Corrida à exploração da Lua pode levar a um conflito mundial

A exploração lunar pode levar a um conflito mundial, caso os atores interessados não ajam agora, avisam os autores de um novo estudo.

Quando se trata da Lua, todos desejam o mesmo. Não no sentido de ter objetivos comuns, mas no sentido de que todos os atores visam os mesmos locais estratégicos. Isto porque, quer se queira fazer ciência ou ganhar dinheiro, é preciso coisas como água e luz.

Muitos países e empresas privadas têm planos ambiciosos para explorar ou minerar a Lua. Não será em algum ponto remoto no tempo, mas em breve -até mesmo nesta década. Num artigo publicado recentemente na revista Transactions of the Royal Society, os investigadores alertam que isto vai despertar tensão na Terra, a menos que encontremos maneiras de administrar a situação em breve.

Até agora, grande parte do debate sobre a exploração e mineração da Lua tem-se concentrado nas tensões entre agências estatais e o setor privado. Mas, na ótica dos autores, o desafio urgente surge devido recursos estratégicos limitados.

Locais importantes para a ciência também são importantes para a construção de infraestruturas por agências estatais ou utilizadores comerciais. Estes locais incluem “picos de luz eterna” (onde há luz solar quase constante e, portanto, acesso à energia) e crateras continuamente sombreadas nas regiões polares, onde há gelo.

Cada um deles é raro, e a combinação dos dois – gelo no chão da cratera e um estreito pico de luz eterna na borda da cratera – é um alvo valioso.

 

Os recursos estratégicos que não estão nas regiões polares tendem a estar concentrados em vez de uniformemente distribuídos. Tório e urânio, que poderiam ser usados como combustível radioativo, são encontrados juntos em 34 regiões com menos de 80 km de diâmetro. O ferro resultante de impactos de asteroides pode ser encontrado em territórios mais amplos, variando de 30 a 300 km de diâmetro, mas existem apenas cerca de 20 dessas áreas.

Estes materiais serão de interesse para aqueles que estão a tentar estabelecer infraestruturas na Lua e mais tarde têm como alvo Marte, bem como a exploração comercial ou ciência – por exemplo, a criação de arranjos telescópicos no outro lado lunar, longe do ruído crescente de comunicações humanas.

Como é que lidamos com o problema?

O Tratado do Espaço Sideral (1967) determina que “a exploração e o uso do espaço sideral devem ser realizados para o benefício e no interesse de todos os países e devem ser do domínio de toda a humanidade.” Os estados não podem reivindicar partes da Lua como propriedade, mas podem usá-las.

Alternativas propostas, como o Acordo da Lua (1979), são vistas como muito restritivas, exigindo uma estrutura formal de leis e um regime regulatório internacional ambicioso. Já os Acordos Artemis – um conjunto de diretrizes em torno do Programa Artemis para exploração tripulada da Lua – são percebidas como fortemente vinculadas ao programa dos EUA.

Na pior das hipóteses, esta falta de estrutura pode levar ao aumento das tensões na Terra. Mas também pode criar duplicação desnecessária de infraestruturas, com cada um a construir as suas próprias coisas. Isto aumentaria os custos para organizações individuais, que então teriam motivos para tentar recuperar de maneiras que poderiam comprometer as oportunidades para a ciência e o legado que deixaremos para as gerações futuras.

Os autores sugerem que um primeiro passo para a gestão dos recursos lunares será a criação de um acordo entre todos os atores. Isto deve ter como foco a natureza dos recursos em jogo, como os seus benefícios devem ser distribuídos e os piores cenários que procuram evitar. Por exemplo, os atores provavelmente precisarão de decidir se os picos de luz eterna devem ser administrados como um pedaço de um terreno de alto valor ou como um volume de produção de energia a ser compartilhado. Também pode valer a pena decidir caso a caso.

Outro desafio será promover o cumprimento do acordo. Para esse fim, os atores lunares fariam bem em construir instalações compartilhadas para funcionar como incentivos que podem ser retidos de atores ‘mal-comportados’.

PARTILHAR

RESPONDER

PAN acusa partidos de boicotarem ida de Rui Pinto à comissão do Novo Banco

André Silva fala em sucessivos adiamentos do agendamento da audição ao hacker, pedida pelo PAN, o que leva o deputado a referir “manobras e expedientes dilatórios”. Como recorda o Público, o PAN foi o único partido …

O vulcão em erupção na Islândia está agora à venda

O vulcão no sudoeste da Islândia, na Península de Reykjanes, que entrou em erupção no final de março, está agora à venda (e já há várias propostas em cima da mesa). De acordo com o jornal …

Após críticas, Cravinho garante que cartões de Antigo Combatente já estão a ser enviados

O Ministro da Defesa garantiu hoje que os cartões de Antigo Combatente já estão a ser produzidos e alguns já foram distribuídos aos beneficiários, assegurando que o processo vai continuar. João Gomes Cravinho abordou o tema …

Palácio onde Churchill nasceu muda nome do "Quarto Indiano" (para afastar polémica sobre ligações coloniais)

O Palácio de Blenheim mudou o nome da sua “Sala Indiana” para evitar polémica sobre ligações coloniais numa nova exposição sobre Winston Churchill. Uma exposição intitulada "O Grande Britânico" no local de nascimento do líder do …

militares a cantar hino do Sporting na parada

Exército investiga vídeo de militares a cantar hino do Sporting na parada

O vídeo que mostra recrutas de um quartel do Funchal, na Madeira, a entoar cânticos de apoio ao Sporting durante uma parada militar está a ser investigado pelo Exército. O episódio terá acontecido depois de …

Autoridade Marítima diz que multas nas praias ainda não podem ser aplicadas

A Autoridade Marítima Nacional explicou hoje que a fiscalização das praias se vai pautar pela sensibilização para o cumprimento das medidas de prevenção da covid-19, indicando que as coimas por incumprimento só podem ser aplicadas …

Trabalhadores das cantinas e refeitórios em greve na 2.ª feira por aumentos salariais

Os trabalhadores das cantinas, refeitórios, fábricas de refeições e bares concessionados vão estar em greve na segunda-feira, por aumentos salariais, segundo a Federação dos Sindicatos de Agricultura, Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo de Portugal (FESAHT). Além …

469 novos casos, 7 mortes e 386 recuperados em Portugal nas últimas 24 horas

Portugal registou, nas últimas 24 horas, sete mortes atribuídas à covid-19 e 469 novos casos de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2, segundo o boletim epidemiológico da Direção Geral da Saúde. O número de internamentos continua a descer. …

Limpeza, segurança e discrição. O Monte de Saint Michael procura um "rei" para o seu castelo

O Monte de Saint Michael, uma fortificação histórica na Cornualha, está a procura de um "rei". O trabalho inclui a responsabilidade pela segurança e proteção do castelo.  Abriram as inscrições para um "oficial do castelo" residente …

China cancela subidas ao Evereste por receio de casos vindos do Nepal

A China cancelou as permissões de escalar o Monte Evereste do seu lado do pico mais alto do mundo devido ao receio de importar casos de covid-19 do vizinho Nepal, noticiou a imprensa estatal. O encerramento …