Trabalhadora “castigada” a carregar a mesma palete todos os dias debaixo de 40 graus

Uma empresa corticeira de Santa Maria da Feira é acusada de “castigar” uma trabalhadora que, por ordem judicial, foi reintegrada após despedimento considerado ilegal, a carregar e descarregar sempre os mesmos sacos de rolhas, por vezes debaixo de temperaturas superiores a 40 graus.

A denúncia é feita pela Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP) que refere que, “por ‘castigo'”, a trabalhadora da Corticeira Fernando Couto, situada em Paços de Brandão, Santa Maria de Feira, “está a carregar e descarregar uma palete com os mesmos sacos todos os dias, desde o início de Maio”.

Não saio do mesmo sítio todo o dia. Carrego e descarrego a mesma palete com sacos de cinco mil rolhas mais de 30 vezes por dia, durante nove horas”, queixa-se a trabalhadora, Cristina Tavares, em declarações ao Jornal de Notícias (JN), lamentando que “ainda tem que os alinhar e colocar todos certinhos”.

“Sou sozinha e tenho um filho doente de 21 anos que preciso de alimentar”, diz ainda Cristina Tavares.

A CGTP reforça que, “com um filho diagnosticado com Síndrome de Asperger e sem outro rendimento que não o do seu trabalho, a trabalhadora não aceitou o despedimento ilegal de que foi vítima e recorreu ao tribunal, que lhe deu razão [ao não considerar válida a extinção do seu posto laboral] e obrigou a empresa a indemnizá-la e a reintegrá-la”.

Depois da decisão do Tribunal da Relação do Porto e da sua reintegração na empresa a 7 de Maio passado, “foi ‘condenada’ a um trabalho completamente improdutivo, a carregar e descarregar uma palete com os mesmos sacos de 15 a 20 quilos, ao sol, num ambiente com temperaturas às vezes superiores a 40 graus centígrados e no qual sofre de constantes hemorragias nasais“, refere a CGTP.

O caso chegou à intersindical através do Sindicato dos Operários Corticeiros do Norte que sublinha o facto de a corticeira ter sido distinguida com os prémios de PME Líder em 2014, e PME Excelência em 2015.

O Sindicato também refere que a empresa estará a cometer outras alegadas ilegalidades, sujeitando a trabalhadora a “constantes provocações verbais e comportamentos discricionários que atentam contra a sua dignidade”.

A trabalhadora terá sido “proibida de aceder às instalações sanitárias usadas pelos restantes funcionários”, tendo acesso “em exclusivo” a uma casa de banho “com tempo de uso controlado e sem o mínimo de privacidade, de tal modo que foi obrigada a levar de casa um pano preto para impedir a visibilidade para o interior”, sustenta ainda o Sindicato.

“Os demais funcionários da empresa foram ‘convidados’ a não falar com a trabalhadora e foi-lhe proibido utilizar o parque de estacionamento usado por todos os outros”, acrescenta a mesma estrutura.

A Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) já terá realizado “duas acções inspetivas” à corticeira e “elaborado auto por assédio moral“, mas, segundo o Sindicato, a empresa acha que “não deve obediência” nem a essa medida nem a decisões judiciais ou direitos constitucionais, legais e contratuais.

Empresa nega e PCP quer explicações do Governo

A empresa nega estas acusações e assegura que “é tudo falso”, conforme declarações do director financeiro, Vítor Martins, ao JN.

“Já encaminhamos o assunto para o nosso departamento jurídico”, acrescenta este responsável, notando que “há muita mentira pelo meio” e garantindo que a ACT referiu à empresa que o processo por assédio moral “estava arquivado”.

Entretanto, o PCP pede explicações ao Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social num requerimento onde as deputadas Rita Rato e Diana Ferreira falam do caso como uma “situação inaceitável e chocante de represália e vingança”, conforme transcreve o Diário de Notícias.

Os comunistas pedem ao Governo para revelar que “medidas urgentes” vai tomar “para garantir o cumprimento integral dos direitos desta trabalhadora”. Além disso, perguntam ao Executivo que tipo de supervisão tem feito “junto de empresas galardoadas com títulos de reconhecimento, mas que têm práticas laborais marcadas pela violação de direitos fundamentais”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

10 COMENTÁRIOS

  1. … são estes tristes espetáculos que demonstram o gabarito empresarial português e 95% das ditas empresas trabalham com o dinheiro de todos nós, lá com as ajudas dadas pelos nossos belos governantes tipo banqueiros.

