Estudo associa consumo de canábis ao cancro do testículo

Um novo estudo americano descobriu que homens que fumam canábis todos os dias durante uma década podem ter um risco 36% maior de desenvolver cancro do testículo.

Isto não significa que um em cada três fumadores ávidos de canábis vão desenvolver cancro, mas sim que o risco de desenvolver a doença é três vezes maior em cada indivíduo. Um artigo sobre o estudo foi publicado no mês passado na revista científica JAMA Network Open.

Os investigadores da Universidade Brown, da Universidade da Califórnia e do Memorial Sloan Kettering Cancer Center recorreram a 25 estudos sobre o assunto, que ao todo compreenderam 50 anos de dados recolhidos.

Infelizmente, as metodologias dessas investigações eram todas diferentes, o que impediu a equipa de cientistas de retirar melhores conclusões. De qualquer forma, a associação encontrada não é causal, ou seja, não podemos dizer que o canábis causa cancro, pelo menos por enquanto.

De qualquer forma, o risco de desenvolver cancro testicular não deve preocupar muito as pessoas, uma vez que é preciso ser um utilizador muito frequente e de longa data da droga para verificar estes efeitos.

Vale a pena realçar que não conhecemos totalmente os impactos do canábis na saúde, e os cientistas não gostariam que as pessoas assumissem que a droga não tem consequências.

“Detestaria que as pessoas interpretassem isso [o uso medicinal do canábis] como significado de que o uso do canábis é completamente seguro. O facto é que não sabemos muito sobre o impacto do seu uso recorrente, do uso numa idade muito jovem ou sobre o uso de canábis que não seja fumado”, disse a investigadora Deborah Korenstein, do Memorial Sloan Kettering Cancer Center.

ZAP ZAP // HypeScience

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. O que a ciência está a fazer é a esconder-se por trás do ‘método científico’, de uma forma desproporcionalmente ortodoxa, para não ser forçada a dar respostas objectivas sobre questões que são de um foro que ultrapassa a própria ciência.
    Isso não significa que a ‘ciência’ possa obter impunidade e se recusar a dar repostas àquilo a que já teve acesso e tempo para estudar, e que, inclusivamente, já o fez.
    O que a ‘ciência’ não quer fazer neste momento é ser forçada a divulgar resultados que respondem às questões que se colocam mas com respostas que não são condizentes com a percepção e o preconceito social, que também existe na própria comunidade científica.
    Ou seja, mesmo que os cientistas que estudam estes assuntos conseguissem obter resultados irrefutáveis de estudos que provassem que o consumo de canábis não só é inócuo, em termos de impacto na saúde, mas, ainda por cima, benéfico para varias condições de saúde, estes ficariam mesmo assim relutantes em afirmar a validade desses resultados porque as verdadeiras razões para toda esta controvérsia são as razões de preconceito generalizado da sociedade em relação ao consumo do canábis.
    Como dizia [alguém]:
    – Não basta ter razão

  2. tb poderiam concluir que os homens que bebem todos os dias água têm mais possibilidade de contrair a doença.

    enfim, estudos da treta…presumo que patrocinados pela bigpharma, não lhes dá jeito nenhum não controlarem uma planta entre muitas outras com tantos benefícios para a humanidade, como tal há que diabolizar a coisa.

  3. Maconha faz mal a saúde e pronto! Mas posso dar meu parecer científico sobre o assunto, já que sou formado em Biologia, Biomedicina e com especialização em Botânica e plantas medicinais, minha formação, pelas Universidades Google e YouTube me permite dar esse parecer!

RESPONDER

Aposta no Parlamento. 10% dos deputados são candidatos às autárquicas

De acordo com as contas do semanário Expresso, 23 deputados da Assembleia da República, ou seja, 10% dos 230 que compõem o hemiciclo, são candidatos às eleições autárquicas do outono. Na quinta-feira, foi aprovado na generalidade …

Relógio japonês parado pelo terramoto de 2011 volta a funcionar novamente (graças a outro sismo)

Um relógio japonês com 100 anos de idade que deixou de funcionar depois do devastador terramoto de 2011 voltou a trabalhar após um novo sismo este ano. De acordo com o jornal Maunichi Shumbun, o relógio, …

Ventura tem "receio" que partido seja ilegalizado

Este domingo, o Chega vai organizar uma manifestação contra a ilegalização do partido. André Ventura admitiu ter um "receio muito significativo". O Observador avança que a manifestação tem início no Príncipe Real, passa pelo Tribunal Constitucional …

Três mortos e 441 novos casos em Portugal

Este domingo, Portugal regista mais três mortes e 441 novos casos de infeção, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da Direção-Geral da Saúde, o país …

Grande Crise do Ketchup. A pandemia atacou um mercado improvável (e já há um mercado negro para o molho)

Os problemas da cadeia de suprimentos estão a chegar a um canto distante do universo empresarial: os pacotes de ketchup. O ketchup é o molho de mesa mais consumido nos restaurantes dos Estados Unidos, com cerca …

Autoridades brasileiras ilibam João Loureiro

João Loureiro já não é suspeito no processo que envolve a apreensão de um avião com 500 quilos de cocaína, segundo as autoridades brasileiras. As autoridades brasileiras descartaram, este sábado, qualquer ligação do advogado português João …

No Canadá, há dois rios que se encontram (mas não se misturam)

Em Nunavut, no Canadá, há dois rios que se encontram, mas não perdem a sua aparência individual enquanto se movem sinuosamente pela tundra. O Back River flui para o norte em direção ao Oceano Ártico. Ao …

Russos acusados de explosão na República Checa são suspeitos de envenenar Skripal

Os dois suspeitos russos, envolvidos na explosão que matou duas pessoas em 2014 na República Checa, têm os mesmos passaportes que os dois homens acusados de envenenar, com o agente nervoso novichok, o espião Sergei …

Numa cidade na Nova Zelândia, a Páscoa resume-se a exterminar coelhos

Em Alexandra, na região de Otago, os coelhos são considerados pragas, uma espécie que ameaça a biodiversidade do país e a agricultura. Elle Hunt, correspondente do The Guardian em Auckland, na Nova Zelândia, escreveu um artigo …

Reavaliação de barragens da EDP ficou por fazer, depois de Governo ter recuado na decisão

No início do ano passado, o ministério do Ambiente considerou ser necessário reavaliar as barragens da EDP, mas a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e a Parpública disseram não ter competências para fazer a avaliação …