Cientistas conseguiram controlar as decisões de macacos através de estimulação cerebral

Ondas ultrassónicas de alta frequência, destinadas a regiões cerebrais específicas, podem mesmo influenciar o comportamento dos macacos.

O cérebro é um órgão muito difícil de tratar. Além de a grande maioria dos medicamentos ter vários efeitos colaterais, a cirurgia cerebral é muito arriscada e invasiva.

Um novo artigo científico, publicado no dia 20 de maio na Science Advances, traz uma nova esperança ao sugerir que ondas ultrassónicas possam ser usadas para afetar regiões específicas do cérebro de macacos de modo a controlar parcialmente a sua tomada de decisões.

Este tratamento influenciou a decisão dos macacos de olharem para a esquerda ou para a direita, independentemente do treino prévio para preferirem um determinado alvo em detrimento do outro.

A equipa aplicou uma técnica experimental usada por cientistas para estudar comportamentos de escolha humanos. Assim, dois macacos com a cabeça imobilizada dentro de um quarto escuro foram treinados para olhar para um alvo no centro de uma tela. Após alguns instantes, um segundo alvo aparecia na tela, à direita ou à esquerda do alvo inicial, e, em seguida, um terceiro alvo surgia no lado oposto.

Os macacos têm tendência a olhar para os alvos na ordem em que aparecem, mas foram treinados para resistir a essa vontade natural com recompensas alimentares.

Durante a fase experimental, os investigadores usaram um transdutor ultrassónico para estimular os campos oculares frontais dos macacos, a região cerebral responsável pela atenção visual e pelos movimentos voluntários dos olhos. Quando os cientistas estimularam os campos oculares focais esquerdos, os macacos selecionaram o alvo certo com mais frequência, e vice-versa.

Quando produzida no córtex motor, a estimulação não produziu qualquer efeito, o que sugere que os cientistas não provocaram apenas um reflexo físico, como influenciaram a escolha percetiva dos animais.

Esta é a prova de que as ondas sonoras agudas, que não são audíveis pelo ouvido humano, podem induzir mudanças físicas no cérebro. Esta estimulação causa a vibração das membranas neurológicas, que impulsiona os neurónios próximos e influencia os seus comportamentos associados. Usando esta técnica, os cientistas podem mudar a atividade dos neurónios.

Segundo o New Atlas, este estudo destaca o potencial uso desta técnica não invasiva e indolor no tratamento de certos distúrbios em humanos, sem a necessidade de cirurgia ou medicação. Ainda assim, os resultados são muito preliminares, já que os efeitos foram apenas observados em dois macacos.

Além disso, a eficácia a longo prazo deste tipo de tratamentos também não é clara.

Os cientistas já haviam conseguido estimular neurónios no cérebro de ratos com ondas ultrassónicas de alta frequência. Ao modular a atividade neuronal nestes animais, os cientistas conseguiram desencadear vários movimentos musculares.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Cientistas imprimiram, pela primeira vez, células cerebrais vivas em 3D

Uma equipa de cientistas usou uma nova técnica laser e conseguiu imprimir em 3D células cerebrais vivas. A maioria dos neurónios sobreviveram durante mais de dois dias após terem sido impressos em 3D, o que significa …

Descoberto antídoto contra agentes nervosos tipo Sarin e Novichok

Uma equipa do Laboratório Nacional Lawrence Livermore (LLNL), nos Estados Unidos, desenvolveu um antídoto que neutraliza a exposição ao envenenamento por agente nervoso. O estudo, que foi publicado na revista Scientific Reports, foi o resultado de …

Marte sobreviveu a super-erupções (que libertaram "oceanos" de poeira e gases tóxicos)

A região de Arabia Terra, situada no norte de Marte, já foi palco de erupções suficientemente potentes para libertar "oceanos" de poeira e gases tóxicos no ar.  A NASA confirmou, recentemente, que uma região do norte …

Vulcão, La Palma

O Cumbre Vieja também tem negacionistas. "É tudo orquestrado"

Nos últimos dias, as redes sociais têm-se tornado o palco dos "negacionistas dos vulcões" que defendem que, por trás da erupção do Cumbre Vieja, há mão humana. Nas redes sociais já há negacionistas do vulcão Cumbre …

Selecção da Lituânia falhou os Mundiais porque...chegou atrasada

Per Strand venceu, António Morgado ficou em sexto, mas os ciclistas da Lituânia acabaram por marcar a prova de estrada de juniores, nos Mundiais em Flandres. Per Strand Hagenes é o novo campeão mundial júnior de …

Gil Vicente 1-2 Porto | Dragão canta de galo com dois golaços

Foi sofrer até ao fim. Sérgio Conceição tinha alertado que não seria fácil bater o Gil Vicente e foi isso que ocorreu na noite desta sexta-feira em Barcelos. O FC Porto apenas a um minuto dos …

Na II Guerra Mundial, um erro "humilhante" destruiu dois imponentes navios de guerra da Marinha Real

No dia 10 de dezembro de 1941, os japoneses afundaram os imponentes Prince of Wales e Repulse. A culpa foi do almirante Thomas Phillips que, na sequência de um "erro humilhante", acabou também por falecer. Winston …

O robô Atlas, da Boston Dynamics, faz parkour (e até dá um mortal para trás)

O Atlas é, sobretudo, um projeto de investigação: um robô que ajuda os engenheiros da Boston Dynamics a trabalhar em melhores sistemas de controlo e perceção. O parkour é um verdadeiro desafio para os seres humanos, …

Na Tailândia, um "cemitério" de táxis foi transformado numa horta sobre rodas

Desde pimentos a pepinos, beringelas e até mangericão. Num parque de estacionamento ao ar livre em Banguecoque, os táxis abandonados transformam-se em hortas para alimentar os trabalhadores. A pandemia de covid-19 obrigou os táxis de Banguecoque …

Morreu o "último nazi" canadiano, aos 97 anos

Um ucraniano que serviu como tradutor no regime nazi morreu na quinta-feira na sua casa, em Ontário, no Canadá, encerrando uma luta de décadas para deportá-lo e acusá-lo de cúmplice no assassinato de dezenas de …