Cientistas identificam pela primeira vez no espaço organismos desconhecidos

A centenas de quilómetros acima da Terra, há biliões de bactérias a viver na Estação Espacial Internacional. Agora, o programa Genes in Space-3 permitiu que astronautas da NASA identificassem e analisassem microrganismos no espaço pela primeira vez.

A capacidade de identificar estes organismos na Estação Espacial Internacional é algo no qual a NASA tem vindo a trabalhar há já algum tempo, que tornaria possível diagnosticar doenças de astronautas, estudar micróbios que resistem em microgravidade e até identificar a vida extraterrestre.

Agora, o projeto Genes in Space-3 permite, pela primeira vez, que os bioquímicos da NASA identifiquem os micróbios a bordo da estação espacial. Anteriormente, a única forma de identificar micróbios era enviá-los de volta para a Terra. Mas este novo projeto permitiu que os organismos fossem sequenciados a bordo da EEI.

Dado que certos micróbios demonstraram a capacidade de sobreviver no vácuo do espaço, tendo sido encontrados a viver fora da EEI, ser capaz de identificar rapidamente estes organismos ajudará a descartar – ou a confirmar – se são terrestres ou não. Até agora, todos os micróbios encontrados dentro e fora da estação espacial são de origem terrestre.

Identificar os micróbios foi um processo que envolveu dois passos distintos. Primeiro, a astronauta e bioquímica da NASA, Peggy Whitson, recolheu amostras e sujeitou-as à Reação em Cadeia de Polimerase (PCR), uma técnica que amplifica uma amostra de ADN de forma a criar várias cópias do material genético.

O segundo passo foi o sequenciamento e a identificação dos micróbios, usando o dispositivo portátil Minion da EEI. No entanto, o furacão Harvey impediu os microbiologistas do Centro Espacial Johnson de comunicarem com Whitson.

De acordo com o Science Alert, o problema foi resolvido fazendo uma cópia do telemóvel de Sarah Wallace, microbiologista da NASA a trabalhar no Centro Espacial Johnson, em Houston. Graças a essa cópia, Wallace foi capaz de ajudar a orientar Whitson.

Whitson usou placas de Petri para recolher amostras de várias superfícies da EEI. Dentro do laboratório Destiny, Whitson trabalhou na Microgravity Science Glovebox, na EEI, para poder transferir as células de colónias bacterianas cultivadas nas placas de Petri para tubos de ensaio. Foi a primeira vez que este processo foi realizado no espaço.

A NASA não disse especificamente que organismos foram identificados, mas afirmou serem micróbios comuns na Terra. As amostras foram enviadas à Terra para a equipa do Centro Espacial Johnson, de maneira a confirmar os resultados.

Esta é a primeira vez que uma amostra foi recolhida e testada no espaço. Um conjunto de micróbios já tinha sido sequenciado na EEI por Kate Rubins em 2016, mas as amostras foram pré-preparadas na Terra.

“Juntar a Reação em Cadeia de Polimerase e o sequenciamento do ADN em microgravidade pela primeira vez, é uma colaboração útil que permite aplicações na biologia molecular extremamente poderosas”, explica Wallace.

Este novo projeto irá acelerar o processo de análise de microrganismos no espaço, podendo ajudar, por sua vez, na identificação de formas de vida potencialmente alienígenas.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Facebook treina sistemas a reconhecer tiroteios com vídeos policiais

Para evitar casos como o que aconteceu em março na Nova Zelândia, quando um homem matou dezenas de pessoas em duas mesquitas e transmitiu o massacre em direto no Facebook, a rede social vai treinar …

Empresas que ponham trabalhadores a prazo nos quadros terão apoio até 3 mil euros

As empresas que convertam contratos a prazo em permanentes vão ter direito a um apoio até 3.050,32 euros por trabalhador, caso cumpram alguns requisitos, segundo uma portaria do Governo que será publicada esta quinta-feira. De acordo …

Bebé Matilde volta a ser operada na sexta-feira

A bebé Matilde vai voltar a ser operada na sexta-feira, depois de os médicos terem descoberto através de uma TAC que os ventrículos da criança “estão novamente aumentados". Assim, Matilde é operada pela segunda vez em …

Camiões a gás natural emitem mais óxido de azoto do que camiões a gasóleo

Os camiões movidos a gás natural liquefeito (GNL) emitem até cinco vezes mais óxido de azoto (NOx) do que os camiões a gasóleo, indicaram testes na estrada pedidos pelo Governo holandês e esta quarta-feira divulgados. Os …

França nega pedido de asilo a Edward Snowden

O ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Jean-Yves Le Drian, disse que não há razões para que o país mude a decisão de 2013 de recusar asilo a Edward Snowden, acusado de espionagem por ter publicado …

Ataque de milícias na República Democrática do Congo causa 14 mortos

Um ataque de milícias contra uma aldeia na região de Ituri, no leste da República Democrática do Congo (RDCongo), causou a morte de 14 pessoas, tendo outras quatro ficado feridas. A região tem sido alvo …

Morreu Ben Ali, ex-presidente da Tunísia

Ben Ali, ex-presidente da Tunísia que foi deposto em 2011 pela revolução que inspirou a Primavera Árabe, morreu esta quinta-feira na Arábia Saudita, avançou o advogado da família. Tinha 83 anos. "Ben Ali acabou de morrer …

Mulher que alegadamente pertencia ao cartel de El Chapo encontrada morta no México

Claudia Ochoa Felix, a mexicana de 35 anos que alegadamente pertencia ao cartel Sinaloa, liderado pelo narcotraficante El Chapo, foi encontrada morta numa casa em Culiacán, México, no fim de semana. Conhecida como “Kim Kardashian do …

Arábia Saudita vende prédio onde Jamal Khashoggi foi assassinado

A Arábia Saudita vendeu o edifício onde foi assassinado e desmembrado o jornalista Jamal Khashoggi. O prédio do Consulado, em Istambul, foi comprado há mais de um mês por menos de um terço do seu …

Portugal com mais de 60 nomeações nos óscares do turismo

Portugal está nomeado para mais de 60 categorias dos World Travel Awards, conhecidos como “Óscares do Turismo”. Segundo o jornal Público, há 66 nomeações para destinos ou empresas portuguesas na edição de 2019. Depois de em …