Coreia do Sul retalia e retira Japão de lista preferencial de comércio

Pyongyang Press Corps / EPA

O Presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in,

No dia 2 de agosto, o Presidente da Coreia do Sul condenou a “decisão irresponsável” do Japão de eliminar Seul de uma lista de países que beneficiam de um tratamento preferencial em matéria comercial e ameaçou retaliar.

A Coreia do Sul decidiu retirar o Japão da sua lista de países que beneficiam de um tratamento preferencial em matéria comercial, após a mesma medida ter sido aplicada por Tóquio no início deste mês, anunciou o Governo sul-coreano.

O ministro do Comércio da Coreia do Sul, Sung Yun-mo, comunicou esta segunda-feira em conferência de imprensa que o país vai retirar o Japão da “lista branca” de 29 países devido a problemas nos controlos de exportação de materiais sensíveis.

As autoridades sul-coreanas não especificaram, contudo, quais os problemas que encontraram nesses materiais. A medida deverá entrar em vigor em setembro, adiantou Sung Yun-mo.

No dia 2 de agosto, o Presidente da Coreia do Sul condenou a “decisão irresponsável” do Japão de eliminar Seul de uma lista de países que beneficiam de um tratamento preferencial em matéria comercial e ameaçou retaliar.

“O Governo japonês é inteiramente responsável pelo que acontecerá em seguida”, sublinhou.

Tóquio anunciou que ia retirar a Coreia do Sul da lista de parceiros comerciais preferenciais, a partir de 28 de agosto próximo, por suspeitar que não foram aplicadas medidas de segurança suficientes no setor tecnológico, num novo agravamento da tensão entre os dois países.

A medida foi aprovada pelo conselho de ministros do executivo liderado por Shinzo Abe e alarga as limitações que Tóquio está a aplicar desde o início de julho passado aos materiais químicos básicos, que as empresas sul-coreanas compram para fabricar ecrãs e ‘microchips’ de memória.

Sobre a decisão, o ministro do Comércio japonês, Hiroshige Seko, sublinhou que perder o estatuto comercial preferencial significa apenas que o tratamento dado à Coreia do Sul passa a ser um tratamento regular, e que não deverá afetar as relações bilaterais.

Em vigor vai continuar a exigência de pedir aos exportadores japoneses licenças individuais para três materiais, usados na produção de semicondutores, ‘smartphones’ e outros aparelhos de alta tecnologia, o que desencadeou protestos violentos e boicotes na Coreia do Sul.

Desde 2004 que a Coreia do Sul detinha este estatuto comercial especial, o de “país branco”, juntamente com um grupo de 26 países, incluindo os Estados Unidos, o Reino Unido, a Argentina, a Alemanha e a Austrália.

Seko acrescentou que esta decisão era necessária para que o Japão pudesse fiscalizar as exportações por questões de segurança nacional e não pretendia ser uma retaliação à questão do trabalho sul-coreano durante a Segunda Guerra Mundial.

No final de 2018, o Supremo Tribunal sul-coreano determinou que as empresas japonesas presentes na Coreia do Sul tinham de pagar compensações a cidadãos coreanos, ou aos herdeiros, escravizados por aquelas companhias durante a Segunda Guerra Mundial.

Com base no tratado de 1965, o Japão, que colonizou a península coreana entre 1910 e 1945, entregou 300 milhões de dólares às vítimas, dinheiro que a ditadura militar de Park Chung-hee não fez chegar a todas, motivo que levou milhares de pessoas a denunciar recentemente a situação às autoridades sul-coreanas.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Violência policial é uma das principais causas de morte de jovens negros nos EUA

A violência policial é uma das principais causas de morte entre jovens nos Estados Unidos, com os negros a terem 2,5 vezes mais hipóteses de serem mortos do que os homens brancos. O estudo, publicado este …

A Volocopter apresenta o seu táxi voador mais potente (e já andou no ar)

https://vimeo.com/355573555 Desde 2013 a Volocopter tem vindo a aprimorar o seu projeto de táxi voador. Desta vez, o design é mais redondo, mais simples e mais potente. O Volocopter é uma aeronave 100% elétrica que os criadores …

Israel desenvolve terapia à base de ecstasy para tratar stress pós-traumático

O Ministério da Saúde israelita desenvolveu uma terapia à base de MDMA - o componente ativo da metanfetamina popularmente conhecida como 'ecstasy' - para tratar pessoas que sofrem de stress pós-traumático resistente. Num entrevista sobre a …

Quaresma de saída do Besiktas. "Presidente não me quer na equipa"

Revelação feita pelo jogador, no Instagram: "Acabei de ser informado pelo presidente do clube que ele não quer que eu continue a jogar na equipa. Estou a tentar encontrar solução para o meu futuro". O internacional …

O Dr. House português diz que 90% dos médicos só fazem "fantochadas"

É conhecido como o Dr. House português, numa referência à série televisiva norte-americana, pela forma como faz diagnósticos certeiros. E Vítor Brotas que trabalha no Hospital dos Capuchos, em Lisboa, admite que é "um médico …

Homem morre após ataque de vespas asiáticas. É a segunda morte por picadas de insecto em 2 dias

Um homem de 79 anos de idade morreu nesta sexta-feira em Oliveira do Bairro, Aveiro, após ter sido atacado por vespas asiáticas. Dois dias antes, outro homem de 50 anos faleceu na região da Beira …

Polícia antimotim dispersa manifestantes em Hong Kong com gás lacrimogéneo

A polícia antimotim de Hong Kong carregou hoje com gás lacrimogéneo sobre manifestantes que tinham erigido uma barricada no bairro de Kwun Tong, no Este da antiga colónia britânica. Embora os protestos tenham decorrido de forma …

Eleições. CDU vai manter campanha clássica, mas dispensa o "lombo assado"

O chefe do maior partido da Coligação Democrática Unitária (CDU), que junta comunistas e ecologistas, assumiu enfado com carne assada nas jornadas e ações de esclarecimento pelo país, mas garante uma campanha eleitoral nos cânones …

Bloco quer mais funcionários públicos e quotas por raça nas universidades

O BE afirma, no programa eleitoral disponibilizado hoje na íntegra, que "é o partido que quer e pode impedir uma maioria absoluta", um resultado nas eleições legislativas que faria Portugal "voltar ao passado da arrogância …

Balas com defeito que encravam armas. PSP confirma, mas diz que não é um problema

A Polícia de Segurança Pública (PSP) confirma que estão a ser utilizadas algumas balas com defeito que até encravam as armas, nos treinos dos candidatos a agentes na Escola Prática de Polícia. Mas garante que …