Claque do Inter escreve a Lukaku para explicar que sons de macaco “não são racismo”

Fabio Murru / EPA

A claque do Inter escreveu ao futebolista Romelu Lukaku, que esta temporada trocou o Manchester United pelo emblema italiano, para explicar que os cânticos “racistas” de que foi alvo no jogo de domingo não são, na verdade, racistas.

Na partida do passado fim-de-semana, quando se preparava para bater uma grande penalidade, que acabou por dar a vitória ao Inter frente ao Cagliari (2-1), Lukaku ouviu  cânticos da equipa adversária a imitar macacos vindos da bancada.

No fim da partida, e recorrendo ao Twitter, o futebolista belga recorreu ao Twitter para condenar os cânticos, mencionando um “mundo que anda para trás” e recordando outros colegas que foram vítimas de abuso racial nos últimos meses.

Face ao sucedido, a Federação Italiana de Futebol prometeu investigar e até a claque do Inter, a Curva Nord, veio defender, através de uma carta aberta, a atitude dos adeptos do Cagliari. Segundo os adeptos do Inter, aquele tipo de cânticos fazem “parte do jogo”, defendendo que Lukaku entendeu mal a tradição do futebol em Itália.

Na mesma carta, divulgada pela claque do Inter nas suas redes sociais, os adeptos dizem mesmo que os próprios vão continuar a utilizar esta “tática”, referindo-se ao cânticos”, para desestabilizar os adversários.

“Estamos a escrever-te da parte da Curva Nord. Sim, os que te receberam na chegada a Milão. Lamentamos verdadeiramente que tenhas pensado que o que aconteceu em Cagliari foi racismo. Tens de perceber que Itália não é como vários outros países do Norte da Europa, onde o racismo é um problema real“, pode ler-se.

“Acreditamos que possa ter-te parecido [racismo], mas não é nada disso. Em Itália, usamos alguns truques para ajudar as nossas equipas e tentar enervar os adversários. Não é racismo, é só para os enervar”, explica a claque.

“Somos um grupo multiétnico e sempre recebemos jogadores de todos os lados. No entanto, sempre usámos esses métodos com jogadores de outros clube e vamos continuar a usar. Os adeptos do Cagliari não são racistas. Considera, por outro lado que é uma forma de respeito, porque apenas têm medo que lhes marques um golo, não porque te odeiam. O verdadeiro racismo é outra coisa”, detalha a claque, insurgindo-se depois contra o jogador da sua própria equipa.

“Quando dizes que o racismo deve ser combatido em Itália, estás a ajudar a que haja repressão contra os adeptos e contribuis para a criação de um problema que não existe. Somos muito sensíveis e inclusivos. A luta contra o racismo deve começar nas escolas e não nos estádios”, rematam os adeptos.

Segundo escreve o Sapo Desporto, o Cagliari tem já registo deste tipo de comentários contra jogadores africanos ou de origem africana. Eto´o, Balotelli, Muntari, Matuidi, Moise Kean são alguns dos exemplos.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Nada como ter um Macaco a liderar a claque como nós no FCP. Assim ninguém pode dizer que há racismo ou que imitar o som de um macaco é racismo. O nosso líder é um Macaco 🙂

RESPONDER

Rainha Isabel II está a procura de um gestor de redes sociais

A família real britânica está à procura de um gestor de redes sociais. O salário vai oscilar entre os 53 e 59 mil euros anuais por 37 horas semanais, de segunda a sexta-feira. A rainha Isabel II …

Cinco antepassados de crocodilos viveram há 150 milhões de anos na Lourinhã

Pelo menos cinco crocodilomorfos, antepassados dos crocodilos, viveram na região da Lourinhã há 150 milhões de anos, durante o período do Jurássico. Num artigo publicado na Zoological Journal of the Linnean Society, os paleontólogos Alexandre Guillaume, …

A radiação de Chernobyl está a deixar as vespas esfomeadas (e isso é má notícia)

A Zona de Exclusão de Chernobyl é a área em torno da cidade ucraniana de Pripyat, onde a Central Nuclear de Chernobyl entrou em colapso em 1986. Apesar de não haver humanos na região, e …

Beethoven deixou a 10.ª sinfonia inacabada (e a IA vai completá-la)

Um dos maiores dilemas da história da música é a obra inacabada de Ludwig van Beethoven (1770-1827), a "10ª sinfonia", com muitos músicos a esforçar-se para finalizá-la, utilizando alguns dos fragmentos disponíveis, mas sem sucesso. Desta …

Orcas bebé têm maior probabilidade de sobreviver se viverem com a avó

Crias de orca que vivam com a avó têm uma maior probabilidade de sobreviver quando comparadas às outras orcas. A experiência destas espécimes mais velhas é essencial para o grupo. Tal como nos humanos, as avós …

A "capital mundial das pessoas feias" mora na Itália

Piobbico, na Itália, é uma cidade medieval repleta de grandes edifícios de pedra cercados por florestas exuberantes. No entanto, a cidade é conhecida pela feiura dos seus habitantes. Esta cidade, com cerca de 2.000 habitantes, alberga …

Jovem norte-americano despistou-se e caiu ao rio. Siri chamou os bombeiros

Um jovem norte-americano estava a caminho da universidade quando perdeu o controlo do carro, que derrapou sobre gelo, e foi parar ao rio Winnebago. Como não conseguiu encontrar o seu telemóvel, recorreu à Siri para …

Basta uma máscara impressa para enganar os sistemas de reconhecimento facial

Especialistas da empresa de inteligência artificial Kneron testaram sistemas em três continentes e vários falharam. O reconhecimento facial é, cada vez mais, um método de controlo e de segurança encarado como credível e, inclusivamente, usado …

Pandit olha para as vacas como família e quer produzir "leite ético" para vegans

Um agricultor nos Estados Unidos quer produzir "leite ético" para vegans, mantendo como prioridade o bem-estar e a saúde das vacas. Ultimamente, o consumo de leite tem sido posto cada vez mais em causa. Não só …

Jogadores do Arsenal doam um dia de salário para ações solidárias

Os futebolistas e a equipa técnica do Arsenal vão doar um dia de salário para ações solidárias de Natal. Os elementos técnicos também entraram na iniciativa, que prevê, ainda, a doação da receita do próximo …