Confinamento e recolher obrigatório são inúteis e prejudiciais, diz internista do São João

Giuseppe Lami / EPA

O internista António Ferreira, do Hospital de São João, considerou hoje que as medidas de combate à covid-19 que levam à paragem da atividade social e económica, como o confinamento, o recolher obrigatório, “são inúteis e prejudiciais”.

Na sua intervenção na conferência “71 minutos pela Saúde”, organizada pela Convenção Nacional da Saúde, António Ferreira começou por afirmar que não é negacionista.

“Sei que a pandemia de covid-19 é um problema muito grave de saúde pública e também social. Defendo convictamente as medidas de prevenção não farmacológica, consubstanciada no distanciamento social, na higiene das mãos e no uso de máscara e não subscrevo as posições de alguns países e de alguns investigadores e epidemiologistas que defendem que se deixa o vírus circular para criar imunidade de grupo”, afirmou o especialista.

Disse ainda discordar “radicalmente das atitudes e da estratégia que está a ser seguida para o combate à pandemia na maior parte dos países industrializados e em Portugal também”, mas que as cumpre estritamente.

Para António Ferreira, da Faculdade de Medicina do Porto, “confinar mais, confinar menos, não confinar, não tem efeito naquilo que interessa que é a mortalidade”.

“As medidas extremistas, sanitaristas, não as outras medidas de prevenção, são prejudiciais tem um impacto social e económico gravoso, conduzem à miséria social, induzem ao aumento da conflitualidade social”, disse.

No seu entender, estas medidas e “a centralização obsessiva na resposta desorganizada e inútil” que está a ser implementada à covid, tem também “consequências gravosas” na prestação de cuidados de saúde aos doentes não covid-19 e isto traduz-se no excesso de mortalidade.

Os dados oficiais do Instituto Nacional de Estatística publicados recentemente mostram um aumento de mortalidade de cerca de 8%, mais oito mil óbitos do que a média dos anos anteriores. A mortalidade atribuída à covid explica 27% dessas mortes, ou seja, quase 5.740 óbitos não têm explicação.

Em Portugal, o INE demonstra que a mortalidade hospitalar aumentou 6% este ano comparativamente com os últimos cinco anos a quase toda esta mortalidade é explicada pelos óbitos covid, mas a mortalidade fora do hospital, no domicílio, aumentou 23%.

“É fácil perceber que os doentes crónicos com situações que agudizam, que doentes que têm doenças agudas não estão a ser tratados e morrem em casa”, alertou o intensivista.

No seu entender, “o fechamento” dos cuidados primários que são a porta de entrada no SNS fará com que os novos casos diabetes, de doenças cardiovasculares, de neoplasias não sejam diagnosticados, tratados a tempo e irão condicionar o aumento da mortalidade em 2021, 2022.

“Este encerramento dos cuidados de saúde não faz sentido, particularmente agora que o número de casos já tinha ultrapassado há muito a capacidade de resposta dos nossos colegas da Medicina Geral e Familiar centrados apenas no registo e na monitorização dos casos de covid que não têm tempo para atender outros doentes”, sublinhou.

Segundo o médico, há ‘clusters’ de doentes positivos que ao fim de uma semana ainda não foram contactados pelas autoridades de saúde, o que não permite nenhuma intervenção preventiva.

Acrescentou ainda que não se preparou a resposta das instituições hospitalares e disse não compreender porque é que não se usa generalizadamente os testes rápidos para “diagnosticar e rastrear todos os que têm infeção pelo vírus sintomáticos e assintomáticos para que se possa intervir junto desses e deixar a esmagadora maioria da população trabalhar produzir e a sociedade funcionar.

“Se conseguirmos isto é muito mais eficaz que qualquer recolher obrigatório seletivo em determinadas horas de fim de semana, após a noite”, defendeu.

Perante esta situação, António Ferreira considerou que “a cura é pior que a maleita, está a fazer mais mal”.

“Felizmente em Portugal, ao contrário de outros países cuja cultura é o receio dos processos judiciais e os leva a cumprir rigorosamente as recomendações das organizações de saúde, em Portugal os médicos marimbam-se nisto, como se maribam nas da Direção-Geral da Saúde no ue diz respeito à terapêutica (…)e fazem a medicina como deve ser feita e talvez este seja um dos fatores do nosso sucesso”.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Sporting 2-1 Santa Clara | Super-Coates volta a ser herói

Arrancado a ferros… à campeão? O Sporting esteve a poucos segundos de registar o terceiro empate em casa, perante um Santa Clara que não foi em nada inferior aos “leões” e até conseguiu ser superior em …

Os gatos demonstram ser menos leais do que os cães (mas pode haver uma razão)

Ainda existe um estereótipo sobre a diferença entre cães e gatos. Normalmente as pessoas associam os cães a animais amorosos e leais, enquanto os gatos são tidos como distantes e indiferentes. Um novo estudo pode …

O mistério do "lago dos esqueletos" na Índia intriga cientistas há décadas

O Roopkund, localizado na parte indiana dos Himalaias, é um lago glacial com centenas de ossos humanos. E ninguém sabe como foram lá parar. Em 1942, um guarda florestal revelou ao mundo a existência deste lago …

A fronteira mais importante da China é imaginária: a Linha Hu

A Linha Hu, também conhecida como linha Heihe-Tengchong, é uma linha imaginária que divida a China em duas partes com áreas quase iguais. Estende-se da cidade de Heihe até Tengchong. Desenhada pela primeira vez em 1935, …

Algumas pessoas moram em aeroportos durante meses (ou até mesmo anos)

Aeroportos não servem de casa apenas para os sem-abrigo. Há pessoas que, involuntariamente ou não, ficam lá durante meses e, em alguns casos, até mesmo anos. Em janeiro, as autoridades de Chicago prenderam um homem de …

Senado da Carolina do Sul aprova fuzilamento como método de execução

Com esta decisão, a Carolina do Sul poderá converter-se no quarto estado do país a incorporar este método de execução de pena de morte, depois do Utah, Oklahoma e Mississípi. De acordo com a agência noticiosa …

"Oxigénio tornou-se ouro". Criminosos lucram com a sua escassez no México

A pandemia de covid-19 deixou a Cidade do México a atravessar uma grande escassez de oxigénio médico. Criminosos estão a aproveitar para lucrar com a situação. A capital mexicana registou um pico de infeções e hospitalizações …

Meteorito do tamanho de um damasco caiu em França (e os astrónomos precisam de ajuda para encontrá-lo)

Os entusiastas do Espaço estão a ser instados a procurar um meteorito do tamanho de um damasco que caiu no fim de semana passado no sudoeste de França.  O meteorito, com peso estimado em 150 gramas, …

Professora pediu a alunos para fingir que eram escravos e escreverem carta para África

Uma professora de uma escola secundária no Mississippi, nos Estados Unidos, está a ser alvo de críticas devido a uma fotografia de um trabalho de casa divulgada nas redes sociais. Foi pedido aos alunos do 8.º …

Obra de Churchill que pertencia a Angelina Jolie vendida por valor recorde

O quadro pintado pelo antigo primeiro-ministro britânico foi vendido por 8,3 milhões de libras. A pintura foi um presente de Winston Churchill para o presidente dos Estados Unidos, Franklin D. Roosevelt, e agora foi leiloada …