/

Comboio pode ligar Lisboa e Sevilha em três horas e meia

A Associação Cívica Cidade de Badajoz defende que basta eletrificar 200 quilómetros de via férrea na Extremadura e melhorar ligeiramente o traçado da velha linha que liga Mérida a Los Rosales (Sevilha) para colocar Sevilha a três horas e meia de Lisboa.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Depois de se debruçar sobre os projetos ferroviários em curso nos dois lados da fronteira, a associação espanhola diz não são precisos milhares de milhões de euros de investimento nem décadas de obras para ligar Lisboa a Sevilha em três horas e meia: basta aproveitar as infraestruturas já existentes.

Tendo em conta que a linha Évora – Badajoz (em construção) vai ter velocidades próximas dos 300 km/h e que, no curto prazo, o troço Pinhal Novo – Évora será modernizado para velocidades de 200 km/h, a viagem entre Lisboa e Mérida passará a demorar apenas uma hora e 55 minutos, escreve o jornal Público.

No entanto, de Mérida para sul a situação é mais complicada: há um velho caminho-de-ferro com uma extensão de 204 quilómetros até Los Rosales, nos arredores de Sevilha, em via única, com velocidades que por vezes não passam dos 60 km/h e com um troço final bastante sinuoso.

Apesar disso, a Associação Cívica Cidade de Badajoz garante que entre Mérida e Guadalcanal o traçado é feito em planície, pelo que é fácil, com a eletrificação, dotá-lo para patamares de 150/160 km/h.

Já de Guadalcanal até Los Rosales, dizem que “intervenções simples podem aumentar a velocidade acima dos 100 km/h”.

Daí até Sevilha, a solução passaria pela secção final da linha de alta velocidade Madrid – Sevilha. Bastaria instalar um intercambiador (equipamento que permite adaptar os rodados do comboio a uma bitola diferente) para que os 34 quilómetros finais fossem percorridos a 250 km/h na linha do AVE (Alta Velocidade).

Com o novo projeto, Lisboa passaria a estar a 1h35 de Badajoz (contra as atuais 4h29), 1h55 de Mérida e 3h30 de Sevilha — viagem que, neste momento, levaria 9 horas e 4 minutos.

Tudo isto, aproveitando os investimentos em curso e já programados, bastando acrescentar-lhe a eletrificação e melhoria do troço que liga Mérida a Sevilha.

“O Estado espanhol teria de investir menos de 0,01% do seu orçamento anual [456 mil milhões de euros em 2021] durante um período de dois a três anos para revolucionar o transporte ferroviário no Sudoeste e ligar três regiões com uma população de mais de 19 milhões de pessoas e que recebem um total de 60 milhões de turistas por ano”, mostra o estudo.

  ZAP //

 

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.