/

Cientistas já sabem porque é que este coelho anda só com as patas da frente

(dr) R. Cavignaux / Carneiro M et al., 2021, PLOS Genetics

O coelho saltador d’Alfort

Cientistas conseguiram perceber qual é a razão genética que faz com que estes coelhos muito raros andem só com as patas da frente.

De acordo com o site Science Alert, o coelho saltador d’Alfort é muito raro e distingue-se por andar com as patas traseiras no ar. Apesar de parecer uma característica divertida, a verdade é que está associada a alguns problemas que debilitam o animal.

Agora, o único coelho macho desta raça que ainda se encontra vivo ajudou uma equipa de cientistas, na qual se incluem vários portugueses, a entender melhor a razão genética por trás desta situação.

Os investigadores cruzaram este macho com uma fêmea de raça branca da Nova Zelândia e, depois, cruzaram os filhos de ambos. No total, a equipa criou 52 coelhos, dos quais 23% carregavam duas cópias do gene mutante semelhante ao do coelho original.

Agrupando o ADN dos coelhos jovens saltadores e não saltadores, os cientistas usaram o sequenciamento completo do genoma para comparar os dois grupos. No final, e tal como tinham previsto, houve apenas um gene que se destacou.

Segundo o mesmo site, a causa desta forma de andar defeituosa parece estar numa mutação num local conservado evolutivamente de um gene conhecido como RORB, que dá instruções às células dos mamíferos para que possam criar certas proteínas.

As proteínas RORB são geralmente encontradas em todo o sistema nervoso dos coelhos, onde ajudam a transformar o código genético num modelo de construção de proteína. Esta mutação em particular, contudo, causa uma diminuição acentuada do número de neurónios da medula espinal que podem realmente produzir a proteína.

Aliás, duas cópias da mutação RORB resultaram mesmo na inexistência da proteína na medula espinal, o que estava relacionado com a incapacidade dos coelhos de saltar. Outras crias da ninhada capazes de saltar com as patas traseiras não apresentaram, por sua vez, esta perda de proteína.

Assim, concluíram os cientistas, no estudo publicado a 25 de março na revista científica PLOS Genetics, o gene RORB deverá ser o que permite aos coelhos movimentarem-se. E também poderá ser a chave para o salto de outros mamíferos.

Estas conclusões baseiam-se em estudos anteriores em ratos, que mostraram que os animais sem este gene também tinham um andar diferente, semelhante ao de um pato.

Apesar de serem necessárias mais pesquisas sobre os efeitos desta mutação RORB, parece certo que está envolvida de alguma forma nesta característica, até porque foi a única variante identificada em toda a sequência do genoma dos coelhos que teve algum impacto no salto.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.