    • Tinha de ver um burro generalizar. Caso o amigo não tenha reparado isto é notícia. E se o é, é porque não é uma prática habitual mas antes uma exceção à regra! Infelizmente quer do lado de entidades empregadoras quer do lado de trabalhadores há muito lixo. Mas ainda assim será sempre uma exceção. Também conheço muitos trabalhadores que, sob proteção da lei, pouco ou nada fazem e ainda gozam com os “patrões”.
      Este caso é uma vergonha, esta empresa e os seus responsáveis são uma vergonha para o empresariado e deveriam ser seriamente punidos. Até porque o seu comportamento, a ser verdadeiro, incorre em graves infrações do código de trabalho e mesmo do respeito mais basilar pela condição humana. As autoridades deverão atuar o quanto antes!

    • Sr pedro esteve ao sol em santa maria da feira durante o mes de agosto e estes e os primeiros dias de setembro???? suponho que não…

  2. CORTICEIRA FERNANDO COUTO em Santa Maria da Feira. É procurar na NET o número e entupir-lhes os telefones sempre que tiverem um tempo livre sem nada para fazer minha gente.

  3. Mas não são assim todas as grandes empresas multinacionais?!
    Ou agora a Nike ou a Adidas já estão preocupadas com as crianças famintas que trabalham sem condições para satisfazer o consumismo ocidental?!

  4. Para se ser empresário deveria haver uma formação específica para tal, há ainda quem se imagine ser dono disto tudo e não só apenas empresários, bastas às vezes ser-se encarregado de qualquer coisa para se ser pior que o patrão, temos disto tudo um pouco sobretudo derivado a má formação das pessoas em causa.

  5. São todos a mesma porcaria, patrões de meia tigela sem qualquer formação ou educação!Infelizmente a justiça em portugal como não existe só mesmo feita pelas próprias mãos!!!

  6. que seja 40 ou 36 de temperatura, se trabalha abaixo disso deve ser um mimo estar por la, enfim qualquer trabalhador tem direitos e não só obrigações..

RESPONDER

Há uma nova ameaça nas salas de aula e chama-se Fortnite

O jogo online mais popular do mundo, com mais de 200 milhões de utilizadores registados, encanta crianças cada vez mais novas. Numa escola primária do Montijo, as aulas passaram a decorrer de forma diferente por …

Empresa portuguesa quer produzir alface em câmaras frigoríficas (e podem ser levadas para Marte)

A empresa Grow to Green promete que vai produzir alimentos indoor. É possível gastar menos 98% de água na produção de alface, o que permite cultivá-lo diretamente no supermercado, no deserto ou, quem sabe um …

May rejeita novo referendo, apresenta Plano B do Brexit e pede ajuda à oposição

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, rejeitou esta segunda-feira convocar um segundo referendo sobre o Brexit e afirmou que espera voltar a debater com a União Europeia o controverso plano de salvaguarda elaborado para …

Porto vende 35 mil francesinhas por dia (e os turistas adoram)

O Porto vende pelo menos 35 mil francesinhas por dia nos mais de 700 cafés e restaurantes da cidade, o que significa que por mês há cerca de um milhão daquelas sanduíches especiais a serem …

China limita número de alpinistas autorizados a escalar Everest

O número total de alpinistas que tentam alcançar o topo do Everest, a 8.850 metros de altitude, a partir do norte, serão limitados a menos de 300, e a temporada de escalada será restringida à …

Rede francesa de solidariedade acolhe brasileiros que queiram fugir de Bolsonaro

Solidarité Brésil é o nome da iniciativa, lançada esta sexta-feira, em Paris, que tem como objetivo ajudar estudantes, artistas ou intelectuais que se sintam ameaçados no Brasil de Jair Bolsonaro. Podem ser estudantes, investigadores, artistas, professores, …

Todos os dias cinco portugueses tornam-se britânicos

Todos os dias, em média, cinco emigrantes portugueses tornam-se britânicos. Só entre janeiro de 2017 e setembro de 2018, 2.655 emigrantes no Reino Unido conseguiram obter cidadania britânica, número que supera o total de autorizações …

O maior encontro religioso do mundo leva 150 milhões de pessoas à Índia

Até 04 de março, são esperados na cidade indiana Allahabad cerca de 150 milhões de peregrinos, que buscam proteção e purificação nas águas que cruzam os rios sagrados Ganges, Yamuna e Saraswati, durante aquele que é …

Ciclistas indignados com anúncio que mostra bicicleta a ser abalroada

Um anúncio de publicidade do Continente em que um ciclista é abalroado por um automóvel está a gerar indignação. A Federação Portuguesa de Ciclismo já pediu a retirada do anúncio e apresentou queixa à Entidade …

Hoje, Wall Street parou. É dia de Martin Luther King Jr

Desde 1986 que se realiza, nos EUA, na terceira segunda-feira de janeiro, o dia de Martin Luther King Jr., um feriado federal. A bolsa de Nova York estará encerrada, assim como a maior parte das …