Coates temeu sofrer ataque idêntico a Alcochete quando marcou vários autogolos

Miguel A. Lopes / Lusa

O futebolista Sebastien Coates assumiu esta quinta-feira em tribunal que ficou “em choque” aquando do ataque à Academia do Sporting e que pensou em sair do clube após a invasão, receando a repetição do episódio de violência.

“Após o ataque, liguei à minha companheira e contei o que tinha passado. Disse-lhe que estava bem, mas que outros colegas tinham sido agredidos. Pedi-lhe que fosse para o Uruguai por causa dos nossos filhos. Depois liguei para o meu agente, pois estava com muito medo e com muitos pensamentos em sair do clube“, revelou o internacional uruguaio.

O defesa central recordou o momento complicado pelo qual passou esta época, com vários autogolos, e que, nessa fase, chegou a pensar que “isto voltasse a acontecer”, lembrando que os invasores tinham quatro jogadores como alvos bem definidos: Acuña, Battaglia, Rui Patrício e William Carvalho.

Na reunião de 7 de abril de 2018, após a derrota com o Atlético de Madrid, e o ‘post’ de Bruno de Carvalho a criticar os jogadores, Coates afirmou que o então presidente “não estava no seu estado normal”, em alusão à discussão de Bruno de Carvalho com Rui Patrício e William Carvalho.

Coates foi ouvido, por videoconferência a partir do Tribunal do Montijo, na 15.ª sessão do julgamento da invasão à academia ‘leonina’, em Alcochete, em 15 de maio de 2018, com 44 arguidos, incluindo o antigo presidente do clube Bruno de Carvalho, que decorre no Tribunal de Monsanto, em Lisboa.

O futebolista estava no ginásio com outros colegas quando viu a chegar vários “encapuzados”, enquanto Ricardo Gonçalves, então diretor de segurança da Academia, tentava “controlá-los”, para que não entrassem nos campos de treino.

“Assim que saímos do ginásio, o André Pinto foi a correr para avisar os meus colegas e eu fui logo a seguir. Quando cheguei, estava o Vasco Fernandes [secretário técnico do Sporting] a tentar impedir a entrada deles no balneário“, explicou.

Segundo Coates, “seriam entre 30 a 40 pessoas” que entraram no balneário, onde estava quase todos os elementos do plantel e os fisioterapeutas.

“Assim que entraram, começaram a procurar por Acuña, Battagglia, Rui Patrício e William. Empurraram e atiraram um garrafão de água contra o Battaglia. Para nós foi um choque, não estávamos à espera que fizessem isto”, declarou a testemunha.

Coates ainda tentou proteger William Carvalho, mas foi afastado pelos invasores, que também lançaram tochas.

“Pus-me à frente daqueles que se dirigiram ao William Carvalho, mas disseram-me para sair da frente, pois não era nada comigo. Diziam que o William não era digno de vestir a camisola do Sporting e agrediram-no com um cinto e com murros. Foi agredido nas costas, estavam quatro a cinco indivíduos com ele”, descreveu.

Após as agressões, William Carvalho saiu do balneário e foi seguido por alguns dos invasores. “Não sei se saiu a fugir ou se foi atrás de alguém. Todos os elementos que inicialmente o estavam a atacar foram atrás do William”, indicou um dos atuais capitães do Sporting.

Coates viu ainda agressões ao fisioterapeuta Ludovico Marques, atingido na cara com uma bolsa, e ao então preparador físico Mário Monteiro, que levou com uma tocha na barriga.

Estavam todos a insultar. Também houve ameaças aos jogadores, em geral. Um deles disse-me que eu não merecia vestir a camisola do Sporting”, contou o central, acrescentando que “havia gente [invasores] à porta [do balneário] e que ninguém tentou sair”, por medo e por terem ficado “todos em choque”.

Antes da saída dos invasores, ouviu frases como ‘vamos embora’ e ‘se não ganharem no domingo, vão ver o que vos acontece’, em alusão à final da Taça de Portugal que se disputou no domingo seguinte diante o Desportivo das Aves, que o Sporting viria a perder por 1-0.

Antes de Coates, o tribunal concluiu a inquirição a Battaglia, iniciada na terça-feira, tendo o médio argentino recordado a rescisão com o Sporting, após o ataque.

“Rescindi porque, depois do que aconteceu, de me terem batido e tratado como trataram, achei que era o melhor para mim e para a minha família“, explicou.

O médio regressou depois ao Sporting, com a garantida de que o clube lhe garantiria “segurança máxima”, sendo esse um dos aspetos “mais importantes” para o seu regresso, confirmando agora mais segurança na academia.

Miguel Fonseca, advogado de Bruno de Carvalho, ainda tentou questionar o jogador sobre o salário que auferia antes e depois do ataque, mas a presidente do coletivo de juízes, Sílvia Pires, não o deixou fazer a pergunta, por não ser objeto do processo.

A sessão de hoje, a 15ª, foi a última deste ano. O julgamento, que começou em 18 de novembro, será retomado em 6 de janeiro de 2020.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Devolução de manuais. Diretores acusam políticos de "brincar às escolinhas"

Os diretores escolares criticaram hoje o 'timing' da proposta de suspensão de devolução de manuais escolares, acusando os políticos de andar a “brincar às escolinhas” sem perceberem o trabalho que implica reutilizar milhões de livros. O …

Passageiros dos EUA e PALOP têm de apresentar teste negativo de covid-19

O Governo prorrogou várias medidas restritivas do tráfego aéreo com destino e a partir de Portugal, com novas orientações e exceções, num despacho publicado terça-feira em Diário da República. Segundo noticiou o Expresso, um comunicado do …

PGR angolana diz que Isabel dos Santos pode ser ouvida em Portugal

Isabel dos Santos pode ser ouvida em Portugal ou noutro país com acordos judiciários com Angola, no âmbito do processo-crime por alegada má gestão e desvio de fundos da Sonangol, disse à Lusa fonte da …

Autoridades descartam participação da milícia "Escritório do Crime" no caso Marielle Franco

O envolvimento da milícia conhecida como "Escritório do Crime" no homicídio da vereadora e ativista Marielle Franco chegou a ser investigado, mas foi descartado pela polícia brasileira. O delegado brasileiro Daniel Rosa, da cidade do Rio …

Desconfinamento não foi suficiente. Desemprego volta a subir em Espanha para valores de 2016

O número de desempregados inscritos nos serviços públicos de emprego em Espanha voltou a aumentar em 5.107 pessoas em junho, uma desaceleração em relação a maio, atingindo um total de 3.862.883 espanhóis. De acordo com os …

Governo vai monitorizar discurso de ódio na Internet

O Governo vai monitorizar o discurso de ódio nas plataformas online, estando "em vias" de dar início à contratação pública de um projeto que deverá traduzir-se num barómetro mensal de acompanhamento e identificação de sites. Segundo …

Tribunal britânico decide que é Guaidó (e não Maduro) quem manda nas reservas de ouro da Venezuela

A justiça britânica decidiu esta quinta-feira que é o líder da oposição venezuelana Juan Guaidó e não o Presidente Nicolás Maduro quem tem autoridade sobre as reservas de ouro da Venezuela depositadas no Banco de …

Mistério resolvido. Cientistas descobriram como é que as cobras "voam"

Nem todas as cobras se movem arrastando-se discretamente pelo chão. Há uma cobra do género Chrysopelea que parece voar de árvore em árvore. Agora, os cientistas descobriram como é que estes animais se movem pelo …

Mais de 80 mil pessoas registaram-se na Segurança Social desde janeiro

O programa “Segurança Social na Hora”, criado em janeiro deste ano, abrangeu até ao momento 80.700 pessoas, de acordo com os dados divulgados pela ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social (MTSSS). Ana Mendes Godinho avançou …

Douro. Poluição regressa a valores anteriores ao estado de emergência

Os valores de contaminação do estuário do rio Douro, que durante o estado de emergência baixaram a níveis só vistos há mais de 30 anos, já regressaram aos valores pré-pandemia. As boas notícias "rapidamente se esfumaram". …