Cientistas encontraram um novo grupo de antimicrobianos no leite materno

A ameaça iminente de resistência aos antibióticos significa que precisamos desesperadamente de novos remédios. Um grupo de cientistas pode ter encontrado um deles na fonte de alimento mais natural de todos: o leite materno.

Os cientistas sabem há muito tempo que, além de ser uma fonte de alimento muito importante, o leite materno fornece aos bebés nutrientes vitais para construir e fortalecer os seus sistemas imunitários. Agora, descobriram um novo mecanismo por trás desse incremento anti-bacteriano nos açúcares do leite materno.

Ao contrário do entendimento geral de que as defesas anti-bacterianas são passadas de forma hereditária, sendo transmitida das mães para os bebés exclusivamente através das proteínas do leite materno, uma equipa da Universidade de Vanderbilt, nos EUA, afirma que os açúcares – ou hidratos de carbono – também demonstram propriedades que podem oferecer proteção contra infeções bacterianas.

“Este é o primeiro exemplo de atividade antimicrobiana generalizada com protagonismo dos hidratos de carbono no leite humano”, diz o químico Steven Townsend. “Uma das propriedades ​​é que são claramente não-tóxicos, ao contrário da maioria dos antibióticos”.

Os resultados preliminares foram publicados na revista científica Infectious Diseases.

Combater as bactérias

A infeção mais proeminente que afeta recém-nascidos é a Grupo B Streptococcus (GBS), que pode levar os bebés a desenvolver sepsia ou pneumonia antes dos seus sistemas imunitários serem suficientemente fortes para combater a bactéria.

Felizmente, embora a GBS possa ser mortal para os bebés, a maioria dos recém-nascidos não são infetados. A equipa de cientistas queria perceber se esses bebés poderiam obter mais proteção a partir do leite das mães.

“Queríamos saber se o hospedeiro comum [do GBS] – as mulheres grávidas – produz compostos que podem enfraquecer ou matar o estreptococo, que é a principal causa de infeção em recém-nascidos em todo o mundo”, explica Townsend.

Para conseguir a resposta, os investigadores retiraram hidratos de carbono de leite materno humano de cinco doadoras e açúcares complexos isolados a partir deles (chamados de oligossacarídeos), antes de os introduzir nas culturas de estreptococos em laboratório.

Ao analisar a interação sob o microscópio, a equipa descobriu que o hidrato de carbono poderia matar as bactérias e enfraquecer as suas defesas naturais, impedindo que estas formassem um biofilme protetor contra ameaças.

(dr) Steven Townsend / Vanderbilt University

Na imagem acima, esse biofilme pode ser visto à esquerda, mas é impedido de se formar na presença dos hidratos de carbono (à direita).

“Quando as bactérias querem prejudicar-nos, produzem esta substância protetora pegajosa”, explica Townsend, “permitindo-as enganar os nossos mecanismos de defesa”.

Estudos iniciais

Numa das amostras, os açúcares eliminaram por completo o estreptococo. Noutro, foram moderadamente eficazes a matar o estreptococo, enquanto nas três amostras restantes os hidratos de carbono não foram muito eficazes.

Para ajudar a explicar o que aconteceu, a equipa já iniciou outro conjunto de testes.

Em novas pesquisas ainda não publicadas, mas apresentadas esta semana num encontro da American Chemical Society, em Washington, o grupo voltou a encontrar resultados mistos.

Estes incluem dois casos em que os açúcares do leite materno quebraram o biofilme e mataram a bactéria; quatro em que o biofilme foi eliminado mas as bactérias sobreviveram e outros dois nos quais as bactérias morreram mas o biofilme persistiu.

A investigação está ainda no início, por isso, são necessárias mais pesquisas para perceber a dimensão destes resultados.

“Os açúcares seguem dois processos”, explica Townsend. “Primeiro, sensibilizam as bactérias e depois eliminam-as. Os biólogos costumam apelidar isso de ‘letalidade sintética’. Surge aqui um grande incentivo para que possamos desenvolver novos medicamentos antimicrobianos com esta capacidade”.

Além disso, a equipa diz que os dados preliminares indicam que os açúcares do leite materno podem tornar as bactérias mais suscetíveis a antibióticos comuns – como a penicilina e eritromicina.

“Se conseguirmos descobrir como os açúcares atuam, então será possível justificar a tentativa de recriá-los em grandes quantidades e depois introduzi-los em pessoas adultas”, conclui o investigador.

PARTILHAR

RESPONDER

"Solidariedade não é dar dinheiro." Holanda finca o pé e até critica Itália por "internar os mais velhos"

Há um novo braço-de-ferro na União Europeia (UE) entre os países do Norte e do Sul. Tudo por causa dos famigerados "coronabonds", instrumentos de dívida comum que países como Portugal, Espanha e Itália defendem para …

Vaga de doentes graves nas urgências poderá deixar SNS "inacessível"

Uma vaga de doentes graves às urgências, a juntar a cirurgias e consultas reagendadas, pode vir a deixar o SNS "inacessível" no futuro, alerta o presidente da Associação de Administradores Hospitalares. As idas à urgência nas …

CDS quer cheque de emergência para empresas encerradas

Uma das medidas, apresentadas por Francisco Rodrigues dos Santos, é a atribuição, às pequenas e médias empresas “encerradas ou com a actividade suspensa, um cheque de emergência no valor máximo de 15 mil euros”. O CDS …

Espanha regista 832 mortos nas últimas 24 horas. É o dia mais mortífero no país

A Espanha registou, nas últimas 24 horas, 832 mortos com o novo coronavírus, o maior número de vítimas mortais num só dia, elevando o balanço total para 5.690, de acordo com a última atualização das …

"O Brasil não pode parar". Bolsonaro compra campanha contra o isolamento social

Jair Bolsonaro gastou cerca de 800 mil euros numa campanha contra o isolamento social com o mote "O Brasil Não Pode Parar". O presidente brasileiro tem desvalorizado a pandemia de covid-19. Face à pandemia de covid-19, …

Crise leva Costa a reforçar intenções de voto. Ventura chega ao quarto lugar

Na mais recente sondagem às intenções de voto, os portugueses mostram estar de confiança reforçada em António Costa. O Chega ganha força e chega ao quarto lugar. Numa sondagem que apenas capta os primeiros dias do …

Descoberta criatura que pode ser o antepassado de quase todos os animais

Cientistas podem ter descoberto um dos primeiros ancestrais da árvore genealógica: uma criatura semelhante a um verme chamado Ikaria wariootia. Segundo a revista Newsweek, a minúscula criatura, parecida com um verme, é o exemplar mais antigo …

Bombardeamento israelita em Gaza em plena crise do novo coronavírus

O exército israelita bombardeou hoje postos do movimento radical Hamas em Gaza, em represália contra o disparo de um míssil, no primeiro confronto registado no enclave palestiniano em pleno surto do novo coronavírus, noticiou a …

Avião com material médico vindo da China chegou sem ventiladores e reagentes

O avião da Hi Fly que aterrou esta sexta-feira em Lisboa com material médico para ajudar Portugal a mitigar a pandemia de covid-19 chegou apenas com 24 das 35 toneladas previstas, faltando os reagentes para …

Cientistas "reiniciam" idade de células estaminais de uma mulher de 114 anos

As pessoas vivem mais de 110 anos, as supercentenárias, são notáveis não só pela sua idade, mas também por causa da sua incrível saúde. Agora, pela primeira vez, os cientistas reprogramaram células de uma mulher …