Cientistas procuram a civilização industrial do tempo dos dinossauros

University of Rochester illustration / Michael Osadciw

Ilustração da “Hipótese Siluriana”, teoria que analisa potencial civilização industrial anterior à nossa.

Seres reptilianos e inteligentes chamados Silurianos viveram na Terra, muito antes de a humanidade aparecer. Esta certeza da ficção científica do “Doctor Who” é hipótese teórica de uma investigação que envolve o director do Instituto Goddard da NASA para os Estudos Espaciais, e que analisa a possibilidade de encontrarmos uma eventual civilização industrial anterior à nossa.

Esta investigação realizada por Gavin A. Schmidt, climatólogo e director do Instituto Goddard da NASA para os Estudos Espaciais (GISS), e por Adam Frank, professor de Astronomia e de Física da Universidade de Rochester, nos EUA, aborda a possibilidade de ter existido uma civilização industrial antiga, especulando como é que poderemos encontrar provas da sua existência.

Formas de vida complexas existem na Terra há cerca de 400 milhões de anos, enquanto a civilização industrial humana tem apenas cerca de 300 anos. Este cenário levanta a possibilidade de ter existido, muito antes de a humanidade existir, uma outra civilização inteligente e não humana.

É assim que os investigadores contextualizam o que chamam de “Hipótese Siluriana”, numa referência ao “velho episódio do Doctor Who com répteis inteligentes”, como explica Adam Frank num artigo no The Atlantic.

O professor de astronomia refere-se a episódios da série de ficção científica britânica “Doctor Who”, que foram exibidos nos anos de 1970, e que tinham os répteis bípedes e inteligentes chamados Silurianos como protagonistas.

Na história fictícia, os Silurianos teriam evoluído na Terra há entre 443 a 416 milhões de anos, entrando depois em estado de hibernação, para evitar as catástrofes do planeta, e “acordando” devido a uma experiência nuclear secreta numa mina escocesa.

A “pegada geológica”

Os investigadores não encontraram “nenhuma evidência de outra civilização industrial” além da nossa, e depararam-se com mais perguntas do que respostas.

Perceber que pegadas geológicas deixam as civilizações e se é possível detectar uma civilização industrial no registo geológico, depois do seu desaparecimento da face da Terra, são algumas das questões abordadas no estudo publicado no International Journal of Astrobiology.

A “Hipótese Siluriana” define uma civilização pelo uso da energia, e Schmidt e Franck partem do conceito do Antropoceno, a nova era humana que vivemos presentemente, segundo a teoria de alguns cientistas.

O Antropoceno é caracterizado pela forte marca da actividade humana no clima e no meio-ambiente, com os combustíveis fósseis a serem definidos como a grande “pegada geológica” dos humanos.

Analisando as evidências que os futuros cientistas poderão encontrar do Antropoceno, daqui a milhões de anos, os investigadores traçaram os tipos de vestígios que uma civilização industrial antiga poderá ter deixado.

“Os seres humanos começaram a queimar combustíveis fósseis há mais de 300 anos, marcando o início da industrialização“, refere o comunicado sobre o estudo divulgado pela Universidade de Rochester.

“A emissão de combustíveis fósseis para a atmosfera já alterou o ciclo do carbono de uma forma que está registada nos isótopos de carbono”, destaca a mesma nota.

Mas a “pegada geológica” humana pode ser também detectada devido ao aquecimento global, à agricultura, à contaminação por plásticos e à guerra nuclear.

“O uso extensivo de fertilizante, por exemplo, mantém 7 mil milhões de pessoas alimentadas, mas também significa que estamos a redireccionar os fluxos de nitrogénio do planeta para a produção alimentar”, explica Franck , realçando que “futuros investigadores devem ver isto nas características do nitrogénio que vai aparecer nos sedimentos da nossa era”.

“Até o uso de esteróides sintéticos se tornou tão generalizado, que também poderá ser detectado em estrato geológico daqui a 10 milhões de anos“, acrescenta o investigador.

É para este tipo de indícios que se deve olhar para procurar essa tal civilização industrial antiga, mas Franck avisa que “seria muito fácil” não a detectar, caso tenha “durado apenas 100.000 anos, o que já seria 500 vezes mais do que a nossa civilização industrial conseguiu até agora”.

O curioso é que nem Schmidt, nem Franck acreditam que essa civilização antiga possa ter existido, mas só o facto de se questionar se existiu permite analisar os tipos de impactos que uma qualquer civilização pode ter na Terra. E isto leva à problemática das alterações climáticas.

