Crédito em moratórias “não é totalmente disparatado” (mas pode provocar “tsunami”)

António Cotrim / Lusa

Paulo Macedo, presidente da Comissão Executiva da Caixa Geral de Depósitos

O fim das moratórias bancárias pode provocar um ‘tsunami’ de crédito malparado, alerta o presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos, Paulo Macedo, salientando que é preciso que haja outros apoios para evitar esse cenário.

Depois de anos a limpar os balanços, poderá haver “novamente um aumento dos NPL [‘non performing loans’, ou seja, o crédito malparado]” na banca nacional, destacou Paulo Macedo durante o webinar “Investimento, Digitalização e Financiamento Verde: O Caso Português”, organizado pelo Banco de Portugal (BdP) e pelo Banco Europeu de Investimento (BEI).

“Em Portugal, com o fim das moratórias temos de nos assegurar que as empresas certas são apoiadas para não ter um ‘tsunami’ de NPL“, referiu.

O gestor apontou setores como o turismo, que estão praticamente paralisados desde o início da pandemia, e que diz necessitarem de um apoio adicional para conseguirem fazer face a estes encargos.

Ainda assim, o presidente da CGD destacou que as instituições bancárias desta vez “foram parte da solução, ao contrário do que aconteceu na crise anterior”, realçando que estavam preparados com capital e liquidez para fazer face à crise.

“Não podemos dizer que moratórias são um problema”

“Os bancos portugueses, em comparação com a sua posição em 2014, estão muito mais fortes”, considerou também o diretor da Autoridade Bancária Europeia (EBA, na sigla em inglês), Piers Haben, em entrevista ao Jornal de Negócios.

Entraram na crise muito mais capitalizados, com menos NPE [“non-performing exposure”]. Tinham uma maior experiência na gestão dos NPE” e, por isso, “estão numa situação muito melhor do que antes para também lidarem com o fim das moratórias”, analisou ainda Haben.

O volume de crédito português em moratórias é mais de um quinto dos empréstimos concedidos pela banca, mas esse valor “não é totalmente disparatado em comparação com outros países”, acrescentou ainda o dirigente da EBA.

“As moratórias foram desenhadas para ajudar as pessoas e não podemos dizer que as moratórias são um problema”, considerou também, notando que “o problema vai ser garantir que percebemos que clientes têm dificuldades”.

“O que é importante é que temos uma monitorização eficaz e uma relação eficaz [entre clientes e bancos]. Os testes de stress vão ajudar a perceber [onde estão os problemas]”, apontou Piers Haben ao Negócios.

“Se a moratória termina no final de Março ou mais tarde, o que é importante é que rapidamente se crie essa relação. Se os bancos têm a informação de que há problemas relativamente à capacidade de um cliente pagar – o critério de unlikely to pay – é importante que haja essa relação”, concluiu o diretor do EBA.

A entidade europeia tem uma perspetiva bem mais otimista do que alguns especialistas que alertam que o fim das moratórias, em março, é “pior do que uma bomba relógio” e que, mais tarde ou mais cedo, vai ter consequências negativas para a Banca.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Rio Ave 0 - 2 Sporting | Leão invicto com uma garra no “caneco”

O Sporting registou o 31º jogo consecutivo sem perder na Liga NOS. Na visita ao Rio Ave, os “leões” venceram o Rio Ave por 2-0 e estão muito perto de conquistar o ceptro de campeões …

Taylor's lança vinho do Porto produzido na vindima de 1896 (e custa uma pequena fortuna)

A Taylor's vai lançar um "raro" vinho do Porto produzido na vindima de 1896, na Região Demarcada do Douro, e que tem uma edição limitada de 1.700 decantadores de cristal, embalados numa luxuosa caixa de …

"Este calendário pode ser muito mais perigoso do que finalizar o campeonato"

Dois treinadores de equipas femininas de andebol analisaram a sucessão de jornadas duplas em fins-de-semana consecutivos. Diogo Guerra avisa: "Este calendário é uma irresponsabilidade enorme. Só espero que ninguém se aleije". A primeira divisão nacional feminina …

Mulher dá à luz nove bebés, mais dois do que mostraram as ecografias

Uma mulher de 25 anos deu à luz nove bebés, mais dois do que mostraram as várias ecografias realizadas ao longo da gravidez. O caso aconteceu no Mali. Este está a ser considerado um recorde mundial …

Andrea Bocelli dá dois concertos em Coimbra em 25 e 26 de junho

O tenor italiano Andrea Bocelli vai atuar no Estádio Cidade de Coimbra em 25 e 26 de junho, em dois concertos que contam com a participação da fadista Mariza. "Em cumprimento das normas de segurança e …

Califórnia vai ter o maior sistema de armazenamento de energia não hidrelétrica do mundo

A empresa canadiana Hydrostor, que fornece soluções de armazenamento de energia de longa duração, revelou esta semana que irá desenvolver 1.000 MW de CAES na Califórnia, de acordo com um comunicado. O CAES é um tipo …

Seis anos e mil milhões de links depois, cientistas concluem que a Internet está a crescer (e a encolher)

Uma equipa de investigadores analisou mil milhões de links ao longo de seis anos e concluiu que a Internet está tanto a crescer como a encolher. O mundo online está em constante expansão — sempre agregando …

Há estranhas rádios-fantasma na Rússia (e exploradores entraram numa delas)

Aos 14 anos, um jovem comprou um rádio de ondas curtas e estava a testá-lo quando encontrou a transmissão errada - uma rádio fantasma. Imagine que é um entusiasta da rádio, sozinho à noite, a trabalhar …

Dinheiro e refeições grátis. A Sérvia vai recompensar os cidadãos que forem vacinados

O Presidente da Sérvia, Aleksandar Vucic, anunciou esta quarta-feira que serão pagos 25 euros aos cidadãos já vacinados contra a covid-19 e aos que se vão vacinar até final de maio, uma iniciativa original no …

Ivã, o (não tão) Terrível. Aliado de Putin reescreve história para reabilitar reputação do primeiro czar da Rússia

Segundo um alto funcionário russo, Ivã, o Terrível, não era terrível e a sua reputação de tirano cruel é o resultado de uma campanha de difamação realizada pelo Ocidente no século XVI. Nikolai Patrushev, o poderoso …