O colonialismo não criou só a escravatura. Também mudou a geologia da Terra

Lincoln Financial Foundation Collection / Wikimedia

“História da Escravatura”, William Blake (1860)

Além da criação da escravatura e de um triângulo comercial entre continentes, o Colonialismo foi também responsável por mudar a própria Geologia da Terra, defendem dois investigadores britânicos.

Trouxe muita riqueza a países como Portugal, Espanha e Grã-Bretanha, desempenhou um forte papel na escravatura de mais de dez milhões de africanos e criou os primeiros mercados globais de algodão, tabaco e açúcar. Mas, agora, o Colonialismo também é ‘acusado’ de outra coisa: mudar a própria Geologia da Terra.

De acordo com o The Guardian, esta é a visão de dois cientistas britânicos que acreditam que o impacto do Colonialismo foi tão profundo que pode ser detetado no ar e nas rochas da Terra. Uma ideia sustentada no livro “O Planeta Humano: Como Criámos o Antropoceno”, escrito por Simon Lewis e Mark Maslin e publicado na semana passada.

Os dois investigadores da University College London descrevem a colonização do continente americano e de outros territórios como uma “experiência evolutiva de base planetária baseada no Homem”, que começou no século XVI e que “vai continuar indefinidamente”.

A maioria dos cientistas aceita que, ainda hoje, a Humanidade está a influenciar a vida do planeta, traduzindo-se em mudanças como os movimentos das placas tectónicas, a acidificação dos oceanos e a exterminação de muitas espécies. As consequências de todas estas ações vão continuar a ser detetáveis durante milhões de anos. Como recorda o jornal britânico, esta nova época é chamada de Antropoceno.

Porém, os cientistas discordam sobre a data em que este período começou. Alguns dizem que se iniciou com as explosões das primeiras bombas atómicas, eventos que provocaram uma revolução tecnológica e que deixaram registos radioativos nas rochas da Terra.

Outros consideram que é ainda mais recente e apontam o plástico como o principal culpado que, misturado com as rochas, está a formar uma camada geológica distinta. De qualquer forma, as origens do Antropoceno são vistas como relativamente recentes.

É aí que Lewis e Maslin discordam da comunidade científica. A dupla de investigadores acredita que tudo começou durante a Colonização desencadeada no século XVI.

Antropoceno começou durante a Colonização?

“A chegada dos europeus, em particular dos britânicos e espanhóis, teve um impacto profundo na América Central e do Sul”, afirma Maslin ao Observer. “Levaram consigo germes como a varíola, sarampo, gripe, febre tifóide e muitas outras doenças que provocaram a morte de mais de 50 milhões de americanos, que não tinham exposição prévia a esses patógenos, em poucas décadas. O povo americano entrou em colapso e a agricultura de subsistência foi destruída”, explica.

“Podemos detetar isso nos núcleos de gelo da Antártida. Fornecem uma história da atmosfera por milhares de anos e mostram que os níveis de dióxido de carbono atingiram um mínimo distinto por volta de 1610 porque as florestas, que são muito melhores do que as culturas agrícolas para absorver o dióxido de carbono, cobriam agora vastas áreas da paisagem americana – graças à erradicação das pessoas que já tinham cultivado lá. Esse efeito persistiu durante décadas até a população na América ter sido outra vez restaurada”.

Esta é a marca – o ano de 1610 – que realmente define o Antropoceno, consideram os investigadores. Além disso, os dois acreditam que estes movimentos colonialistas não afetaram só os povos mas também os animais e as plantas.

Durante as décadas em que exploraram o continente americano, os europeus alimentavam-se das suas batatas e tomates, enquanto que na China e na Índia se consumiam as suas especiarias. Estas importações também tiveram um profundo impacto. “Na China, por exemplo, a chegada do milho permitiu a criação de terras mais secas, gerando novas ondas de desflorestação e um grande aumento populacional”, dizem.

A colonização da América resultou assim num triângulo comercial: os produtos europeus foram vendidos para África em troca de escravos, que foram transportados para a América para cultivar algodão e tabaco para a Europa. Pela primeira vez, o mundo estava ligado a um único sistema económico global.

A globalização tinha começado e o seu impacto no planeta tem sido vasto desde então. Um dos resultados foi a homogeneização da vida na Terra. Ratos e outras pragas transportados nos navios invadiram os habitats de espécies isoladas, ao mesmo tempo que mais terras foram sendo destinadas à agricultura.

“Um bom exemplo disso é a minhoca”, declara Maslin. “Nos EUA, a maioria das minhocas que encontramos são, na verdade, de origem europeia. São melhores a competir por nutrientes, então tomaram conta do solo na América do Norte desde que os europeus as trouxeram através do Atlântico no século XVI. Esta é uma coisa que ninguém consegue reverter. Vão ficar lá para sempre”, explica.

“O Antropoceno começou com a difusão do colonialismo e da escravatura. É uma história de como as pessoas tratam o meio ambiente e de como se tratam entre si”.

“Tornámos-nos uma nova força da natureza, ditando o que vive e o que é extinto. Embora, num aspeto importante, somos diferentes de qualquer outra força da natureza: o nosso poder, ao contrário das placas tectónicas ou erupções vulcânicas, é reflexivo, ou seja, pode ser usado, modificado ou mesmo retirado”, concluem os dois autores.

ZAP //

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. Colonialismo a criar a escravatura? Ou é um erro de tradução ou então é um erro propositado muito grave,
    a não ser que o período Romano, Grego, Árabe, faraós, mesopotâmia, mongol, entre outros tenha sido tudo depois do colonialismo e eu não sabia.

    Por favor ZAP caso o conteúdo original seja assim podem sempre colocar uma nota pessoal a indicar que a informação está errada.

  2. Pode até não se um erro de tradução.
    Mas é um erro grave de análise, critica e/ou ignorância sobre a História! O que é grave. Muito grave. Ou será que quem pôs isto aqui tem conotações políticas com um partido político queà falta de assunto anda a levantar a lebre sobre a escravatura?

RESPONDER

Princesa Masako do Japão “insegura” por se tornar imperatriz mas dará o seu melhor

A princesa Masako do Japão confessou este domingo que se sente “insegura” por se tornar imperatriz mas afirmou que dará o seu melhor para servir o povo. Masako Owada torna-se imperatriz quando o marido, o príncipe …

Setenta anos depois, teste de ADN reúne mãe e filha pela primeira vez

Genevieve achava que a sua bebé recém-nascida tinha morrido no parto. Mas não: foi adotada por uma família da Califórnia que lhe mentiu sobre as origens. Agora conheceram-se graças a um teste de ADN. Quase 70 …

Arcebispos de Barcelona ajudaram padre acusado de abusos a fugir à polícia

O padre Senabre, acusado de ter abusado de um menor de 13 anos, esteve desaparecido por mais de 25 anos. Foi agora encontrado no Equador e o seu caso está a ser investigado pelo Vaticano …

Problemas de direitos humanos persistem em Portugal apesar dos progressos

O mais recente relatório da Amnistia Internacional sobre direitos humanos indica que em Portugal “ainda persistem” desigualdades no acesso a habitação condigna, e diferentes formas de discriminação de pessoas e comunidades mais vulneráveis. O documento divulgado …

Theresa May adia votação do Brexit

A primeira-ministra britânica, Theresa May, confirmou, esta segunda-feira à tarde, perante o parlamento britânico, que será adiada a votação do acordo do Brexit agendada para esta terça-feira, dia 11. A decisão da primeira-ministra britânica procura evitar …

"Lobisomem da Sibéria". Maior assassino em série da Rússia era polícia e matou 78 mulheres

Um ex-polícia russo, já condenado a prisão perpétua pela morte de 22 mulheres, foi sentenciado esta segunda-feira na Sibéria por mais 56 homicídios, o que o torna no maior assassino em série da história recente …

Mais de 20 comboios vão ser suprimidos no Natal e Ano Novo

Mais de duas dezenas de ligações ferroviárias, entre Intercidades e Alfa-Pendulares, serão suprimidas nos dias 24, 25 e 31 de dezembro e 1 de janeiro de 2019, à semelhança de anos anteriores, devido à fraca …

Catalães devem seguir a via eslovena e estar "dispostos a tudo" para alcançar independência

Quim Torra disse este sábado que os catalães devem seguir o exemplo do processo de independência da Eslovénia e estar "dispostos a tudo". O presidente do governo regional da Catalunha, Quim Torra, disse este sábado que …

"Injustiça fiscal." Governo rejeita alterar IRS para salários de anos anteriores

O Governo recusou aceitar uma recomendação da Provedora de Justiça que pedia ao Executivo para atualizar o regime de IRS para rendimentos relativos a anos anteriores. No início de outubro, a Provedora da Justiça escreveu a …

Oito anos depois, pensionistas recebem subsídio de Natal por inteiro

Oito anos depois, os pensionistas recebem esta segunda-feira o subsídio de Natal por inteiro, sem cortes e no mês de dezembro. A maioria dos pensionistas da Segurança Social começa esta segunda-feira a receber a pensão de …