Irónico é que quanto mais uma civilização actuar de forma sustentável, e portanto com menor impacto energético no planeta, menos “pegadas” da sua existência deixará para as futuras gerações, atestam os investigadores.

Mas a principal conclusão deste estudo é que a queda de civilizações pode ser o gatilho para despoletar civilizações futuras, abrindo também novas teorias e ideias para a procura de sinais de vida extraterrestre.

A investigação “abriu a possibilidade especulativa de que alguns planetas podem ter ciclos de construção e de queda de civilizações impulsionados pelos combustíveis fósseis“, atesta Franck no The Atlantic.

“Se uma civilização usa combustíveis fósseis, as alterações climáticas que despoleta podem levar a um grande decréscimo nos níveis de oxigénio no oceano. Estes níveis baixos de oxigénio – a chamada anoxia do oceano – ajudam a desencadear as condições necessárias para fazer combustíveis fósseis como o petróleo e o carvão”, atesta o investigador, concluindo que, deste modo, uma civilização e o seu desaparecimento “podem semear novas civilizações no futuro”.

SV, ZAP //

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. “É o caso de “pervasivo” (pervasive), que não consta dos dicionários de língua portuguesa, nem mesmo dos especializados na área da medicina.

    Na Internet, porém, o Google regista 1830 ocorrências da palavra “pervasivo” em páginas escritas em português. Em muitas delas, o adje{#c|}tivo é usado no âmbito da informática e sobretudo por falantes brasileiros.”

    ( https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/o-significado-da-palavra-pervasivo/23693 )

RESPONDER

A Evolução mostra que podemos ser a única forma de vida inteligente no Universo

As reduzidas probabilidades que acompanham a nossa evolução ao longo da história podem ser uma pista que talvez sejamos a única forma de vida inteligente no Universo. Será que estamos sozinhos no Universo? Tudo se resume …

A China está a usar a educação como arma para controlar o Tibete

A China quer obrigar crianças tibetanas a abandonarem as escolas da região e mudarem-se para escolas chinesas. O objetivo, segundo uma especialista, é "tirar o tibetano da criança". A batalha geopolítica entre a China e o …

Revelada explosão violenta no coração de um sistema que alberga um buraco negro

Uma equipa de astrónomos, liderada pela Universidade de Southampton, usou câmaras de última geração para criar um filme com alta taxa de quadros de um sistema com um buraco negro em crescimento e a um …

"É altura de dizer basta". Sporting corta com as claques

O Sporting rescindiu “com efeitos imediatos” os protocolos que celebrou em 31 de julho com a Associação Juventude Leonina e com o Diretivo Ultras XXI – Associação, anunciou hoje o clube, devido à “escalada de …

Poluição atmosférica associada a abortos espontâneos

Elevados níveis de poluição atmosférica foram associados a abortos espontâneos num estudo feito com mulheres grávidas a viver e trabalhar em Beijing, na China. A China é um dos países que mais sofre com a poluição …

Empresas espanholas dominam obras públicas na ferrovia

As empresas espanholas dominam as obras públicas na ferrovia em Portugal, ascendendo a sua quota a 70%, avança o Expresso na sua edição deste sábado. Para presidente da Associação de Empresas de Construção e Obras …

Cada vez mais mulheres denunciam abusos médicos durante o parto

Um número crescente de mulheres tem vindo a denunciar casos de abuso durante o trabalho de parto. No entanto, pouco está a ser feito para mudar isto. Durante o parto, as mulheres ficam numa posição vulnerável …

Já podemos explorar "Melckmeyd", naufrágio holandês do século XVII

Nas profundezas do Oceano Atlântico, perto da costa da Islândia, encontram-se os destroços de um navio holandês que afundou há 360 anos, no qual agora podemos "mergulhar" graças a uma experiência de realidade virtual. Quando a …

Os furacões podem provocar atividade sísmica tal como um terramoto

Uma equipa de cientistas descobriu um novo fenómeno geofísico no qual furacões ou fortes tempestades podem produzir vibrações no fundo do oceano tão fortes quanto um terramoto de magnitude 3.5. "As tempestades, furacões ou ciclones extratropicais …

Quem anda mais devagar pode envelhecer mais rapidamente

A velocidade a que caminham as pessoas aos 45 anos pode ser um indicador de como é que o cérebro e o corpo envelhecem, revela um novo estudo levado a cabo por uma equipa de …