Mais de 24 milhões de crianças expostas a conflitos precisam de apoio psicológico

Mais de 24 milhões de crianças, entre 142 milhões que vivem em zonas de conflito de “elevada intensidade”, precisarão de apoio psicológico, alertou hoje a organização Save the Children, pedindo um aumento dos recursos agora “insuficientes” para adquiri-lo.

Na apresentação do seu relatório intitulado “O caminho da recuperação: responder à saúde mental infantil em contextos de conflito” em Bilbau, Espanha, esta organização não-governamental (ONG) disse que um dos assuntos “esquecidos” quando se aborda as guerras é a saúde mental das crianças expostas aos conflitos.

A Save the Children evidenciou que desde 2010 o número de crianças que vivem em zonas de conflito aumentou 37%.

Já o número de violações graves dos direitos daqueles que foram vítimas, nomeadamente assassínios e mutilações, recrutamento para integrar forças armadas e violência sexual, aumentou em 174%.

O diretor de Programas Internacionais e Humanitários da Save the Children, David del Campo, salientou que as guerras estão a mudar e são cada vez mais sangrentas, incluindo como estratégia os danos às crianças “de forma planeada”.

A título de exemplo, Del Campo explicou que há intencionalidade na destruição ou desativação de 2.200 escolas na Síria e que “não é por acaso” que no Iémen mais de 400.000 crianças sofrem de desnutrição “grave”, devido a “um bloqueio humanitário para prejudicar a população civil”.

Del Campo afirmou que, nesses contextos, os danos na saúde mental dos menores são “invisíveis”.

O relatório da Save the Children incluiu alguns depoimentos destas crianças expostas em zonas de conflitos.

Em 2017, segundo esta ONG, cerca de 173.800 crianças foram deixadas sozinhas ou separadas das suas famílias devido aos conflitos armados e mais de 8.000 foram sequestradas, recrutadas e usadas nas forças armadas.

O representante da ONG sublinhou que, devido ao “‘stress’ tóxico” que podem sofrer, essas crianças reagem de maneiras diferentes: “crianças de 14 anos – por exemplo – recuam dez anos e começam a urinar, não dormem à noite”, sofrem “pânico, psicose…”.

Perante isso, a Save the Children denunciou que os recursos são insuficientes para atenuar esse problema.

Segundo a sua análise, apenas 0,14% de toda a ajuda oficial ao desenvolvimento entre 2015 e 2017 foi para assistência à saúde mental infantil.

A organização solicitou que a Assembleia-Geral das Nações Unidas (ONU) deste mês inclua este assunto na sua agenda, considerando que representa uma oportunidade para os países envolvidos alcançarem um aumento do financiamento para o apoio psicológico a essas crianças.

Esta ONG também pede que promovam a criação de um curso de formação em saúde mental para apoiar essas crianças, perante a escassez de especialistas existentes.

“Agora, na Síria, para seis milhões de crianças menores de 18 anos deslocadas, existem 15 a 20 psiquiatras disponíveis”, referiu Del Campo.

O relatório citado inclui recomendações à comunidade internacional para que continue a trabalhar em favor de que as escolas em zonas de conflito sejam espaços seguros e não alvos militares, que suspenda a venda de armas a países em conflito e que exija responsabilidade aos autores de violações contra crianças.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

"Covid persistente" atinge cerca de 20% dos curados (mas não recuperados)

Um novo estudo britânico indica que vários pacientes podem apresentar sintomas e sequelas durante vários meses, mesmo depois de testarem negativo. Os casos de “covid persistente” afetam maioritariamente mulheres e idosos. Há ainda muito por descobrir …

Acuña já é destaque em Espanha: "Não é bom nos 100 metros, mas..."

O ex-jogador do Sporting será uma referência para Lopetegui e já demonstrou um grande nível no jogo da Liga dos Campeões contra o Rennes. Marcos Acuña chegou a Sevilha há um mês e meio mas começa …

Portagens devem manter preços em 2021

Os preços das portagens nas autoestradas deverão voltar a manter-se em 2021, a confirmar-se a estimativa da taxa de inflação homóloga, sem habitação, de -0,18% em outubro, divulgada pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). A fórmula …

Governo estuda novo confinamento total nas duas primeiras semanas de dezembro

O Governo está a ponderar decretar um novo confinamento total da população portuguesa nas duas primeiras semanas de dezembro. A notícia foi avançada esta sexta-feira pela TVI e, entretanto, confirmada por outros órgãos de informação. O …

Pelo menos 140 pessoas afogam-se no naufrágio mais mortal de 2020

Pelo menos 140 migrantes morreram afogados ao largo da costa senegalesa depois de a embarcação em que seguiam se ter incendiado e naufragado, avançou a Organização Internacional para as Migrações (OIM). O barco transportava 200 pessoas …

Nélson Évora terminou contrato com o Sporting

Nelson Évora, campeão olímpico do triplo salto nos Jogos Olímpicos Pequim2008, vai deixar o Sporting após o fim do contrato com o clube, no sábado, confirmou à "Lusa" fonte oficial do Sporting, esta sexta-feira. O atleta, …

Nova Zelândia aprova eutanásia. Mas rejeita legalização da marijuana

Os neozelandeses aprovaram a eutanásia voluntária, mas rejeitaram a legalização da marijuana para uso recreativo, em dois referendos realizados em 17 de outubro, anunciou esta sexta-feira a Comissão Eleitoral. Cerca de 65,2% dos neozelandeses votaram a …

Governo pondera novas medidas de apoio ao emprego e empresas

O Governo está a ponderar novas medidas de apoio ao emprego e às empresas em resposta ao agravamento da pandemia de covid-19, disse hoje o ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro …

Cova da Piedade não joga: "Prefiro perder três pontos do que alguém perder a vida"

O jogo entre Estoril e Cova da Piedade, como se esperava, não vai ser realizado e deverão ser atribuídos três pontos ao Estoril. Diretor do Cova da Piedade não poupa nas críticas. Mais uma partida da …

Investigadores descobrem porque há pessoas infetadas sem sintomas de covid-19

Investigadores do hospital universitário de Aarhus, na Dinamarca, descobriram que algumas pessoas infetadas com o novo coronavírus não desenvolvem sintomas porque este poder ocultar o seu genoma para não ser reconhecido. Como noticiou esta sexta-feira o …