Cogumelos mágicos podem ajudar a combater depressão

Uma substância alucinógena presente em cogumelos mostrou-se promissora como possível tratamento para a depressão.

O estudo de curta duração realizado com um pequeno número de voluntários foi feito pelo Imperial College de Londres e publicado na revista especializada The Lancet Psychiatry.

O componente que causa alucinações, a psilocibina – presente nos chamados “cogumelos mágicos” – foi testado num grupo de 12 pacientes, nove dos quais sofriam de depressão aguda e três tinham uma forma mais moderada da doença.

Num dos pacientes, os sintomas já duravam há 30 anos. Todos já tinham tentado pelo menos dois tratamentos diferentes para depressão e não conseguiram melhorar, e um já tinha mesmo tentado 11 tratamentos diversos.

Inicialmente, por razões de segurança, os investigadores deram aos voluntários uma dose baixa de psilocibina. Em seguida, estes receberam uma dose alta, equivalente a “vários cogumelos”, segundo os investigadores.

A experiência psicadélica durou até seis horas, chegando ao seu auge após as primeiras duas horas. Tudo teve o acompanhamento de música clássica e também de apoio psicológico.

Depois da experiência “mística e espiritual” induzida pela substância, oito pacientes já não estavam mais deprimidos.

“Estas experiências com a psilocibina podem ser incrivelmente profundas, às vezes as pessoas têm o que descrevem como experiências místicas ou espirituais”, afirmou Robin Carhart-Harris, um dos investigadores.

“Lubrificante da mente”

Durante a experiência, foram observados efeitos colaterais em grau moderado como ansiedade, confusão, náuseas e dor de cabeça.

Uma semana após a “viagem”, os investigadores observaram uma redução “marcante” nos sintomas de depressão, como ansiedade e anedonia (perda de capacidade de sentir prazer).

“Precisamos de testes mais alargados para compreender se os efeitos que vimos neste estudo podem transformar-se em benefícios a longo prazo”, acrescentou.

David Nutt, outro investigador do Imperial College que participou no estudo, afirmou que os pensamentos de uma pessoa que sofre de depressão podem ficar presos na negatividade e ser extremamente autocríticos.

Nutt afirmou que a psicilobina, neste caso, agiu como uma espécie de “lubrificante da mente” que “libertava” o paciente.

O investigador explica que o composto age sobre os receptores do cérebro que normalmente reagiam à serotonina, hormona ligada ao humor.

Sem placebo

No entanto, não se pode afirmar que o resultado da pesquisa do Imperial College de Londres é claro, já que o número de pessoas envolvidas foi muito pequeno e não houve um grupo de controlo, ou seja, um conjunto de voluntários a tomar placebos (comprimidos sem efeito), necessários em testes robustos.

Questionados pela BBC, os investigadores admitem que “é possível” que toda a melhoria tenha ocorrido por “sugestão” semelhante ao efeito placebo, mas a duração dos efeitos positivos e a mudança na perspectiva dos pacientes sugere que não foi o caso – e que de facto a psilocibina teve um papel determinante nos resultados.

Robin Carhart-Harris afirmou que esta “não é uma cura mágica, não deveríamos deduzir demais” e aguardar por testes mais amplos da substância.

David Nutt, por sua vez, afirmou que o simples facto de conseguir realizar a experiência com a substância alucinógena já foi um marco, aproveitando para criticar as restrições “kafkianas” que dificultaram a pesquisa, refere a revista Nature.

Nutt, que foi demitido do governo britânico onde trabalhava como assessor para orientação em relação às drogas devido às suas opiniões, disse que a burocracia do governo britânico fez com que “o custo para dar uma dose a cada paciente fosse de 1.500 libras (cerca de 1.950 euros), quando em qualquer situação mais sensata teria custado 30 libras (cerca de 40 euros)”.

“A observação mais importante que pode eventualmente justificar o uso de uma droga como a psilocibina para casos de depressão resistente a tratamentos é a demonstração benefícios duradouros em pacientes que anteriormente enfrentaram anos de sintomas, apesar dos tratamentos convencionais, e isto torna os resultados de longo prazo particularmente importantes”, afirmou Philip Cowen, da Universidade de Oxford.

“Os dados do período de três meses de acompanhamento, um período comparativamente curto em pacientes com doenças de longa duração, são promissores, mas não são completamente convincentes”, acrescentou.

ZAP / BBC

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

João Leão prevê para este ano défice de 4,5%. Ministro afasta aumento de impostos e austeridade

A terceira vaga da pandemia forçou o Governo a rever em baixa a previsão de crescimento da economia portuguesa para este ano. Assim, o ministro das Finanças antecipa um défice de 4,5% e crescimento de …

Já não é preciso isolamento para idosos que saiam dos lares por mais de 24 horas

Os idosos que vivem nos lares e que saiam por períodos superiores a 24 horas já não precisam de fazer o isolamento de 14 dias, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS). Na orientação atualizada nesta quinta-feira, …

Mais duas mortes e 501 casos nas últimas 24 horas em Portugal

O boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS) indica que Portugal registou, nas últimas 24 horas, 501 novos casos de covid-19. O relatório desta quinta-feira (15 de abril) dá também conta de mais duas mortes …

PCP quer criar crime de enriquecimento injustificado com pena agravada para políticos

O PCP propôs esta quinta-feira, no Parlamento, a criação do crime de enriquecimento injustificado, com penas até três anos, mas que é agravado para titulares de cargos políticos e públicos, até aos cinco. O projeto dos …

Câmara de Lisboa estende testagem gratuita a todos os moradores

A Câmara de Lisboa decidiu alargar, a partir de quinta-feira, a testagem gratuita nas farmácias à covid-19 a todos os moradores, deixando o programa de estar limitado às freguesias com maior incidência da doença, foi …

"Fechaduras", testemunha do julgamento de Tancos, está em parte incerta

Paulo Lemos, conhecido como "Fechaduras", testemunha da acusação e da defesa no caso de Tancos, não compareceu em 08 de março à audiência e voltou a não aparecer esta quinta-feira, com o Tribunal de Santarém …

General que lidera o SIRESP apresenta demissão

O Diário de Notícias avança, esta quinta-feira, que o general que lidera o SIRESP apresentou demissão, tendo invocado "razões pessoais". De acordo com o Diário de Notícias, o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, já recebeu …

Agente que matou Daunte Wright vai ser acusada por homicídio de segundo grau

A polícia que matou a tiro, no domingo, um jovem afro-americano em Brooklyn Center, no Minnesota, Estados Unidos, vai ser acusada por homicídio de segundo grau. Depois de ter apresentado a demissão da polícia de Brooklyn …

Sócrates acusa juiz de ir "além do seu poder" e PS de "profunda canalhice"

O ex-primeiro-ministro afirmou que o juiz de instrução "não tem o direito" de o indiciar "de crimes novos" e acusou o "mandante" de Fernando Medina na liderança do PS de "profunda canalhice". Foi a primeira entrevista …

Ana Gomes critica "silêncio ensurdecedor" do PS (e teme que ainda exista "o culto de Sócrates")

A ex-candidata à Presidência da República Ana Gomes criticou esta quinta-feira António Costa e outros dirigentes do PS por se manterem em silêncio relativamente ao caso Operação Marquês e responsabilizou vários governos pela ineficácia no …