Coreia do Sul adere à defesa cibernética da NATO. China não está contente

Na semana passada, uma agência de inteligência da Coreia do Sul tornou-se a primeira da Ásia a aderir ao grupo de defesa cibernética da NATO.

Esta tomada de decisão da agência sul coreana arrisca aumentar as tensões internacionais com a super-potência que é a China.

O Serviço Nacional de Informações da Coreia do Sul (NIS) informou ter sido admitido no Cooperative Cyber Defence Centre of Excellence (CCDCOE) da NATO — um centro de ciberdefesa, segundo a Time.

O grupo surgiu em maio de 2008 em Tallinn, na Estónia, e foca-se na investigação e exercícios de cibersegurança, tal como o nome indica.

“As ameaças cibernéticas estão a causar grandes danos, não só a indivíduos, mas também a nações diferentes e a nível transnacional, pelo que uma cooperação internacional unida é crucial”, justificou o NIS.

Em resposta, Hu Xijin, editor do The Global Times, do Partido Comunista Chinês, publicou no Twitter que a jogada foi uma afronta a Pequim e fala mesmo em guerra na Ásia. “Se a Coreia do Sul enveredar por um caminho de hostilidade contra os seus vizinhos, o fim desse caminho poderá ser uma Ucrânia”, lê-se.

No contexto da invasão russa da Ucrânia, a admissão da Coreia do Sul no grupo de defesa cibernética parece refletir a determinação dos aliados americanos em dar resposta às crescentes ameaças de Moscovo e Pequim, nomeadamente, que têm apoiado as ações de Vladimir Putin.

A 29 de abril, um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China saudou os laços com a Rússia como “um novo modelo de relações internacionais“.

No entanto, não é claro se a NATO foi motivada pelos acontecimentos na Ucrânia para finalmente assinar a adesão da Coreia do Sul.

O NIS apresentou a sua candidatura de adesão ao grupo em 2019, e participou nos dois mais recentes Locked Shields — os maiores exercício internacionais de cibersegurança do mundo.

Do CCDCOE fazem agora parte 27 países membros da NATO e cinco participantes que não pertencem à instituição.

Sean O’Malley, cientista político da Universidade de Dongseo em Busan, sublinha que a adesão da Coreia do Sul é “o culminar de uma evolução muito lenta, ao longo da última década, para que a cibersegurança seja reconhecida como uma ameaça realmente séria”.

Apesar de acolher algumas das maiores empresas tecnológicas mundiais, como a LG e a Samsung, a Coreia do Sul tem estado surpreendente atrasada em relação ao cibercrime — só lançou uma Estratégia Nacional de Segurança Cibernética sob a administração de Lua Jae-in em 2018.

A Coreia do Sul é, no entanto, o principal alvo de ciberataques na zona DMZ — é uma sub-rede física ou lógica que contém e expõe serviços de fronteira externa de uma organização a uma rede maior e não confiável, normalmente a Internet.

Um conjunto de 6.800 agentes norte-coreanos está envolvido em fraude, chantagem e jogos online que, em conjunto, geram cerca de 860 milhões de dólares anualmente, de acordo com o Instituto da Coreia para a Democracia Liberal em Seul. Muitos dos ataques têm origem no interior da China.

E quer seja ou não motivada pelo apoio de Pequim à Rússia, a mudança aproxima certamente os aliados americanos.

“Esta é mais uma capacidade em que a China preferiria que a Coreia do Sul fosse tão independente quanto possível“, conclui O’Malley.

  Alice Carqueja, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.