Cotrim acredita que IL chegará ao poder (e rejeita viabilizar “uma solução de tipo bloco central”)

Manuel de Almeida / Lusa

João Cotrim de Figueiredo, presidente recandidato da Iniciativa Liberal

O presidente recandidato da Iniciativa Liberal avisou, este sábado, que não viabilizará um bloco central depois das eleições legislativas, convicto que o partido será um dia “poder em Portugal”, um objetivo sem pressas e não a qualquer custo.

João Cotrim de Figueiredo, primeiro subscritor da única moção de estratégia global em discussão na VI Convenção Nacional da Iniciativa Liberal (IL), que decorre até este domingo em Lisboa, apresentou este documento estratégico durante cerca de 40 minutos aos membros do partido.

Em relação à estratégia de alianças para as eleições legislativas, o presidente recandidato começou por reafirmar que “não haverá acordos, nem pré nem pós eleitorais, com PS, PCP, BE e Chega”, mas deixou outro aviso.

“Não viabilizaremos uma solução de tipo bloco central”, declarou, justificando que esta decisão não é apenas “pelo argumento verdadeiro, mas já gasto de que um bloco central é uma maneira de fazer crescer os extremos do sistema”.

Para Cotrim de Figueiredo, se há coisa que é necessária ter no início de 2022, aquando das eleições legislativas de 30 de janeiro, “é clareza nas escolhas”.

“A menos que alguém esteja a pensar que, agora que vem aí uns baús de dinheiro durante alguns anos, que é boa altura para que o bloco central e o bloco dos interesses se voltem a juntar. Connosco não contam para isso“, reiterou.

O deputado único liberal deixou claro que o partido “tem como principal objetivo, mais tarde ou mais cedo, mudar o estado das coisas”, ou seja, “exercer o poder”.

“Não temos pressa, não tomaremos atalhos, não trocaremos convicções por cargos, mas seremos um dia poder em Portugal“, afirmou.

Garantindo que o partido não irá procurar esse poder “a todo o custo” nem trairá os valores da IL, Cotrim de Figueiredo deixou um apelo.

“Não podemos perder esta oportunidade, com as tais garantias que não vamos vender a alma ao diabo em circunstância nenhuma, mas é uma oportunidade. Não podemos perder esta oportunidade e para isso temos que nos mostrar preparados”.

Além de ter reafirmado os objetivos claros com os quais a IL se apresenta às legislativas – 4,5% dos votos e cinco deputados -, o presidente da Iniciativa Liberal apontou também metas já para as próximas legislativas da Madeira.

“Vamos chegar ao fim de 2023 com um liberal sentado no Parlamento da Madeira”, disse, assegurando que o partido irá em listas próprias.

A apresentação da moção passou por todos os eixos da mesma e não só as questões eleitorais, considerando João Cotrim de Figueiredo que “um partido de ideias não podia deixar de passar a oportunidade sem reafirmar as suas posições”

“Somos inegavelmente o partido de todos os liberais portugueses”, afirmou.

Para além de um partido político, a IL é, segundo o seu líder, um “movimento cultural, um movimento de contracultura” porque é necessário “desalojar ideias dominantes” e “inspirar o amor pela liberdade”.

“Sublinhamos aqui a nossa convicção profunda que é no indivíduo que reside a soberania política”, sublinhou, defendendo que a IL tem que “ser o partido liberal em toda a linha”.

Cotrim enfatizou ainda a ideia de que a IL não é “como os outros partidos”, avisando quem “acha que vai alimentar politiquice interna para benefício próprio” ou que este “é um bom sítio para fazer carreira” se deve desenganar.

Já durante a manhã, o liberal tinha referido que, “no poder ou na oposição, o voto mais útil é na Iniciativa Liberal”.

  // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE