A consciência pode ser um efeito colateral da “entropia”

(dr) gonzalokenny / Deviant Art

"O Despertar da Consciência"

“O Despertar da Consciência”

De acordo com um novo estudo, tal como o universo, o nosso cérebro pode ser programado para maximizar a desordem, um princípio semelhante ao da entropia. Ou seja, a nossa consciência pode ser simplesmente um efeito colateral disso mesmo.

A capacidade de ser conscientes de nós mesmos e do nosso ambiente é uma parte crucial do ser humano. Apesar disso, os investigadores ainda não compreendem verdadeiramente de onde vem essa capacidade e por que é que a temos.

Um novo estudo da Universidade de Toronto, no Canadá, e da Universidade Paris Descartes, em França, apresenta uma nova possibilidade.

E se a consciência surge naturalmente como o resultado dos nossos cérebros a maximizar o seu conteúdo informativo? Noutras palavras, e se a consciência for um efeito colateral do nosso cérebro a mover-se em direção a um estado de entropia?

A entropia é o termo usado para descrever a evolução de um sistema de ordem para a desordem e o melhor exemplo desse fenómeno é, por exemplo, uma coisa tão simples como um ovo.

Quando está perfeitamente separado – gema e clara – pode dizer-se que este alimento tem baixa entropia. No entanto, quando é cozinhado, as duas partes desordenam-se de tal forma que fica com uma alta entropia.

A segunda lei da termodinâmica afirma que a entropia só pode aumentar num sistema. É por isso que não podemos, por exemplo, “descozinhar” o ovo.

Muitos físicos acreditam que, depois do Big Bang, o universo tem-se gradualmente movido de um estado de baixa entropia para um de alta entropia, algo que poderia explicar por que é que o tempo apenas se move para frente e, como consequência, porque não conseguimos voltar atrás.

Então, os investigadores canadianos e franceses decidiram aplicar o mesmo raciocínio para as conexões existentes no nosso cérebro e investigar se mostram algum padrão na forma como se ordenam enquanto estamos conscientes.

O estudo

Para descobrir isso, a equipa utilizou um tipo de teoria da probabilidade, chamado de mecânica estatística, para modelar as redes de neurónios nos cérebros de nove pessoas, incluindo sete que tinham epilepsia.

Especificamente, analisaram a sincronização de neurónios – se oscilaram em fase uns com os outros – para descobrir se as células do cérebro estavam ligadas ou não.

Os cientistas observaram dois conjuntos de dados: primeiro, compararam os padrões de conectividade quando os participantes estavam a dormir e acordados.

De seguida, observaram a diferença de quando cinco dos pacientes epilépticos estavam a ter convulsões e de quando os seus cérebros estavam num estado normal, isto é, em “alerta”.

Nas duas situações, os investigadores observaram a mesma tendência: os cérebros dos participantes apresentaram uma maior entropia quando estavam num estado consciente.

“Encontrámos um resultado surpreendentemente simples. Os estados de vigília normais são caracterizados pelo maior número de configurações possíveis de interações entre as redes cerebrais, o que representa altos valores de entropia”, escreveu a equipa no artigo, agora publicado na revista científica Physical Review E.

Ponto de partida

Antes de tirar conclusões sobre estes resultados, é importante perceber que existem grandes limitações neste trabalho, nomeadamente, o pequeno tamanho da amostra.

É difícil detetar eventuais tendências a partir de apenas nove pessoas, ainda para mais tendo em conta que os cérebros de todos os participantes responderam de forma ligeiramente diferente em cada estado.

No entanto, o estudo é um bom ponto de partida para futuras investigações, apontando para uma possível nova hipótese.

A equipa planeia agora investigar mais a fundo estes resultados, medindo o estado termodinâmico de diferentes regiões do cérebro para entender se o que acontece é realmente a verdadeira definição da entropia ou outro tipo de organização.

Também querem alargar as suas experiências ao comportamento cognitivo geral vendo, por exemplo, como a organização neural muda quando as pessoas estão concentradas numa tarefa e quando estão distraídas.

ZAP / Hypescience

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Mais um estudo, sobre a teoria do nada, talvez sim e talvez não…
    Ou seja, o estar consciente é equivalente, ou pode ser equivalente, a um efeito de grande desordem mental, de forma colateral…
    Ao ler o artigo todo, ele faz e não faz sentido, mas raciocinando ou consciencializando ( o mesmo que dizer desordenando), estar consciente pode não ser bom para nós, está implícito !!!!
    Se a dormir, a desordem não é grande, então posso quase apostar, que meditar até ao estado “nirvana”, deixamos de estar conscientes, logo deixamos de estar desordenados.
    Mas como não podemos viver a dormir, nem viver a meditar, deve ser por isso mesmo que dormimos e meditamos, simplesmente para repôr equilíbrio, e, acordar com menos desordem mental…
    Eu que sou uma simples ignorante, atrevo-me a dizer que este estudo, está a estudar, ou a tentar estudar, de forma “cientifica” , o que muitos já sabem de forma metafisica…
    Penso que esta questão, nem chega a ser questão, e só o será, se for para “convencer” quem gosta/aceita, de ser convencido apenas pala “ciência”…
    Mas ao que parece, o estudo vai avançar, esperemos para ver o que já está visto de outra forma…
    Contudo, não deixa de ser interessante, a forma como a dita “ciência” se

RESPONDER

A famosa "Pirâmide Curvada" do faraó Senefuru foi aberta ao público pela primeira vez em mais de 50 anos

No Egito, foi aberta ao turismo, pela primeira vez desde 1965, a famosa "Pirâmide Curvada", construída por ordem do faraó Senefuru há 4.600 anos. Localizada em Dahshur, a 40 quilómetros a sul do Cairo, a pirâmide, …

Príncipe Carlos diz que temos 18 meses para salvar a humanidade

O príncipe Carlos admite que os próximos 18 meses serão cruciais para a sobrevivência dos seres humanos. Durante este tempo, os líderes mundiais terão de controlar as mudanças climáticas para evitar uma catástrofe irreversível. "Senhoras e …

Novo filme da saga Bond tem Agente 007 feminina

De acordo com jornais ingleses, o filme Bond 25 não terá um novo James Bond, mas sim uma nova Agente 007. No filme, que será uma homenagem ao legado de Roger Moore e de todos …

Manchester United não dá mais do que 33,5 milhões por Bruno Fernandes

O Manchester United só está disposto a pagar 33,5 milhões de euros pelo médio do Sporting Bruno Fernandes, escreve o jornal Mirror esta segunda-feira. De acordo com o diário britânico, a contratação de Harry Maguire …

Caso de ébola detetado em cidade com mais de dois milhões de habitantes

As autoridades de saúde detetaram o primeiro caso de ébola na cidade de Goma, na República Democrática do Congo, onde vivem mais de dois milhões de pessoas, confirmou no domingo o ministro da Saúde congolês. De …

Ordem dos Enfermeiros apresenta queixas contra inspetores da Saúde

A Ordem dos Enfermeiros (OE), liderada por Ana Rita Cavaco, vai apresentar queixas-crime contra a inspetora-geral das Atividades em Saúde e contra os inspetores que participaram na sindicância a esta associação profissional. Em causa está a …

Advogado de Mustafá acusa procuradora Cândida Vilar de terrorismo institucional

O advogado do líder da Juventude Leonina, Filipe Coelho, voltou a apontar baterias a Cândida Vilar, acusando-a de "terrorismo oficial" contra o seu cliente.  De acordo com o Tribuna Expresso, o advogado de Mustafá disse ainda …

Fenprof indignada com palavras cruzadas do Expresso exige pedido de desculpas

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) manifestou-se nesta segunda-feira “indignada” com um tópico nas palavras cruzadas do semanário Expresso, exigindo um pedido de desculpas aos docentes portugueses. Em causa um tópico das palavras cruzadas da …

Apenas 3% das máquinas de venda automática no ensino superior têm fruta

Foram analisadas 135 máquinas em todo o país. Todas tinham doces e apenas uma em cada três disponibilizava opções saudáveis. Deco diz que é preciso mudar disponibilidade alimentar destas máquinas. Apenas 3% das máquinas de venda …

Em 2018, cada português consumiu 3,3 quilos de açúcar em 60 litros de refrigerante

Cada português consumiu, no ano passado, 60 litros de refrigerantes, o que equivale a 3,3 quilogramas de açúcar, um valor menor do que no ano anterior, quando começou a ser aplicado o imposto sobre estas …