Crédito em moratórias “não é totalmente disparatado” (mas pode provocar “tsunami”)

António Cotrim / Lusa

Paulo Macedo, presidente da Comissão Executiva da Caixa Geral de Depósitos

O fim das moratórias bancárias pode provocar um ‘tsunami’ de crédito malparado, alerta o presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos, Paulo Macedo, salientando que é preciso que haja outros apoios para evitar esse cenário.

Depois de anos a limpar os balanços, poderá haver “novamente um aumento dos NPL [‘non performing loans’, ou seja, o crédito malparado]” na banca nacional, destacou Paulo Macedo durante o webinar “Investimento, Digitalização e Financiamento Verde: O Caso Português”, organizado pelo Banco de Portugal (BdP) e pelo Banco Europeu de Investimento (BEI).

“Em Portugal, com o fim das moratórias temos de nos assegurar que as empresas certas são apoiadas para não ter um ‘tsunami’ de NPL“, referiu.

O gestor apontou setores como o turismo, que estão praticamente paralisados desde o início da pandemia, e que diz necessitarem de um apoio adicional para conseguirem fazer face a estes encargos.

Ainda assim, o presidente da CGD destacou que as instituições bancárias desta vez “foram parte da solução, ao contrário do que aconteceu na crise anterior”, realçando que estavam preparados com capital e liquidez para fazer face à crise.

“Não podemos dizer que moratórias são um problema”

“Os bancos portugueses, em comparação com a sua posição em 2014, estão muito mais fortes”, considerou também o diretor da Autoridade Bancária Europeia (EBA, na sigla em inglês), Piers Haben, em entrevista ao Jornal de Negócios.

Entraram na crise muito mais capitalizados, com menos NPE [“non-performing exposure”]. Tinham uma maior experiência na gestão dos NPE” e, por isso, “estão numa situação muito melhor do que antes para também lidarem com o fim das moratórias”, analisou ainda Haben.

O volume de crédito português em moratórias é mais de um quinto dos empréstimos concedidos pela banca, mas esse valor “não é totalmente disparatado em comparação com outros países”, acrescentou ainda o dirigente da EBA.

“As moratórias foram desenhadas para ajudar as pessoas e não podemos dizer que as moratórias são um problema”, considerou também, notando que “o problema vai ser garantir que percebemos que clientes têm dificuldades”.

“O que é importante é que temos uma monitorização eficaz e uma relação eficaz [entre clientes e bancos]. Os testes de stress vão ajudar a perceber [onde estão os problemas]”, apontou Piers Haben ao Negócios.

“Se a moratória termina no final de Março ou mais tarde, o que é importante é que rapidamente se crie essa relação. Se os bancos têm a informação de que há problemas relativamente à capacidade de um cliente pagar – o critério de unlikely to pay – é importante que haja essa relação”, concluiu o diretor do EBA.

A entidade europeia tem uma perspetiva bem mais otimista do que alguns especialistas que alertam que o fim das moratórias, em março, é “pior do que uma bomba relógio” e que, mais tarde ou mais cedo, vai ter consequências negativas para a Banca.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Centenas de pessoas protestam em Barcelona contra a prisão de Puigdemont em Itália

Centenas de pessoas reuniram-se próximo do consulado italiano em Barcelona em protesto contra a prisão de Carles Puigdemont. Centenas de pessoas reuniram-se esta sexta-feira próximo do consulado italiano em Barcelona, guardado por um forte dispositivo da …

Portugal com mais 9 mortes e 757 casos de covid-19

Portugal registou 757 novos casos e nove mortes na sequência da infeção por covid-19, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde. Segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde, Portugal registou, nas últimas …

EUA comprometem-se a tomar medidas concretas para resolver diferenças com França

Os Estados Unidos continuam a tentar resolver as diferenças com a França na sequência da crise dos submarinos, com o secretário de Estado a admitir que Washington terá de tomar medidas concretas para reconquistar a …

Portugueses suspeitos de violação em Espanha vão ser libertados

Depois de um recurso inicial ter sido rejeitado por perigo de fuga, um tribunal de instância superior aceitou o pedido de libertação dos dois portugueses que estavam em prisão preventiva desde Julho. Vão ser libertados esta …

Administração da insolvência defende a viabilização da Dielmar

As manifestações de interesse na compra da Dielmar devem ser apresentadas até à próxima segunda-feira. A assembleia de credores está marcada para 6 de Outubro. Segundo revela uma fonte próxima ao Jornal Económico, o administrador da …

FBI emite mandado de detenção a Brian Laundrie, namorado de Gabby Petito

O namorado de Gabby Petito desapareceu três dias depois da jovem também ter sido dada como desaparecida. O jovem de 23 anos está também a ser acusado de fraude bancária. O FBI emitiu esta quarta-feira um …

Cavidade gigante no espaço lança nova luz sobre a formação estelar

Astrónomos que analisaram mapas 3D das formas e tamanhos de nuvens moleculares próximas descobriram uma cavidade gigantesca no espaço. O vazio em forma de esfera, descrito na revista The Astrophysical Journal Letters, abrange cerca de 150 …

Professor que fazia vídeos obscenos foi suspenso

O Ministério da Educação suspendeu o professor de Economia e Direito da Escola Secundária Eça de Queirós, na Póvoa de Varzim, que terá um canal de YouTube com vídeos obscenos. O docente da Secundária Eça de …

Bolsonaro quis apostar caixa de uísque com Boris Johnson por “anticorpos”

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, revelou na quinta-feira que tentou "apostar uma caixa de uísque" com o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, alegando ter mais anticorpos para a covid-19 do que o britânico. A sugestão …

Sondagens, sondagens, sondagens. O que esperar da noite eleitoral

Para além do poder local, muito está em jogo nas próximas eleições autárquicas, com algumas direções nacionais a fazerem depender o seu futuro do resultado alcançado no domingo. Enquanto as urnas não abrem, uma ronda …