Edinburgh News, que estava presente no estádio, disse que nunca assistiu a algo tão lamentável no futebol.

“Não consigo lembrar-me de uma visão/som mais lamentável no futebol europeu ultimamente do que milhares de crianças checas a vaiar cada toque de Glen Kamara pelo Rangers contra o Sparta de Praga. Dentro de um estádio que deveria ser fechado pela UEFA por causa do racismo dos adeptos. Terrível”, escreveu na sua conta do Twitter.

A partida acabou mais cedo para Glen Kamara, que foi expulso aos 74 minutos após ter acertado com o cotovelo na cara de um adversário.

“Tem de haver um certo grau de simpatia por Glen Kamara. Cada toque esta noite — e pode ser um estádio cheio de crianças, mas essa mensagem vem de algum sítio — e cada toque esta noite foi vaiado”, disse o comentador da BT Sport após a expulsão.

Aamer Anwar, advogado de Glen Kamara, considera “vergonhoso” que 10.000 crianças tenham sido permitidas no estádio.

“Eu esperava que quando ouvi falar da restrição de público no estádio do Sparta de Praga, o Glen e os outros jogadores negros não tivessem de tolerar nenhum abuso ou racismo e pudessem apenas jogar futebol”, começou por dizer, citado pelo The Athletic.

“Mas esta tarde devia ser uma vergonha para a equipa checa, que apesar de os seus adeptos terem sido banidos, pouca diferença fez que o estádio estivesse com 10 mil crianças”, acrescentou.

O advogado realçou ainda a “classe total” de Glen Kamara e dos jogadores do Rangers que tiveram de enfrentar isto.

O treinador do Rangers, Steven Gerrard diz-se desiludido, mas que não é algo que o surpreenda.

“Não me apercebi [dos apupos] porque estava concentrado no jogo. Se aconteceu de facto estou extremamente desiludido, embora não surpreendido”, disse o ex-internacional inglês.

  Daniel Costa, ZAP //

2 Comments

  1. Com esta do racismo, ainda vão acabar os estádios sem espectadores! Tenham juízo, racismo haverá sempre enquanto alguns negros sentirem vergonha pela sua cor! Há grande Eusébio que não ligava a isso!

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE