Choveram cristais para tornar as nuvens mais claras (e isso pode salvar a Grande Barreira de Coral)

Uma equipa de investigadores realizou um teste de “clareamento das nuvens”, para testar se o reflexo da energia do Sol pode ajudar a limitar os danos na Grande Barreira de Coral.

Em apenas cinco anos, a Grande Barreira de Coral está a viver o terceiro grande evento de branqueamento em massa. Para mitigar este problema, uma equipa de cientistas realizou uma nova tentativa para salvar o ecossistema.

Desta vez, usaram uma turbina modificada com 100 bicos de alta pressão para pulverizar biliões de cristais de sal no ar. Em teoria, os minúsculos cristais de sal são capazes de se misturar com nuvens de baixa altitude, tornando-as mais brilhantes e refletindo mais luz solar.

Daniel Harrison, da Southern Cross University, disse ao The Guardian que esta experiência demonstrou a eficácia deste sistema. Os cientistas realizaram este teste entre 25 e 28 de março, no recife Broadhurst, em Queensland.

A técnica envolve a adição de pequenas partículas à atmosfera, que agem como sementes às quais o vapor de água se pode agarrar para gerar gotículas e formar nuvens brilhantes e reflexivas. Além de ser uma tecnologia relativamente barata, pode ser implantada em escala e dá início a um processo que ocorre naturalmente.

“A natureza faz a maior parte do trabalho.” No fundo, esta técnica impulsiona um processo natural, uma vez que as nuvens se formam, principalmente, sobre o oceano, quando a humidade se reúne em torno de cristais de sal agitados pelos ventos da superfície oceânica.

A equipa pulverizou as gotículas microscópicas de água do mar no ar, que evaporaram e formaram cristais de sal marinho em nanoescala. Estas “sementes” geraram nuvens mais brilhantes e refletivas.

“Testamos esta técnica usando um drone na atmosfera e um navio de amostragem a 5 quilómetros da superfície do mar. Conseguimos provar que podemos criar centenas de biliões de cristais de sal marinho por segundo, que flutuam na atmosfera para aumentar a refletividade das nuvens existentes”, explicou Harrison.

A equipa espera repetir estes resultados, já no próximo ano, mas numa escala muito maior. Os cientistas acreditam que esta abordagem pode “iluminar” as nuvens, cobrindo uma área de 20 x 20 km. No entanto, aplicar esta técnica neste tipo de escala pode trazer problemas e imprevistos ao meio ambiente.

Por esse motivo, a equipa vai avaliar os impactos ambientais desta técnica durante quatro anos. Ainda assim, acreditam que o potencial é claro.

“O clareamento das nuvens pode proteger potencialmente toda a Grande Barreira de Coral do branqueamento de maneira relativamente económica, comprando um tempo precioso para a mitigação das mudanças climáticas de longo prazo”, disse Harrison.

“No futuro, esta tecnologia poderá ser aplicada sobre a Grande Barreira de Coral para reduzir a severidade do branqueamento durante as ondas de calor marinhas”, rematou o investigador.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Tempestade de areia "engoliu" cidade na China

Uma forte tempestade de areia "engoliu" a cidade de Dunhuang, no noroeste da China, no passado domingo. De acordo com o South China Morning Post, a forte tempestade de areia, que provocou nuvens de poeira com …

Raíssa faz bolachas com o lema "Fora Bolsonaro". Já se tornaram virais

Uma brasileira começou a fazer bolachas com o lema "Fora Bolsonaro" em jeito de brincadeira, mas agora já vende centenas todos os dias. Aquilo que começou como uma simples brincadeira, acabou por tornar-se viral. A ideia …

Zara, 19 anos, quer ser a mulher mais nova de sempre a voar sozinha à volta do mundo

Uma jovem, de 19 anos, pôs mãos à obra para levar a cabo um "gap year" (o chamado ano sabático) com um propósito muito fora do comum: tornar-se a mulher mais nova de sempre a …

Francês diz ter usado método matemático para ganhar o Euromilhões

O francês, que não quis revelar a sua fórmula à imprensa, ganhou, no dia 11 de junho, 30 milhões de euros com a combinação com a qual jogava há um mês. A história foi contada, esta …

Mais de metade da população portuguesa já tem a vacinação completa

Mais de metade da população residente em Portugal (52%) já tem a vacinação completa contra a covid-19, revela o relatório semanal de vacinação divulgado esta terça-feira pela Direção-Geral da Saúde (DGS). Segundo o último relatório semanal …

Campeão olímpico criou problemas no seu país natal

Richard Carapaz, medalha de ouro no ciclismo, foi direto: "O país nunca acreditou em mim". Presidente do Equador, ministro e Comité Olímpico reagiram. Poucos dias depois de ter subido ao pódio final da Volta a França …

Jovens preocupados com fertilidade e efeitos secundários das vacinas contra a covid-19

Com o avanço das campanhas de vacinação, um grande número de pessoas das faixas etárias baixo dos 30 anos mostra-se relutante em tomar a vacina contra a covid-19. Os jovens falam de preocupações com fertilidade …

Dois gestos de Cla(ri)sse que ficam para a memória olímpica

Clarisse Agbégnénou foi campeã olímpica no judo, pela primeira vez - mas a atitude que demonstrou, mal venceu a final, ficará também nos registos. Campeã mundial cinco vezes, mais duas medalhas de prata. Cinco medalhas em …

Sindicatos avançam com ações legais para travar despedimento coletivo na TAP

Os sindicatos que representam os trabalhadores da TAP vão avançar com ações legais para travar o despedimento coletivo que a empresa iniciou na segunda-feira, que abrange 124 profissionais. "Até agora houve conversa, a partir de agora …

Ginastas alemãs usam fato integral para combater sexualização da modalidade

Ao contrário do que acontece com os ginastas masculinos, que podem optar por calções ou calças, as mulheres competem, desde o início da modalidade, de bodies que expõem grande parte do seu corpo. Quando, no último …