/

Colégios privados receberam 66 milhões do Estado graças a “luvas”

3

Quatro colégios privados do grupo GPS receberam 66 milhões do Ministério da Educação, relativos a contratos de apoio financeiro do Estado, devido à alegada influência e às supostas luvas pagas ao ex-secretário de Estado adjunto e da Educação, José Manuel Canavarro, e ao antigo director regional de Educação de Lisboa, José de Almeida.

Estes dados constam do despacho de acusação do Ministério Público, no âmbito da investigação ao Grupo GPS, a que o Público teve acesso.

Entre 2005 e 2013, quatro colégios do Grupo GPS, em Mafra e nas Caldas da Rainha, receberam mais de 66 milhões de euros de fundos públicos devido à intervenção do ex-secretário de Estado adjunto e da Educação, José Manuel Canavarro, e do antigo director regional de Educação de Lisboa, José de Almeida, conforme alega o MP.

Estes dois elementos, que são arguidos por corrupção passiva na investigação judicial ao caso, terão usado os respectivos cargos públicos para beneficiar o Grupo GPS em troca de cargos remunerados.

O MP alega que José Manuel Canavarro recebeu cerca de 220 mil euros como consultor do Departamento Pedagógico do grupo, entre 2005 e 2011, e que José de Almeida amealhou mais de 68 mil euros entre 2005 e 2009.

O despacho de acusação alega que Canavarro e Almeida deram “rápido seguimento aos pedidos formulados pelos colégios GPS, para que o núcleo fundamental das decisões fosse adoptado antes de cessarem as funções exercidas”.

Os contratos de associação firmados com o Grupo GPS tiveram aval logo a seguir à dissolução do Parlamento decretada pelo então Presidente da República, Jorge Sampaio, que levou à queda do Governo de Santana Lopes.

Além de Canavarro e de Almeida, são também arguidos no caso, cinco administradores do grupo GPS, designadamente António Calvete, António Madama, Manuel Madama, Fernando Catarino e Agostinho Ribeiro, que enfrentam acusações por crimes de corrupção activa.

Os cinco administradores terão usado em benefício próprio, para pagar jantares e cruzeiros, cerca de 30 milhões de euros de fundos públicos pagos pelo Estado ao Grupo GPS.

  ZAP //

3 Comments

  1. Estão á espera de quê p/ prender estes LADRÕES? Devem devolver TUDo c/ JUROS. Cambada de VIGARISTAS, não lhes chega os cargos politicos ainda roubam noutras instituições. Deviamos arrumar c/ todos eles não um que seja honesto.

  2. O Estado ou os contribuintes? Se não fossem estes, onde ia o Estado conseguir dinheiro? É para este tipo de situações, que os mais desfavorecidos são ROUBADOS nos seus impostos. Para pagarem os luxos dos barrigudos e continuarem a ter uma vida à fartazana…

  3. O problema é que a maior parte destes barrigudos são liberais na sua ideologia e, por isso, são contra o estado mas, quando podem, tiram mais partido dele do que ninguém!!! Mas o que é isto?? Onde estão os organismos de fiscalização? 66 milhões para quatro colégios privados? E a escola pública a agonizar!! A seguir há-de vir um juíz qualquer, pago pelo erário público, a decidir favoravelmente a estes privados podem ter a certeza!!!

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE