Colapso do sistema judicial coloca Lesoto no sexto lugar no ranking mundial de homicídios

Kim Ludbrook / EPA

O Lesoto tem a sexta maior taxa de homicídios do mundo, contabilizando 41,25 mortes por cada 100.000 habitantes, revelou um recente relatório da World Population Review.

De acordo com o relatório, citado pelo Guardian, a média global de homicídios é de sete por 100.000 pessoas. No ‘ranking’ mundial, Lesoto – com uma população de pouco mais de 2 milhões de habitantes – está apenas atrás de El Salvador (82,84 por 100.000 pessoas), Honduras (56,52), Venezuela (56,33), Ilhas Virgens (49,26) e Jamaica (47,01).

O Lesoto contabiliza mais homicídios do que países em conflito, como a República Democrática do Congo (RDC) e Moçambique. A RDC tem uma taxa de homicídio de 13,55 e Moçambique de 3,4. A África do Sul tem 33,97 assassinatos por 100.000 pessoas.

Em três meses, seis policiais foram mortos no Lesoto, três desses nas últimas três semanas. Os assassinatos não resolvidos de mulheres e crianças nos últimos anos ajudaram a colocar o país na sexta posição do ‘ranking’.

Analistas referem que as verbas deficitárias para o sistema judicial do país, associadas à inépcia das autoridades, permitiram a libertação de criminosos. Apontam ainda que criminosos conhecidos raramente são levados aos tribunais, havendo poucas condenações.

Entre os efeitos colaterais dessas falhas está uma sensação de impunidade que resultou num grande número de casos de violência doméstica. “A falta de consequências para essas mortes arbitrárias é onde reside o problema”, disse Mahao Mahao, professor da Universidade Nacional do Lesoto.

  Taísa Pagno //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.