Cogumelos mágicos podem ajudar a combater depressão

Uma substância alucinógena presente em cogumelos mostrou-se promissora como possível tratamento para a depressão.

O estudo de curta duração realizado com um pequeno número de voluntários foi feito pelo Imperial College de Londres e publicado na revista especializada The Lancet Psychiatry.

O componente que causa alucinações, a psilocibina – presente nos chamados “cogumelos mágicos” – foi testado num grupo de 12 pacientes, nove dos quais sofriam de depressão aguda e três tinham uma forma mais moderada da doença.

Num dos pacientes, os sintomas já duravam há 30 anos. Todos já tinham tentado pelo menos dois tratamentos diferentes para depressão e não conseguiram melhorar, e um já tinha mesmo tentado 11 tratamentos diversos.

Inicialmente, por razões de segurança, os investigadores deram aos voluntários uma dose baixa de psilocibina. Em seguida, estes receberam uma dose alta, equivalente a “vários cogumelos”, segundo os investigadores.

A experiência psicadélica durou até seis horas, chegando ao seu auge após as primeiras duas horas. Tudo teve o acompanhamento de música clássica e também de apoio psicológico.

Depois da experiência “mística e espiritual” induzida pela substância, oito pacientes já não estavam mais deprimidos.

“Estas experiências com a psilocibina podem ser incrivelmente profundas, às vezes as pessoas têm o que descrevem como experiências místicas ou espirituais”, afirmou Robin Carhart-Harris, um dos investigadores.

“Lubrificante da mente”

Durante a experiência, foram observados efeitos colaterais em grau moderado como ansiedade, confusão, náuseas e dor de cabeça.

Uma semana após a “viagem”, os investigadores observaram uma redução “marcante” nos sintomas de depressão, como ansiedade e anedonia (perda de capacidade de sentir prazer).

“Precisamos de testes mais alargados para compreender se os efeitos que vimos neste estudo podem transformar-se em benefícios a longo prazo”, acrescentou.

David Nutt, outro investigador do Imperial College que participou no estudo, afirmou que os pensamentos de uma pessoa que sofre de depressão podem ficar presos na negatividade e ser extremamente autocríticos.

Nutt afirmou que a psicilobina, neste caso, agiu como uma espécie de “lubrificante da mente” que “libertava” o paciente.

O investigador explica que o composto age sobre os receptores do cérebro que normalmente reagiam à serotonina, hormona ligada ao humor.

Sem placebo

No entanto, não se pode afirmar que o resultado da pesquisa do Imperial College de Londres é claro, já que o número de pessoas envolvidas foi muito pequeno e não houve um grupo de controlo, ou seja, um conjunto de voluntários a tomar placebos (comprimidos sem efeito), necessários em testes robustos.

Questionados pela BBC, os investigadores admitem que “é possível” que toda a melhoria tenha ocorrido por “sugestão” semelhante ao efeito placebo, mas a duração dos efeitos positivos e a mudança na perspectiva dos pacientes sugere que não foi o caso – e que de facto a psilocibina teve um papel determinante nos resultados.

Robin Carhart-Harris afirmou que esta “não é uma cura mágica, não deveríamos deduzir demais” e aguardar por testes mais amplos da substância.

David Nutt, por sua vez, afirmou que o simples facto de conseguir realizar a experiência com a substância alucinógena já foi um marco, aproveitando para criticar as restrições “kafkianas” que dificultaram a pesquisa, refere a revista Nature.

Nutt, que foi demitido do governo britânico onde trabalhava como assessor para orientação em relação às drogas devido às suas opiniões, disse que a burocracia do governo britânico fez com que “o custo para dar uma dose a cada paciente fosse de 1.500 libras (cerca de 1.950 euros), quando em qualquer situação mais sensata teria custado 30 libras (cerca de 40 euros)”.

“A observação mais importante que pode eventualmente justificar o uso de uma droga como a psilocibina para casos de depressão resistente a tratamentos é a demonstração benefícios duradouros em pacientes que anteriormente enfrentaram anos de sintomas, apesar dos tratamentos convencionais, e isto torna os resultados de longo prazo particularmente importantes”, afirmou Philip Cowen, da Universidade de Oxford.

“Os dados do período de três meses de acompanhamento, um período comparativamente curto em pacientes com doenças de longa duração, são promissores, mas não são completamente convincentes”, acrescentou.

ZAP / BBC

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Há mesmo algo de reconfortante quando dizemos palavrões

Um novo estudo sugere que, nas circunstâncias certas, dizer palavrões em voz alta parece fazer as pessoas sentirem menos dor. Exatamente como e porque é que o ato de dizer asneiras consegue fazer com que as …

"Paraministro" de Costa. Gestor independente chamado para negociar plano económico de retoma

O primeiro-ministro, António Costa, convidou o diretor executivo da petrolífera Partex, António Costa Silva, para estudar o plano de recuperação económica. De acordo com o semanário Expresso, que avança a notícia na sua edição deste …

Termina o dever cívico de confinamento

O Conselho de Ministros aprovou esta sexta-feira o fim do “dever cívico de recolhimento”, que entrará em vigor na próxima segunda-feira, prevê a resolução que prolongou a situação de calamidade até 14 de junho. A situação …

"Ratos" de musgo espalham-se pelos glaciares do Ártico (e intrigam cientistas)

A presença de estranhas bolas de musgos nos ecossistemas de glaciares tem atraído a atenção da comunidade científica. Estas estranhas criatura proliferam no Ártico, mas também em regiões da Islândia e América do Sul. Especialistas de …

Há 29 países que podem visitar a Grécia a partir de 15 de junho. Portugal ficou de fora

A partir de 15 de junho, cidadãos oriundos de 29 países poderão visitar a Grécia, revelou esta sexta-feira o Governo helénico, dando conta que a lista elaborada teve em conta a situação epidemiológica de cada …

Portugal Continental não vai ter quarentena para turistas

O primeiro-ministro, António Costa, garantiu esta sexta-feira que Portugal continental não vai aplicar normas de quarentena para quem vier de fora do país. No final de um Conselho de Ministros de quase oito horas, que se …

Jovem de 19 anos morre atingido por disparos durante protesto pela morte de George Floyd

Um jovem de 19 anos morreu depois de alguém que seguia num carro ter disparado sobre uma multidão de pessoas que protestavam contra o homicídio do afro-americano George Floyd, indicou uma porta-voz da polícia de …

O campo magnético da Terra está a enfraquecer misteriosamente

Novos dados de satélite da Agência Espacial Europeia (ESA) mostram que o campo magnético da Terra está a enfraquecer entre África e a América do Sul. O enfraquecimento do campo magnético da Terra está relacionado com …

Morreram os primeiros dois capacetes azuis vítimas da covid-19

Dois militares da força de manutenção da paz das Nações Unidas no Mali morreram devido à covid-19, os primeiros entre cerca de 100.000 soldados e polícias destacados em 15 missões no mundo. "Infelizmente, ontem [quinta-feira] e …

Asteróide que dizimou os dinossauros atingiu a Terra no "mais mortífero ângulo possível"

O asteróide que dizimou os asteróides e 75% de todas espécies à face da Terra há 65 milhões de anos atingiu a Terra no "mais mortífero ângulo possível", concluiu uma investigação do Imperial College de …