Combustíveis fósseis podem causar catástrofe de extinção em massa

Cientistas alemães concluíram que é urgente acabar com o consumo de combustíveis fósseis para salvar os oceanos da acumulação de dióxido de carbono, ou “uma catástrofe de extinção em massa pode acontecer”, afirmou a investigadora principal, Sabine Mathesius.

“A remoção de dióxido de carbono (CO2) da atmosfera de forma artificial conforme vem sendo proposto não salvará os oceanos caso prossigamos com os hábitos atuais de mineração e perfuração para obter carvão, petróleo e gás”, disse à Lusa Sabine Mathesius, do Centro de Pesquisa Oceânica Helmholtz GEOMAR, da cidade de Kiel, na Alemanha.

A água dos oceanos, que absorve dióxido de carbono a um nível sem precedentes, está a ficar mais ácida do que alguma vez esteve nos últimos 300 milhões de anos, o que poderá precipitar a extinção em massa de espécies marinhas, alertou.

Como as medidas de redução artificial de dióxido de carbono “nunca antes foram testadas na sua eficácia”, os investigadores desenvolveram um programa informático para o fazer, considerando um cenário até 2150.

“A remoção de CO2 permitiria potencialmente à atmosfera voltar aos níveis de concentração de gases de efeito estufa da era pré-industrial, mas não salvaria os oceanos”, concluíram os investigadores.

futureocean.org

abine Mathesius, do Centro de Pesquisa Oceânica Helmholtz GEOMAR, Kiel

abine Mathesius, do Centro de Pesquisa Oceânica Helmholtz GEOMAR, Kiel

Mesmo retirar enormes quantidades de CO2 da atmosfera “não ajudaria muito o oceano profundo, pelo que não há qualquer justificação para continuar a adiar a redução das emissões de CO2”, afirmou a cientista.

As emissões de gases de efeito estufa, provenientes da ação humana, são absorvidas em cerca de 25 por cento pelos oceanos, o que “não só causa o rápido aquecimento dos mares, mas também a acidificação dos oceanos a uma velocidade sem precedentes“.

Essas alterações interferem no metabolismo de vários grupos de organismos como corais, esponjas, moluscos com conchas, crustáceos e entre outros.

“O transporte dos nutrientes (fitoplâncton, a base da cadeia alimentar marinha) das profundezas para a superfície fica bastante impossibilitada” sublinhou a investigadora alemã.

A longo prazo “isso irá ameaçar as formas de vida marinhas de muitas espécies, pondo em causa a biodiversidade e as intricadas cadeias alimentares”, acrescentou.

Há 65 milhões de anos “a acidificação dos oceanos foi um dos principais motores de extinções marinhas“, salientou.

Por isso, é possível que aconteça um “episódio de extinção em massa”, insistiu.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Amiga não te preocupes com isso, em 2100 já deve haver outros problems maoiores como a inteligência artificial e robots a substituir os humanos, ou algum cenário parecido. Muitos estudos e conclusões de determinadas matérias vão cair em fundo perdido em prólogo de outras matérias mais importantes que surgirão a curto prazo.

RESPONDER

Encontradas 115 crianças enterradas com moedas na boca na Polónia

Trabalhadores que construíam uma nova estrada na Polónia encontraram os restos de 115 corpos de crianças enterras com moedas na boca. Durante os trabalhos de construção de uma autoestrada em Jezowe, na Polónia, trabalhadores descobriram restos …

À frente de Figo, Futre e Ronaldo. Joelson é o terceiro mais novo de sempre a estrear-se pelo Sporting

O Sporting venceu esta quinta-feira na receção ao Gil Vicente, por 2-1, no jogo de encerramento da 29.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol. A partida marcou também a estreia do jovem extremo Joelson …

Austrália pondera dar refúgio a quem abandone Hong Kong

O primeiro-ministro australiano disse esta quinta-feira que o Governo está a ponderar dar refúgio aos residentes de Hong Kong que desejem abandonar a ex-colónia britânica devido à nova lei de segurança nacional imposta por Pequim. Scott …

Vieira ainda sonha com Jesus (e a Libertadores pode ajudar no regresso)

O presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, não desistiu de voltar a colocar Jorge Jesus no comando técnico da equipa da Luz e, caso a Taça dos Libertadores não seja realizada, o regresso do treinador …

Marta Temido garante que não há descontrolo em Lisboa (mas assume falhas)

Em entrevista à RTP, a ministra da Saúde garantiu que não há "descontrolo" na evolução da pandemia na região de Lisboa e Vale do Tejo, mas sublinhou que se trata de uma "situação de sobressalto, …

A genética ajuda a determinar o quão afetuosas são as mulheres (mas não os homens)

A genética desempenha um papel importante no nível de afetividade das mulheres, mas o mesmo não acontece entre os homens, concluiu uma nova investigação científica levada a cabo com gémeos. Na nova investigação, recentemente publicada …

Prémio para profissionais do SNS é "uma esmola". "Mais valia terem estado quietos"

Ana Rita Cavaco, bastonária da Ordem dos Enfermeiros, diz que a proposta que prevê prémios e mais férias para os profissionais de saúde é uma "afronta" para enfermeiros. Para a bastonária da Ordem dos Enfermeiros, a …

Tempo de espera para entrega de cartão de cidadão pode chegar a cinco meses

Para fazer o levantamento do cartão de cidadão é preciso fazer marcação e há balcões que só têm disponibilidade para entregar o documento no final do ano. De acordo com a edição desta quinta-feira do …

Físicos explicam por que as mudanças do campo magnético da Terra são mais fracas no Pacífico

Uma nova investigação levada a cabo por físicos da Universidade de Alberta, no Canadá, apresenta uma explicação para o facto de as mudanças no campo magnético da Terra serem mais fracas na região do Pacífico. …

Chovem diamantes no interior de Neptuno e Urano (e já se sabe porquê)

Podem estar a chover diamantes dentro dos corações de Neptuno e Urano. Agora, os cientistas descobriram novas evidências experimentais que mostram como é que isso poderia ser possível. Neptuno e Urano são os planetas mais mal …