Claque do Inter escreve a Lukaku para explicar que sons de macaco “não são racismo”

Fabio Murru / EPA

A claque do Inter escreveu ao futebolista Romelu Lukaku, que esta temporada trocou o Manchester United pelo emblema italiano, para explicar que os cânticos “racistas” de que foi alvo no jogo de domingo não são, na verdade, racistas.

Na partida do passado fim-de-semana, quando se preparava para bater uma grande penalidade, que acabou por dar a vitória ao Inter frente ao Cagliari (2-1), Lukaku ouviu  cânticos da equipa adversária a imitar macacos vindos da bancada.

No fim da partida, e recorrendo ao Twitter, o futebolista belga recorreu ao Twitter para condenar os cânticos, mencionando um “mundo que anda para trás” e recordando outros colegas que foram vítimas de abuso racial nos últimos meses.

Face ao sucedido, a Federação Italiana de Futebol prometeu investigar e até a claque do Inter, a Curva Nord, veio defender, através de uma carta aberta, a atitude dos adeptos do Cagliari. Segundo os adeptos do Inter, aquele tipo de cânticos fazem “parte do jogo”, defendendo que Lukaku entendeu mal a tradição do futebol em Itália.

Na mesma carta, divulgada pela claque do Inter nas suas redes sociais, os adeptos dizem mesmo que os próprios vão continuar a utilizar esta “tática”, referindo-se ao cânticos”, para desestabilizar os adversários.

“Estamos a escrever-te da parte da Curva Nord. Sim, os que te receberam na chegada a Milão. Lamentamos verdadeiramente que tenhas pensado que o que aconteceu em Cagliari foi racismo. Tens de perceber que Itália não é como vários outros países do Norte da Europa, onde o racismo é um problema real“, pode ler-se.

“Acreditamos que possa ter-te parecido [racismo], mas não é nada disso. Em Itália, usamos alguns truques para ajudar as nossas equipas e tentar enervar os adversários. Não é racismo, é só para os enervar”, explica a claque.

“Somos um grupo multiétnico e sempre recebemos jogadores de todos os lados. No entanto, sempre usámos esses métodos com jogadores de outros clube e vamos continuar a usar. Os adeptos do Cagliari não são racistas. Considera, por outro lado que é uma forma de respeito, porque apenas têm medo que lhes marques um golo, não porque te odeiam. O verdadeiro racismo é outra coisa”, detalha a claque, insurgindo-se depois contra o jogador da sua própria equipa.

“Quando dizes que o racismo deve ser combatido em Itália, estás a ajudar a que haja repressão contra os adeptos e contribuis para a criação de um problema que não existe. Somos muito sensíveis e inclusivos. A luta contra o racismo deve começar nas escolas e não nos estádios”, rematam os adeptos.

Segundo escreve o Sapo Desporto, o Cagliari tem já registo deste tipo de comentários contra jogadores africanos ou de origem africana. Eto´o, Balotelli, Muntari, Matuidi, Moise Kean são alguns dos exemplos.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Nada como ter um Macaco a liderar a claque como nós no FCP. Assim ninguém pode dizer que há racismo ou que imitar o som de um macaco é racismo. O nosso líder é um Macaco 🙂

RESPONDER

Homicídios disparam na maioria das cidades norte-americanas durante a pandemia

O número de homicídios cometidos em solo norte-americano disparou na maioria das cidades do país na primeira metade de 2020, comparativamente com o mesmo período do ano passado, revela uma investigação do New York Times. …

Investigadores desenvolvem robô-cientista (e já descobriu um novo catalisador)

Uma equipa de cientistas da Universidade de Liverpool, no Reino Unido, construiu um robô-cientista móvel inteligente, que realiza experiências sem ajuda humana. O novo robô-cientista toma decisões sozinho e já descobriu um novo catalisador. Segundo a …

Sérgio Figueiredo deixa direção de informação da TVI

Sérgio Figueiredo saiu do cargo de diretor de informação da TVI, anuncia a estação de televisão em comunicado enviado às redações. A cessação de funções é efetiva a partir desta sexta (10) e põe fim a …

Dinamarca lança "passaporte covid-19"

O Governo da Dinamarca lançou o "passaporte covid-19", um documento que atesta que o portador do mesmo não teve um resultado positivo ao novo coronavírus recentemente. Deverá ser utilizado em viagens internas ou externas. De …

Mais oito mortes e 342 novos casos. Mais 305 pessoas dadas como recuperadas

Portugal regista este sábado mais oito mortes por covid-19 e mais 342 casos confirmados em relação a sexta-feira, segundo dados da Direção-Geral de Saúde. De acordo com o boletim epidemiológico diário da DGS, há 46.221 casos …

Ainda há esperança para os gorilas mais raros do mundo. Foram fotografados com crias

Os gorilas do rio Cross, os mais raros do mundo, foram fotografados na Nigéria com algumas crias, aumentando a esperança para esta espécie de primatas. A fotografias foram divulgadas por uma organização não-governamental nigeriana, a …

"Já sofreu muito". Trump comuta pena de prisão do seu amigo e antigo conselheiro Roger Stone

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, comutou a pena de prisão do seu amigo e antigo conselheiro Roger Stone, que foi condenado em fevereiro a 40 meses de prisão, anunciou sexta-feira a Casa Branca. Roger …

Armas, droga, sucata e prostituição financiam neonazis portugueses (mas lucros não vão todos para a causa)

Os grupos neonazis portugueses são "bastante desorganizados" e financiam-se com dinheiro obtido em negócios ilícitos, como o tráfico de armas, de droga e de mulheres para prostituição e a sucata. Mas os ganhos obtidos não …

"Nem de perto nem de longe". DGS não recomenda reabertura de parques infantis

A reabertura de parques infantis não é “nem de perto nem de longe” recomendada pela Direção-Geral de Saúde (DGS), disse a diretora-geral que explicou que as crianças devem brincar no modelo de “bolhas familiares”. “Pela sua …

Pastor presbiteriano é o novo (e quarto) ministro da Educação de Bolsonaro

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, nomeou esta sexta-feira o professor e pastor presbiteriano Milton Ribeiro para ministro da Educação, sucedendo no cargo a Carlos Decotelli, que se demitiu antes de tomar posse. É o quarto ministro …