Criados embriões só com células estaminais e implantados com sucesso

(dr) Nicolas Rivron

Dois bastóides, embriões sintéticos criados em laboratório a partir de células estaminais

Cientistas holandeses criaram em laboratório embriões sintéticos na fase de blastocisto a partir de células estaminais de ratinhos.

Pela primeira vez, uma equipa de cientistas holandeses criou embriões de ratos de laboratório, utilizando células estaminais em vez de células sexuais. Os chamados blastóides podem ser obtidos em grande número e, assim, ajudar a compreender a formação da placenta ou como o embrião se implanta no útero.

O principal objetivo dos cientistas é entender por que motivo existem tantas gravidezes que falham nos primeiros tempos de gestação, principalmente durante ou pouco depois da implantação no útero.

Fora do laboratório, ou seja, no mundo natural, quando o espermatozoide fertiliza um ovócito forma um zigoto, um embrião constituído por apenas uma célula. Posteriormente, o zigoto divide-se noutras idênticas. A certa altura, o novo ser parece uma esfera oca com cerca de 100 células e é nesta fase que passa a chamar-se blastocisto.

De acordo com o Público, o blastocisto tem dois tipos de células estaminais: as células do pluriblasto e as do trofoblasto. As primeiras, que estão dentro do blastocisto, são células estaminais embrionárias pluripontentes, que dão origem a todos os tipos celulares do organismo. Já as células do trofoblasto fazem parte da camada externa de células do blastocisto e contribuem para a formação da placenta.

(dr) Nicolas Rivron

Blastóide: as células verdes iriam originar a placenta e as castanhas o feto

A equipa de cientistas desenvolveu durante vários anos este modelo da fase inicial do embrião, no laboratório de Nicolas Rivron, do Instituto de Medicina Regenerativa Inspirada na Tecnologia da Universidade de Maastricht, que liderou a equipa.

Num processo que, à primeira vista, parece simples, os cientistas combinaram células estaminais pluriblasto e células estaminais do trofoblasto de ratos num pratinho de laboratório.

Estes dois tipos de células estaminais embrionárias permitiram formar uma estrutura com três dias e meio, tal como se fosse um blastocisto. “Chamámos a esses embriões sintéticos ‘blastóides’, que significa ‘como o blastocisto'”, explica Rivron ao jornal.

Numa fase posterior da experiência, o blastóide foi implantado no útero de um ratinho fêmea. As células do pluriblasto deram instruções às células do trofoblasto como se deviam organizar e implantar-se no útero e foi assim que se formou uma espécie de casulo que envolveu o embrião.

“O blastóide proliferou, alongou-se e formou tipos de células específicos, incluindo células que atraem e se misturam com os vasos sanguíneos da mãe ratinho. Isto mostrou que a gravidez se iniciou”, explica o cientista.

O resultado é um modelo de cultura celular, pelo que o embrião não evolui para um estado mais avançado. Ainda assim, apesar de não ser a primeira vez que cientistas conseguem criar blastocistos em laboratório sem juntar óvulos e espermatozoides, esta e a primeira vez que o conseguem fazer juntando dois tipos de células estaminais.

Além disso, é também a primeira vez que uma equipa consegue ver esses embriões implantarem-se com sucesso no útero de uma fêmea.

“Foi difícil descobrir as condições iniciais que desencadeiam a ‘conversa’ entre células estaminais”, explica Rivron. Para resolver este problema, o laboratório teve de testar várias combinações de moléculas. “Essas tentativas permitiram-nos descobrir o cocktail perfeito e desencadear o processo de auto-organização”, conclui.

Este avançou vai permitir estudar o embrião em grande detalhe e reduzir o uso de animais nas experiências. Além disso, a partir do blastóide irá ser possível compreender como os embriões se formam ou como resolver problemas de infertilidade, de contraceção ou de algumas doenças suscitadas por pequenos danos nas células do embrião, como a diabetes ou doenças cardiovasculares.

“Agora temos uma nova forma de estudar as fases iniciais do desenvolvimento embrionário e explorar a influência de fatores ambientais no desenvolvimento e em doenças”, afirma Niels Geijsen, do Instituto Hubrecht (Holanda) e um dos autores do estudo, publicado na Nature Communications.

Mesmo assim, Nicolas Rivron diz que ainda é muito cedo para se perceber todas as implicações do “poderoso” modelo de investigação.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

"Ato que nenhum fim pode justificar". Vaticano critica a aceitação mundial da eutanásia

Através de um novo documento, o Vaticano condenou a disseminação da aceitação internacional da eutanásia e do suicídio assistido, inclusive em alguns países tradicionalmente católicos da Europa. O Vaticano referiu no documento publicado hoje - e …

Facebook teme sair da Europa caso não possa transferir dados para os EUA

A Comissão de Proteção de Dados irlandesa propôs que os dados dos cidadãos europeus não possam sair do continente. O Facebook diz que não sabe como poderá continuar a prestar os seus serviços na Europa …

O guarda-redes do Chelsea é o melhor em quê? "Em cometer erros"

Kepa alvo de críticas fortes. Frank Lampard confirmou a chegada de mais um guarda-redes, proveniente de França. O Chelsea volta a ser notícia por causa do mercado e volta a ser notícia por causa de um …

Promotores assumem pela primeira vez que Trump pode ser investigado por fraude fiscal

O gabinete do procurador do distrito de Manhattan, que tem travado uma batalha legal com o Presidente dos Estados Unidos (EUA) para obter as suas declarações de impostos, sugeriu na segunda-feira, pela primeira vez, que podia …

Revelada causa da morte de 300 elefantes no Botsuana

O Governo do Botsuana anunciou, esta segunda-feira, que uma cianobactéria foi a causa da misteriosa morte de cerca de 300 elefantes no Botsuana em meados deste ano. A causa da morte dos paquidermes foi determinada após …

Cavani: brasileiros com milhões... mas pessimistas

O Grémio estabelece quatro parcerias para contratar o uruguaio. No entanto, a direção do clube não acredita que Cavani se vai mudar para Porto Alegre. "Na vida, se não conversas, nada sabes. Até pode surgir uma …

Ministério da Saúde indiano sem dados sobre médicos que morreram de covid-19. Associação fala em 382 óbitos

Depois de o Ministério da Saúde indiano ter afirmado esta semana que o não dispõe dos dados sobre os profissionais de saúde que morreram devido à covid-19, a Associação Médica do país publicou uma lista …

Chega apresenta proposta que prevê castração química para pedófilos

O projeto de revisão constitucional do Chega, entregue hoje no parlamento, prevê a remoção dos órgãos genitais a criminosos condenados por violação de menores, algo que em si mesmo encerra dúvidas de conformidade com a …

Fluminense: as derrotas pós-Evanilson e as quatro ausências de Fred

O reforço do FC Porto deixou a equipa brasileira que, desde essa transferência, contabiliza mais derrotas do que vitórias. A instabilidade de Fred não ajuda. Portugal continua mais atento ao Flamengo do que ao Fluminense, mesmo …

MP suíço pede 28 meses de prisão para presidente do PSG e 3 anos para Valcke

O Ministério Público suíço pediu, esta terça-feira, uma pena de 28 meses de prisão para Nasser Al-Khelaïfi, presidente do Paris Saint-Germain, e de três anos para Jérôme Valcke, antigo número dois da FIFA. Trata-se dos primeiros …